sábado, 4 de janeiro de 2014

Sócrates em queda e o habitualismo de Passos



A manchete do Sol, de 3-1-2014, «Sócrates sempre a cair» do artigo «Sócrates é o menos visto dos comentadores», pressagia a saída do ex-primeiro-ministro da imunidade de comentador residente da RTP e, quiçá, novos avanços judiciais. Veremos se este novo ciclo socratino vai da clandestinidade prática, para a qual regressou, assolado todavia pelo repúdio popular, até outro exílio académico parisiense (ou nova-iorquino...).

A queda do protegido-protetor socratino Paulo Ferreira, da diretor de Informação da RTP, em 28-12-2013, tem um significado tático: Passos Coelho empurra o Pinto amigo para bode expiatório, tal como já tinha alijado o outro... Passos é um sobrevivente discreto, utilizando melifluamente a neutralização do habitualismo, a teoria salazarista de que os portugueses querem é viver habitualmente, desinteressados da política. E agora mais, quando se sabe que a União Europeia exige o protetorado em troca da liquidez. Um beco.

9 comentários:

Anónimo disse...

Prof. Balbino Caldeira,

Temos aqui duas notícias interessantes:

1) o criminoso Sócrates não será a versão pós-Abrilesca do pulha Soares, antes será apenas um traficante de interesses, e que com isso pagará os fatitos Armani versão maricon.

2) Passos não se engana. Os portugueses nunca foram um povo com grande capacidade intelectual, de outra forma jamais Salazar tinha conseguido governar o Império por mais de 40 anos. Aliás, o Senhor Professor sabe que a "Casa dos Segredos", seja lá o que isso for, é o programa mais visto da TV portuguesa. Depois, o Senhor Professor sabe também que Portugal é o país das Fátimas Felgueiras, dos Isaltinos de Morais, dos Narcisos de Miranda, dos Mesquita Machado, dos Ferreiras Torres e tutti quanti, personagens de enorme capacidade mafioso-intelectual.

Voltámos a 1960, sem Império.
Deus é Grande.

Anónimo disse...

O Senhor Comentador das 23:33 fala assim de Salazar porque
DESCONHECE EM ABSOLUTO QUAL FOI A REALIDADE DE PORTUGAL NOS 40 ANOS ANTERIORES À SUA ENTRADA PARA O GOVERNO DA NAÇÃO.

Estude e depois pronuncie-se sobre o Doutor António de Oliveira Salazar.

Anónimo disse...

Nada justifica a repressão ou a perseguição dos que se opõem a nós, quer seja Salazar, Castro, Pinochet, ou Staline.

Salazar representou uma mentalidade canhestra e sinistra, que infelizmente ainda está por aí. Mesmo que se venha com os argumentos pseudo-patriotas, Salazar não foi bom para Portugal, com ou sem argumento económico.

Infelizmente, os portugueses continuam, na sua grande maioria, a ver o "preto e o branco", ou seja, uns douram a pílula com Abril, esquecendo-se que Abril pouco mais trouxe do que a liberdade, outros sonham todos os dias com o criador do Tarrafal, o Botas de Santa Comba. Por isso é que Portugal não sairá do beco!

Antonio Cristovao disse...

o que sobressai é que aversão e linguagem rancorosa é uma perca de tempo. tanto odio destilado e ele cai por si,porque naturalmente pouco tem a dizer e a respeitabilidade não demora a cair nos aldrabões.

Anónimo disse...

A repressão do regime de Salazar foi sobre os comunistas subversivos.Ponto.
Os países que não o fizeram pagaram uma factura pesada.
Os EUA tiveram o Mcartismo.Não são portanto uma democracia.
Portugal depois de 1974 assistiu a prisões sem culpa formada,mandatos de captura em branco,assassinatos políticos pelas FP's do Otelo,de esquerda,etc.É pois,um país democrático.
Os comunistas assassinaram pessoas durante o regime anterior,justificando-se com traição à causa.São um partido democrático e sentam-se no parlamento.
Entregaram as províncias ultramarinas a movimentos comunistas,montados pelo PCP a mando de Moscovo.Esses movimentos mataram milhares de pessoas.Responsabilidades? Não há! É tudo uma grande democracia.Todos os mortos e torturados estão justificados.Foi uma coisa democrática.
Salazar não foi patriota.Entregou a nação íntegra e una.Os trafulhas de Abril é que são patriotas,entregaram tudo aos russos e cubanos.
Este país ainda vive esta tonteria.

Anónimo disse...

05:53

Os meus parabéns pelo seu comentário.

Há muito que não lia um texto tão expressivamente verdadeiro e conciso como este.

Uma verdadeira lição de História.

Muito obrigado.



Anónimo disse...

O mundo a "preto e branco", ou de como Portugal saiu de uma I Republica miserável, mas deusificada pelo socialismo em voga, para se meter num regime totalitário, o chamado "Estado Novo", que castigou os portugueses e não foi suficientemente atento para acautelar o Império.

Nada de novo. Portugal há muito que não tem élites com visão, que defendem os interesses históricos dos portugueses. As élites defenderam sempre os seus interesses.

Por tudo, nada a fazer. O futuro será como o passado recente: a emigração, a misériazita e o fado! Os portugueses querem que tudo seja mesmo assim.

Anónimo disse...

Castigou os portugueses construindo uma rede de escolas primárias que não existia.
Evitando que o país entrasse na II Grande Guerra e poupando a vida a milhares de portugueses.
Construindo de raiz as cidades e vias de comunicação que conhecemos nos territórios ultramarinos e que depois tão bem cuidadas têm sido pelos amigos do povo lá instalados no poder.
Impedindo que imperialismos estrangeiros tomassem os nossos territórios.
Poderia evitar o desfecho que se conhece adotando os métodos comunistas de exterminar fisicamente os inimigos com pelotões de fuzilamento ou tiros na nuca e valas comuns cheias de inimigos do povo.
Nunca será mitificado como os bem amados Guevaras.Não terá uma rua em Lisboa com o seu nome e não ouvirá encómios do Jerónimo e do Louçã.

Anónimo disse...

http://expresso.sapo.pt/mario-soares-esta-com-azia-ha-boas-noticias=f845811

Mário Soares está com azia: há boas notícias

Eu até percebo a forma como Soares e as groupies do soarismo têm recebido as sucessivas boas notícias relativas à recuperação económica do país. Sim, juro que percebo: é aquela azia que sinto quando o Benfica vai jogar às Antas. O desemprego está a baixar há meses e meses, mas esta malta diz que "é da sazonalidade". Pois, claro, eu também digo que "é dos árbitros". Mas, ora essa, que tipo de sazonalidade chega aos oito meses? Eu ajudo: é uma sazonalidade, como dizer?, não-sazonal, é uma mudança estrutural. Sem grande ajuda do governo , verdade seja dita, a sociedade portuguesa está a adaptar-se organicamente a uma crise que não é só uma crise, é uma nova realidade. Contrariando todos os Jeremias da praça, as empresas portugueses estão a conseguir exportar dentro de uma moeda forte e a conquistar mercados fora da UE. Outubro foi o melhor ano de sempre das exportações para fora da UE. Não é brincadeira. Este ajustamento está a ser mais estrutural do que o ajustamento liderado por Mário Soares em 83-85. Nessa altura, desvalorizámos o Escudo e começámos a exportar produtos ao preço da uva mijona. Hoje em dia, esse truque já não funciona, e ainda bem. As exportações de 2013 têm mais valor económico e mental do que as exportações de 1983-92.

Vai mais um bocadinho de azia? Já não estamos em recessão. Onde é que está a "espiral recessiva" do coro soarista dos últimos dois anos? Em anexo, as taxas de juro da dívida a 10 anos estão abaixo dos 6%. Ainda se lembram quando beijavam a casa das dezenas? Ainda se lembram dos 7% de Teixeira dos Santos? Na economia real, estamos a caminho de um excedente externo de 5%. Ou seja, o país já está a gerar mais riqueza do que aquela que consome. Portugal está a caminho de ficar livre da dependência extrema do crédito externo, do tal "capitalismo de casino".