sábado, 24 de março de 2018

A marcha do relativismo



O paradoxo do totalitarismo do politicamente correto é a aparente suavidade dos meios de coação. Apenas aparente. Porque a polícia do pensamento também é violenta, na medida em que dobra psicologicamente o indivíduo. Trata-se de uma espécie de waterboarding (afogamento simulado) virtual em que o indivíduo arrisca o afogamento social, um ostracismo interno, para além da punição profissional, se contrariar a ideologia única admissível.

A escatologia ambiental é apenas mais uma que procura ingenuamente resolver a falta de fé nas palavras, que não passam. O fim da Terra e do tempo ocorreria por causa dos pecados capitalistas dos homens: a indústria, a agricultura intensiva, o consumo, os fármacos e os químicos, a energia nuclear, os hidrocarbonetos, os plásticos e a exploração  de matérias-primas finitas. A manipulação genética, individual e social, faz-se em simultâneo, à adoração panteísta do «ambiente», do qual o homem passa a ser o objeto em vez do sujeito. A morte do homem - que não do animal ou da planta - é, afinal, toda boa, do salto no ventre, ao sono da veia até ao coma do imprestável (o velho, o doente, o deficiente). Uma ideologia absoluta que impõe que tudo é relativo (valores, instituições, relações, fenómenos) e líquido, menos ela mesma. Até a Igreja está a ser atraída por este novo bezerro de ouro a que chamamos Nada (o vazio da descrença).

Um pós-modernismo, ou relativismo, ou politicamente correto - marxismo transmutado de superação de Deus pela descrença, de dissolução do ser, primeiro da sociedade e depois do indivíduo. Dir-se-á que é apenas filosofia. Mas, para quem for atento, verá nesta doutrina totalitária uma consequência prática e tangível: a lei garante o abuso e a sua aplicação garantística protege-o. Como exemplo, veja-se a segurança pública: os militares tornam-se polícias de vigilância, os polícias tornam-se mediadores entre vítimas e criminosos, os criminosos tornam-se vítimas da sociedade, as vítimas tornam-se bombeiros, os bombeiros tornam-se acusados e os acusados políticos de negligência evaporam-se na irresponsabilidade. E quando a tragédia acontece, varre-se o lixo da verdade para debaixo do tapete político que tudo encobre, sejam os incêndios de 14 a 16 outubro de 2017, o furto de armamento em Tancos ou os atentados do Islão belicista. O resultado da irresponsabilidade concorre para a degradação social que, por sua vez, justifica a doutrina totalitária.

O efeito deste delírio ideológico, e da corrupção política associada, é o cansaço do povo e o regresso do autoritarismo, patente nos EUA e Rússia e emergente no Brasil e na Europa. Contudo, as elites mediáticas preferem fechar os olhos ao beco de desordem social e abuso, onde a corrupção nos conduziu. Siga a marcha do relativismo!...

27 comentários:

Anónimo disse...

Ótima análise. Agora, a solução?

Anónimo disse...

O islão belicista. A fórmula é pleonástica, porquanto o islão é belicista por natureza. Ler o Alcorão e os autores, nunca traduzidos, citados pelo exímio Aldo Sterone, que os conhece por dentro e por fora. O recuo da influência cristiana traz consigo, obrigatoriamente, o ressurgir do islão TAL COMO É. Acresce a isso a natalidade galopante dos países muçulmanos. Por isso, ou cruzar os braços e deixar-nos invadir e massacrar, ou contra-atacar, espiritualmente (não com Bergoglio, claro) e politicamente. Não há outra alternativa.

Anónimo disse...

Excelente análise, ainda que sem solução!

Anónimo disse...

Fracasso, em toda a linha, do individualismo e do liberalismo. O dinheiro, com ou sem valor, não salva ninguém.

Anónimo disse...

Brilhante, mas profundo, e notavelmente bem escrito. Parabéns Prof. Caldeira.

Anónimo disse...

Parabéns! Já tinha saudades de o ler.
Notável, de facto, a sua análise. É preciso alertar.

Anónimo disse...

A luta contra o relativismo era um dos "cavalos de batalha" do papa Bento XVI. Pena ter-se demitido. Mas há quem afirma que foi forçado a isso — até com a interrupção, na última semana do seu pontificado, das operações do IOR (o banco vaticano) com o sistema mundial (SWIFT), como supremo modo de pressão e chantagem — e que foi por causa disso, dessa violência a que foi submetido, que resolveu afastar-se, nunca abandonando, porém, o Vaticano, nem as suas insígnias papais, e continuando a ser, de certo modo, pontífice legítimo. Mistério tremendo, esse, que será talvez, um dia, dilucidado.

Anónimo disse...

O economista dos EUA Richard W. Rahn (setembro de 2007) chamou o Putinismo de "uma forma nacionalista autoritária de governo russo, que finge ser uma democracia de livre mercado", que "deve mais de sua linhagem ao fascismo do que ao comunismo;" [7] observando que o "Putinismo depende da economia russa crescendo rapidamente o suficiente para que mais pessoas tivessem melhor qualidade de vida e, em troca, estivessem dispostas a colocar-se à branda repressão existente ",[33] ele previu que "a prosperidade econômica da Rússia mudou, o Putinismo é provável que se torne mais repressivo."

Anónimo disse...

Sob a falsa aparência de um papa popular, uma característica exaltada principalmente por aqueles que desconhecem ou abominam tudo o que se relaciona à Igreja, a chapa do Vaticano está fervendo.

E a fervura aumentou com a sequência de acontecimentos dos últimos dias. Primeiro, foi revelado que o autor do livro The Ditador Pope é o historiador Henry Sire, inglês de origem francesa com pedigree em Oxford e senso de humor suficiente para comentar: “Como dizem os franceses, l’heure est arrivée”.

Segundo, a Ordem de Malta, uma das mais arcaicas instituições católicas, suspendeu Sire de suas fileiras “aproximadamente cinco segundos depois”, no comentário cáustico de um simpatizante do autor.

O detalhe importante é que a Ordem está sob intervenção do papa Francisco desde 2016, no que foi considerado mais um acinte às alas conservadoras da Igreja (no plural, pois são mais de uma e têm motivações diferentes).

Terceiro, o livro se tornou imediatamente conhecido muito além dos círculos estreitos que envolvem historiadores de Oxford, a Ordem e discussões canônicas.

Sire, que escreveu sob o pseudônimo de Marcantonio Colonna, agradeceu aos “muitos críticos que ajudaram a levar meu livro à posição de bestseller global”. ˙

Há algum exagero, no caso de um livro lançado para o Kindle, mas a publicidade gratuita fornecida pela reação destemperada está ajudando.

A escolha do pseudônimo já diz muito sobre o autor. Colonna foi um formidável nobre italiano que ocupou a segunda posição de comando na Batalha de Lepanto, o histórico confronto de 1571 entre cristãos e muçulmanos que determinou o equilíbrio de forças entre os dois grandes movimentos político-religiosos.

Ao segurar a expansão da religião de Alá que havia atingido o ápice simbólico e real com a queda de Constantinopla, renomeada e islamizada a partir de 1453, Lepanto se tornou um dos dois grandes pilares da reação católica (o outro é a Batalha de Viena, de 1683).

Anónimo disse...

Ninguém sabe o que é o "Putinismo", a não ser os neocons histéricos que proliferam no Deep State americano, raivosos por ter sido obrigados por Putin a largar mão de tudo o que tinham roubado aos russos depois da queda da URSS, aproveitando a desorganização das estruturas do Estado sob o governo do bêbado Yeltsin. Uns abutres. Imperdoável!

Anónimo disse...

O livro do Colonna/Henry Sire, "O Papa Ditador", é, de facto, excelente.

https://novusordowatch.org/2018/03/dictator-pope-author-is-henry-sire/

Anónimo disse...

"Lepanto se tornou um dos dois grandes pilares da reação católica"

Quis provavelmente dizer que a vitória de Lepanto (7 de Outubro de 1571) "se tornou um dos dois grandes símbolos da contra-ofensiva católica".

Como, de certa maneira, a resistência heróica dos defensores do Alcazar de Toledo em 1936.

Anónimo disse...

Slobodan Despot, escritor e editor suíço, estes suíços que não sabem o que é a liberdade (venham çá aprender!):

"Un monde sans Poutine"

https://medium.com/antipresse/ap120-bt-5e1e2e55ab7

Anónimo disse...

Estou muito grata àquele interveniente que me fez descobrir o Maurizio Blondet e o Aldo Sterone. Que eu saiba, não temos ninguém desta qualidade em Portugal. Muito obrigada.

Anónimo disse...

Bem vindo de volta !
Este post é de facto interessante, provocador de reflexão e está bem apresentado.
Bem mais interessante e relevante do que os "fait divers" deste ou daquele; e como se percebe pelos comentários, as pessoas querem este nível.
Por mim, vou tentar contribuir.

Anónimo disse...

Muito lúcido e incisivo este comentário en francês de Peter Koenig no "Saker francophone":

"La réaction de la Russie aux insultes de l’Occident est un suicide politique"

http://lesakerfrancophone.fr/la-reaction-de-la-russie-aux-insultes-de-loccident-est-un-suicide-politique

Pessoalmente, concordo inteiramente com o que Koenig escreve.



Anónimo disse...

quem ainda quiser uma fodinha hoje num cu de macho, estarei disponível entre as 19.30 e às 21.00 no Delta Q do Atrium. É para vir rebentar-me o cu todo.

Anónimo disse...

Estranho ver como esta Theresa May e o seu ministro dos Negócios Estrangeiros louco, o Boris Johnson, parecem literalmente endemoninhados, prisioneiros como estão na teia de mentiras que eles próprios montaram, da qual já não podem fugir, e cujos fios não param de multiplicar sem nunca oferecer a mínima prova em abono das suas acusações, mais absurdas e mais insultantes umas que as outras… Mesmo assim levam atrás de si meio-mundo, pelo menos meia-Europa (para além dos Estados Unidos, do México e do Canadá), que vai expulsar mais diplomatas russos… Histeria total… Até hoje, Portugal não se pronunciou oficialmente sobre o caso (que eu saiba). Escrúpulos de consciência ? Mas amanhã ? As pressões devem ser enormes.

A todas estas provocações imbecis, absolutamente irresponsáveis, respostas admiráveis de calma e de dignidade de Putin, de Lavrov e de Maria Zakharova…

Deus nos ajude, neste momento perigoso, e Nossa Senhora de Fátima. A minha convicção é que Nossa Senhora olha, neste momento, para a Russia com particular solicitude, grata pela sua defesa dos cristãos da Síria e do Iraque.

Anónimo disse...

Não me interessa a entrevista nem a personagem. Um ex-ministro de Salazar que singra sem má imprensa depois do grande acidente nacional, como sucede a este cavalheiro, é para deixar de pé atrás qualquer um que reflicta conscientemente nestes factos.

Quando o prof. Marcello Caetano se lhe refere nas Minhas Memórias de Salazar como um «rapaz esperto embora não muito brilhante», subentende-se tudo.

José Hermano Saraiva foi professor no I.S.C.S.P.U. quando Moreira foi ministro do Ultramar e ao depois de ele ser demitido. No cap. 7 do seu Álbum de Memórias conta o que se passou nessa altura com ambos e deixa-nos, sem baixeza, um retrato fidedigno de Adriano Moreira.

Anónimo disse...

Peço desculpa, mas que vem fazer aqui o Adriano Moreira, que ninguém chamou? Parece que houve aqui uma troca de comentário.

Anónimo disse...

Putin e o lamaçal que o eixo do mal, USA e GB (embora faltem mais alguns) estão construindo.
.
https://www.youtube.com/watch?v=tlaHubJ-fKk
.
https://www.youtube.com/watch?v=bN8ianIJ1Sk
.
https://www.youtube.com/watch?v=dxRiG8vRRBk
.
Porque é professor :)
.
Pocketed U.S. Politicians Exposed: The Most Powerful Criminal Organization in The World (Full Video)
https://www.youtube.com/watch?v=ljJE_i6h8es
.
Killing Ed: Director's Selection, Part 1
Carlos

Anónimo disse...

...e porque Putin é tão odiado.
Carlos

Anónimo disse...

Observador :
Portugal decide não expulsar diplomatas russos
26/3/2018, 16:48

Ainda bem !

Anónimo disse...

Damasco, capital da Síria, é a cidade onde São Paulo foi baptizado.
A cristandade síria é, depois da de Jerusalém, a mais antiga da Igreja.
Que o demónio procure aniquilar, depois de tantas outras, a cristandade síria, protegida por Bachar al-Assad, e que constitui, por virtude dessa protecção, um dos esteios mais sólidos do seu governo, não deveria surpreender ninguém.
O mesmo já acontecia no Iraque, onde Saddam Hussein defendia os cristãos contra os extremistas muçulmanos. O seu ministro dos Negócios Estrangeiros, o excelente Tariq Aziz, morto nas masmorras do judeo-maçon G. W. Bush, era cristão.
Ao contrário do que se tem afirmado desde o início das hostilidades naquele martirizado país, o que se passa na Síria não é uma guerra civil, nunca foi uma guerra civil, mas sim uma guerra de agressão decidida e liderada, desde o princípio, tal como no Iraque, pelos americanos, com a cumplicidade dos israelitas, dos ingleses, dos franceses, dos belgas, dos sauditas, dos jórdanos, dos qataris e mais alguns (a tal "coalição"), para derrubar o governo legítimo de Bachar e dividir o país, rico de potencialidades de toda a espécie (petróleo e gás principalmente), entre os diversos intervenientes — os USA e a GB arrogando-se, claro, a parte principal.
Esta nova guerra era também uma excelente ocasião — julgavam — de favorecer o projeto do Grande-Israel, desde o Mediterrâneo até ao Eufrates, acalentado, desde sempre, pelos sionistas (que tinham colonizado também, nos últimos decénios, o “Deep State” americano, sob o nome de neocons).
No terreno, foram importados diversos grupos extremistas (Daesh, al-Qaida, al-Nosra, etc.), inicialmente apresentados como “opositores legítimos ao regime sírio” e "rebeldes moderados", mas sempre armados, enquadrados e manipulados por instrutores ocidentais. Esses grupos, compostos por dezenas de milhares de estrangeiros e financiados, essencialmente, pela Arábia Saudita e pelo Qatar, não tardaram a revelar a sua verdadeira face de muçulmanos fanáticos, alguns deles autênticos canibais.
Quando o exército siriano, exausto, estava prestes a sucumbir, os russos intervieram maciçamente em seu apoio, mudando a face do conflito. Estragou-se, pois, a festa já preparada em Jerusalém e nas capitais ocidentais. Um tal “descaramento” por parte da Rússia era imperdoável. Desafiar a América, pouco mais de vinte anos depois da queda do muro de Berlim! Daí o ódio de morte para com Putin fomentado pelos meios de comunicação social controlados, na sua maioria, pelos neocons, ou pelos seus apaniguados, e que acabou por tomar, nas classes dirigentes anglo-americanas, europeias e ocidentais em geral, proporções de completa alucinação. Foi assim que Vladimir Putin chegou a ser declarado “inimigo do género humano”, “novo Hitler”, etc., e banido da sociedade ocidental.
Depois de seis anos de carnificina e de colossal devastação, a guerra na Síria ainda não acabou. Prova-o a recente e criminosa provocação montada em Londres por Theresa May e pelos seus serviços secretos para atingir, uma vez mais, o presidente russo, entretanto triunfalmente reeleito, e isso nas vésperas da libertação da Ghuta, último feudo terrorista perto de Damasco, de onde a capital siriana era constantemente bombardeada. A guerra na Síria ainda não acabou, mas, na verdade, aparece cada vez mais visível, em toda esta louca história de rapina, de destruição e de morte, a mão sinistra do Príncipe deste Mundo, o próprio Satanás.

Anónimo disse...

Excelente síntese. Parabéns ao autor.

Anónimo disse...

"Petro-yuan helps Russia & China dump US dollar in oil trade"
https://www.rt.com/business/422472-russia-china-petro-yuan/

Mais uma razão porque odeiam Putin. "Agora" tb a China, só que estes não são o Saddan nem o Kadafi.
Carlos

Eston disse...

Superior Quality Building Materials The world's tallest modular building Anyone who thinks that modular construction is unsafe or shoddy clearly hasn’t heard that the new tallest building in the world, Sky City One, is set to be built smart house solutions from start to finish in just 90 days. How? They’re using modular building techniques.