segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

Crescem juntos


Cinco questõeszinhas sobre bicos de obras bancários:
  1. Será verdade que, recentemente, a filha do ex-presidente de Angola e maior acionista do banco EuroBic (ex-BIC), Isabel dos Santos  sacou secou a liquidez deste banco?
  2. E que, em consequência desta limpeza, o banco liderado pelo ex-ministro socialista Teixeira dos Santos, ficou em situação financeira muito complicada?
  3. E, se acontecer ao Eurobic o que aconteceu ao BES, cuja queda foi precipitada também pelas perdas de 3 mil milhões de euros em Angola, terá o povo português de suportar o socorro financeiro de outro banco?
  4. Já não basta o povo arcar com o resgate do Montepio através da caixa da caixa de esmolas da Santa Casa da Misericórdia, sem a responsabilização dos seus dirigentes, nomeadamente o intocável socialista Tomás Correia?
  5. E como pode o Banco de Portugal, que tem como membro do seu Conselho Consultivo, Francisco Louçã, a eminência parda do Bloco de Esquerda, deixar ocorrer estes descalabros?


* Imagem editada daqui.


Disclaimer: As entidades mencionadas nas notícias dos média, que comento, não são suspeitas ou arguidas do comentimento de qualquer ilegalidade ou irregularidade. E, quando arguidas, gozam do direito constitucional à presunção de inocência até ao trânsito em julgado de eventual sentença condenatória.

11 comentários:

lusitânea disse...

O zé povinho escurece a bem ou a mal...

Anónimo disse...

Germany dixit

Anónimo disse...

O Sr. Prof. Dr. António Balbino Caldeira ainda não percebeu, ao cabo de tantos anos de blogue e com a idade que já tem, que a "democracia" é precisamente isto : a ditadura dos bancos e da maçonaria.
Também não percebeu ainda que a maçonaria não passa dum instrumento nas mãos do judaísmo talmudico (que não é o do Antigo Testamento, que acabou há 2000 anos) para ganhar dinheiro e mais dinheiro e dominar o mundo…
Ainda não percebeu que a cúpula dos bancos internacionais está nas mãos dos judeus, e que estes têm todo o interesse em expandir no mundo a tal "democracia"…
Ainda não percebeu que, em vez de se focalizar, dia após dia, sobre as taras da tal "democracia" com que enchem os jornais para entreter o povinho "democrático" e mantê-lo quieto, melhor faria em lembrar aos seus leitores que Portugal foi uma grande nação — pequeno território, sim, mas grande nação —, e que há uma razão, uma explicação para a nossa decadência, para o nosso aviltamento como nação, e que esta razão reside, precisamente, na INVEJA com que os judeus olhavam para a nossa riqueza e a nossa influência internacional, e com eles os ingleses e os americanos que controlam, e que fizeram tudo para nos afundar. Leiam o grande, o heróico Franco Nogueira, et talvez comecem a perceber o que é que nos aconteceu…
De duas uma : ou remontamos às causas da nossa situação, e arredamos caminho, ou continuaremos a choramingar até ao fim dos séculos, e a indignar-nos com esses "democratas" que só fazem o que sabem fazer e para o qual foram ensinados : locupletar-se com a nossa miséria moral e política, rindo-se da nossa imbecilidade.

Anónimo disse...

As Profecias de Marcelo Caetano12/8/14 19:40

Estas são palavras de Marcelo Caetano aquando do 25 de Abril de 1974: "Em poucas décadas estaremos reduzidos à indigência, ou seja, à caridade de outras nações, pelo que é ridículo continuar a falar de independência nacional. Para uma nação que estava a caminho de se transformar numa Suiça, o golpe de Estado foi o princípio do fim. Resta o Sol, o Turismo e o servilismo de bandeja, a pobreza crónica e a emigração em massa. Veremos alçados ao Poder analfabetos, meninos mimados, escroques de toda a espécie que conhecemos de longa data. A maioria não servia para criados de quarto e chegam a presidentes de câmara, deputados, administradores, ministros e até presidentes de República." Veja-se como bastaram 40 anos para o tempo lhe dar razão.

http://wehavekaosinthegarden.blogspot.pt/2014/06/a-mumia-de-belem.html#comment-form

.

"5.E como pode o Banco de Portugal, que tem como membro do seu Conselho Consultivo, Francisco Louçã, a eminência parda do Bloco de Esquerda, deixar ocorrer estes descalabros?"

Há uns anos fiz queixa ao banco de Portugal de que um banco, como todos os outros, andava a vender artigos de ouro, o que era ilegal. Bancos só podiam vender dinheiro, e por tradição, numismática.
Recebi uma carta muito amável, dizendo preto no branco, que o banco de Portugal não tinha poderes para proibir tal comportamento ilegal do banco.
Pouco tempo depois vieram as retaliações do banco, mas isso não é outra história.
Carlos

Anónimo disse...

Professores conheço imensos… professoras, conheço as que foram por vocação e só querem ver-se livres do ensino; conheço uma (a génio da geometria) que foi para professora porque se viu com um filho nos braços e encostadinha ao estado é que esta(va) bem; das minhas diversas turmas, só os piores foram para professores, alguns verdadeiras nulidades — para mim começa logo aqui um dos problemas graves.

Anónimo disse...

A Fenprof demarca-se «mais uma vez» desta divulgação, repudiando a «forma abusiva» como as escolas são catalogadas de «boas» e «más», «melhores» e «piores», em função do lugar relativo que ocupam no ranking.

Anónimo disse...

Claro que se demarca. A última coisa que esse avatar do partido comunista quer é a selecção de competências.

Anónimo disse...

Tenho vergonha, desta naçãozinha, povoada de labregos.

Anónimo disse...

Rui Sousa, docente da Católica Porto Business School e diretor do Service Management Lab, foi nomeado para associate editor de duas das mais prestigiadas revistas internacionais na área de Gestão de Operações: Journal of Operations Management e International Journal of Production and Operations Management.

Anónimo disse...


https://sputniknews.com/military/201802221061913469-us-base-gives-you-cancer/

Eston disse...

Finally the modular home gets set on the foundation and your builder connects the utilities and does all of the on-site work necessary to get you moved in! All while the site-built home CLT House builders is still twiddling their thumbs, waiting for it to stop raining.