terça-feira, 19 de dezembro de 2017

Volta


Capela de São Jorge, chão da batalha de Aljubarrota, 1-12-2017

"Sed fugit interea, fugit irreparabile tempus". 
                   Publius Vergilius Maro (c. 29 dC). Georgicon. III, 284.


No bailado da vida, o tempo foge. Irreversivelmente, como lamentava Virgílio?... Não. Depende da dança da vontade. Nesse sentido, o tempo é absolutamente relativo. Até porque dura para lá de nós... É uma variável dependente. Dependente do que se faz nele... Mas não é por madrugar muito, e madrugo - quando não ocupo o serão -, que amanhece mais cedo. Por vezes, é necessário parar um pouco a urgência para preparar, sem pressa nem medo, o futuro. O tal, de passo incerto, cujo ritmo pertence a Deus.

No meio dos dramas e das comédias, há sempre que encontrar a esperança e voltar ao trabalho. No País, pasmado, e no mundo, em transição, ao serviço do povo.

O mundo em transição do delírio politicamente correto socialista para um retorno aos valores intransigíveis: o cansaço dos povos perante os absurdos extremos da ditadura do politicamente correto; o solavanco por que passa a Igreja; a recuperação militar temporária perante um Islão em reorganização tática, enquanto continua a sua expansão demográfica na Europa; a perda eleitoral dos partidos do espectro politicamente correto socialista e o ganho de plataformas a que chamam populistas por, afinal, servirem o que o povo quer; o ressurgir dos regionalismos, de que são exemplos o independentismo moll da Catalunha (que, com a sequente autonomia do País Basco, reduziria Portugal a uma região da Ibéria...) ou da Córsega.

O País pasmado: com a tragédia dos incêndios do interior desprezado, com a coragem da acusação, pela qual muito se lutou, ao longo de anos, ao primeiro-ministro que arruinou o Estado e o povo; com a (a)normalidade de um governo socia-estalo-trostskista que vai gozando do gravame desigual do anterior; com a distribuição discreta de lugares do Estado por comunistas e trotskistas burgueses; com o cheirete da fétida corrupção socialista e a oxidação fatídica da liderança ferrugenta da coligação governativa; com a evidência sistémica da promiscuidade socialista do PSD regionalista e do CDS p(r)o(a)rtista; com a sujeição do Estado e da sociedade civil, inclusivé no interior, ao poder da Maçonaria; com a mudança silenciosa do paradigma ideológico de um País católico para o delírio de uma sociedade socialista repressora, apesar dos sinais do tempo; com uma sociedade civil distentida pelo alívio do cinto financeiro; e com o engenho económico das novas gerações a aproveitar o crescimento do fluxo turístico e o esforço nacional acumulado da educação.

E o que quer o povo? Recuperação da democracia através da derrota da bancocracia socialista; limpeza da corrupção; responsabilização social; segurança pública; controlo da imigração; liberdade económica; desagravamento fiscal; redução do Estado e da subsidio-dependência de indivíduos e instituições; supervisão da distribuição de subsídios públicos e prestação de contas; justiça eficaz e autónoma do poder político; escola rigorosa e livre de demagogia política; desenvolvimento territorial harmonioso e não apenas da corte; liberdade de viver de acordo com os valores professados; e proteção da família.

12 comentários:

Anónimo disse...

Santana Lopes namora na Croácia Casal está junto há cerca de seis anos e mostra-se feliz.

Ler mais em: http://www.cmjornal.pt/maissobre/pedro-namora

lusitânea disse...

Bem vindo e boas festas

Anónimo disse...

Bem-haja pelo regresso!

Feliz Natal e um Bom ano de 2018

Anónimo disse...

Já não era sem tempo!
Santo Natal e festas felizes!

Anónimo disse...

Foi em maio deste ano que o Papa Francisco descobriu. Através de um enviado apostólico que ele próprio enviou às Honduras, percebeu que o seu amigo e principal conselheiro, o cardeal Oscar Maradiaga, recebia 35 mil euros por mês da Universidade Católica de Tegucigalpa, nas Honduras. O poderoso cardeal – que é coordenador do Colégio de Cardeais – era conhecido por defender uma Igreja Católica pobre e singela.

Anónimo disse...

Sintam o cheiro que afugenta os cães
É o Balbino mais a puta da mãe
Que cheiro a merda que para ali vai
É tão intenso que nem com ácido sai
Balbino porco, Balbino Paneleiro
És a vergonha de Portugal Inteiro
És miserável, atrasadinho
E ao Sócrates vais dar o teu cuzinho.

Anónimo disse...

...o caso deste artista do mal que vem para aqui atacar sem se identificar "Anónimo" (um verme da sociedade)...fala e escreve mal, está repleto de inveja. Nunca será ninguém! Coitada de SUA mãe!!! Este, sem nome por cobardia, espelha nos outros aquilo que ELE É! A inveja diabólica do anónimo não o permite sair deste blogue. De certo que não tem NADA...compaixão por este pobre coitado!!! Os gritos do mal ecoam em cada palavra que escreve...com esta qualidade, aplauso ao bem. O professor António Balbino Caldeira está de parabéns. Sem atacar, ele dá a conhecer ao povo a porcaria que há...faz bem em não apagar o lixo Senhor Professor!

Anónimo disse...

O anónimo abjecto e repulsivo vê-se ao espelho...

Anónimo disse...

O diabo não sabia responder ao bem de outra maneira!!! Pobre coitado! Aqui não há identidade...mas dá para perceber aos olhos do mundo inteiro, quem é o mau e quem é o bom!!! Pois é...

Anónimo disse...

Ohhhhhh
José Sócrates allez
José Sócrates allez
José Sócrates allez

Ohhhhhhhhh
José Sócrates allez
José Sócrates allez
José Sócrates allez

José Sócrates allez allez!!

Anónimo disse...

José Sócrates tu vais vencer
O país não te quer mal
E neste querido Natal
Aos juízes manda-os ir foder!

Tu vais vencer! José Sócrates!

Anónimo disse...

Ohhhhh! É tão bom ter amigos assim...Vamos la a trabalhar povo, há muitas amizades a pagar!!! :) e nada de reclamar!!!