terça-feira, 15 de novembro de 2016

O pão e o suor

Da segunda leitura da missa deste domingo, 13-11-2016, uma citação oportuna e esclarecedora acerca da posicão cristã sobre o trabalho:
«Quem não quer trabalhar, também não deve comer». 
Segunda Carta de São Paulo aos Tessalonicenses, 3: 10.

6 comentários:

Anónimo disse...

Pois é. Mas, aplicar isso a refugiados, ciganos e africanos recebidos nesta grande vagina europeia, é que é o cabo dos trabalhos.
Eles sabem que a elite política e intelectual é quase hegemonicamente de esquerda, corrupta e está sempre no mercado para comprar votos com o dinheiro dos indígenas.
É ver as ruas das cidades alemãs. Verdadeiros rios de estrangeiros ociosos enquanto os naturais trabalham para sustentar toda a máquina.
Por cá, a geringonça esforça-se por atrair a mesma fauna. Constrói mesquitas e vai aliciá-los aos campos de Itália e Grécia. A experiência horrível dos países nórdicos é olimpicamente ocultada pelas TV's e jornais. O socialismo trabalha nas costas do povo.

Anónimo disse...

Consta que em Portugal há cerca de 60 mil membros de uma raça que trafica e vive de subsídios. Vivem em casas da Câmara ou do Estado, tomam o pequeno almoço no café, quando vão aos CTT receber a "mesada" levam uma criança ao colo para passarem à frente de quem espera pela sua vez, ameaçam as assistentes sociais, ameaçam os professores dos filhos, ameaçam os empregados camarários nas feiras, etc, etc.
Alguns andam com carros da gama alta. As suas pensões foram ou vão ser aumentadas pelo Costa & Cª. Merecem! É um prazer pagar mais impostos para auxiliar quem precisa!

luis barreiro disse...

Em pequenino muitas vezes ouvi «Quem não é para trabalhar, também não é para comer», nunca pensei que derivava dos evangelhos.

Anónimo disse...

http://expresso.sapo.pt/sociedade/2016-11-14-Hospitais-sem-dinheiro-para-equipamentos

Grândola vila morena...
Gatunos! Gatunos!
Isto não se aguenta!
É um esbulho!

Onde raio andam os profissionais da indignação?

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
cgardaos disse...

Muitos padres e freiras morreriam à fome!!!