terça-feira, 31 de dezembro de 2013

Balanço para ano de resistência



A.B.C., Sermão de Santo António aos peixes -
pormenor de retábulo de capela da Sé Catedral de Lamego, novembro de 2013


Como é tradicional, é altura, mesmo quando rasa, de balanço de ação, por Deus e pela Pátria, que desenvolvi neste chão Do Portugal Profundo. A guerra de recuperação moral, política, social, económica e financeira, de Portugal, é longa. Creio que o próximo ano será ainda de resistência. Por agora, fica a memória de três dúzias de batalhas e a humildade do resultado:
  1. Combate à nacionalização dos prejuízos da banca privada: derrota. Por agora, a prioridade da política económico-financeira europeia é o financiamento da banca privada.
  2. Luta por moratória no pagamento das parcerias público-privadas até ao apuramento dda legalidade e regularidade dos contratos realizados: derrota. Toda a prioridade ao complexo bancário-construtor.
  3. Indignação por clásulas de esterilização forçada para mulheres pobres - caso Liliana Melo.
  4. Identificação do sistema promíscuo político-financeiro, transversal às fações dos partidos do chamado arco constitucional: o sistema continua de boa saúde...
  5. Chamada de atenção para a necessidade de aproveitamento imediato do efeito da onda da praia do Norte na Nazaré: passado um ano, a praia do Norte ainda nada tem...
  6. Insistência na demissão de da ex-ministra socialista Maria de Lurdes Rodrigues de presidente do Conselho Executivo da Fundação Luso-Americana (FLAD) depois de ser conhecido que fora pronunciada pelo crime de prevaricação de titular de cargo político: manteve-se até final do mandato e foi substituído por outro comparsa, continuando o sistgema em vigor e sem vergonha.
  7. Contra a expectativa sistémica, Carlos Cruz e outros condenados do processo de abuso sexual de crianças da Casa Pia, são forçados a cumprir pena de prisão. No fim da linha, para que o sistema político-judicial se mantenha.
  8. Indignação pelo agravamento da prejuízo do BPN após a nacionalização e pela política de crédito a sociedades da antiga SLN: siga a dança, que a música continua a tocar.
  9. Insistência na limpeza da Igreja e particularmente na Santa Sé e na Igreja portuguesa: ainda por completar.
  10. Defesa do Papa Bento XVI na sua decisão de renúncia - passou, apesar da crítica.
  11. Defesa do novo Papa Francisco nos ataques soezes lançados pela esquerda relativista e da tentativa dessa mesma esquerda de se apropriarem da nova mensagem do Santo Padre.
  12. Apoio à nomeação do Dr. Amadeu Guerra como novo coordenador do DCIAP, de Lisboa, em substituição da procuradora-geral adjunta Dra. Maria Cândida Almeida: a revolução está ainda pro concretizar.
  13. Combate à nomeação do ex-primeiro-ministro José Sócrates como comentador residente da RTP, empresa pública: com claro consentimento de Passos Coelho (ora-agora-entras-tu-ora-agora-entro-eu...), Sócrates lá continua nas suas arengas panfletárias dominicais.
  14. Após longa indignação e combate patrióticos, Miguel Relvas sai do Governo, para que o sistema continue - e continua.
  15. Combate ao sistema socialista no QREN - mantém-se em pleno vigor comanditário do bloco-centralismo passos-coelhista.
  16. Defesa da liberdade de imprensa na TVI - os tentáculos do sistema apertam...
  17. Apoio à participação ao Ministério Público junto do Tribunal Administrativo de Lisboa da nulidade da licenciatura de José Sócrates na Universidade Independente, feita pelo ex-reitor Prof. Rui Verde - o processo foi aberto...
  18. Exposição de várias manobras do sistema Costa na CMLisboa - por ora, nada deu, pois este continua com a maior benevolência judico-mediática...
  19. Denúncia dos votos e das faltas na votação par(a)lamentar da lei de co-adoção de crianças por casais homossexuais - vitória temporária, que o sistema não descansa e voltará ao ataque discreto.
  20. Congratulação pela nomeação do novo Patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente,  também eleito presidente da Conferência Episcopal, culminando uma mudança há muito desejada de maior independência na ação da Igreja, e sua defesa perante o indigno ataque da «claque dos capangas» de Mário Soares, aliás reincidente.
  21. Insistência na criação de um jornal digital da direita moderada cristã - pendente...
  22. Combate pela investigação judicial dos swaps socratinos - outro armistício bloco-centralista; à custa do povo que sofre.
  23. Denúncia da continuação de operações rosa-choque, com deputados socialistas a mostrarem em pleno Parlamento, em 5-7-2013, mails trocados entre secretários de Estado... do Governo PSD-CDS - ficou em nada porque a coragem é pouca...
  24. Denúncia da negligência de Estado no triângulo dramático Portas-Passos-Cavaco na crise aberta pela demissão de Paulo Portas do Governo - tudo (quase) como dantes.
  25. Apoio às denúncias de António José Seguro sobre operações rosa-choque na sede nacional do PS - ficou em nada e as comadres continuam a dar-se...
  26. Exposição do desprezo pelos cidadãos da presidente da Assembleia da República, Dra. Assunção Esteves, por esta não ter respondido a missiva que lhe enderecei sobre as faltas de deputados no caso da co-adoção por casais homossexuais.
  27. Denúncia sobre a irresponsabilidade no tratamento dos esgotos das praias do Algarve, especialmente Armação de Pera.
  28. Desilusão Álvaro Santos Pereira - exposto por Mário Soares no seu afinal enfileiramento sistémico, debaixo da capa patriótica pública inicial.
  29. Publicação das falácias do «mémoire» de  mestrado de José Sócrates: segue para bingo, que a primeira linha já está consumida e a sua hagiografia acesa.
  30. Crítica aos resultados desastrosos das eleições autárquicas de 29-9-2010 - nada passou enquanto o rolo compressor do povo não passar...
  31. Denúncia do apelo à violência do frentismo de esquerda de Mário Soares (cujo passado tem sido sistematicamente branqueado) e de José Sócrates contra o Governo , que culmina no lançamento de um partido novo (PSS - Partido Soares-Sócrates) para partir os dentes de Seguro e permitir a volta do ex-primeiro-ministro à lidernaça socialista, agora que se consolida a candidatura de António Costa à Presidência da República.
  32. Revisitação da tomada do poder no BCP pelo socratismo - trazendo à luz sombras antigas.
  33. Atenção à política internacional e as consequências sobre o nosso País - pregando no deserto do agorismo mediático-sistémico.
  34. Denúncia do cerco de Mário Soares a Rui Rio: uma reedição do que havia feito a Passos Coelho.
  35. Campanha pela realização de um Congresso Extraordinário do PSD: juntámos 403 assinaturas de militantes do PSD. O congresso acabou por ser marcado a contragosto, na sequência dos resultados das eleições autárquicas de setembro de 2013. Ainda que o congresso possa ser um panegírico da ruína, constitui de qualquer modo um exercício de erosão. 
  36. Denúncia da perseguição da Igreja Católica no mundo - estamos sob martírio, mas não devemos sofrer calados e inativos.

Não há alternativa à afirmação cultural das nossas ideias, por muito que custe o sacrifício do combate. Continuemos, por tanto. Deus vos abençoe pela fraternidade e pela resistência, bem como às vossas famílias: um Bom Ano é um ano de saúde moral e física.

17 comentários:

Floribundus disse...

desejo-lhe o melhorr Ano possívelo

'porrada neles'

Ljer disse...

Ao ABC desejo-lhe para 2014 muita saúde e continuidade do seu blog tendo por objetivo uma melhor democracia, paz e justiça social

Jose' Salcedo disse...

Um abraço e Bom Ano. Bem precisamos de uma sociedade mais desenvolvida e socialmente justa. Para isso, é necessário lutar para que 'responsabilidade' passe a ser um valor central da cultura nacional.

Anónimo disse...

Acrescentaria:


- A mama dos colégios privados, quando se sabe que temos uma parque escolar na Escola pública sobredimensionado para as necessidades futuras;

- A mama das Instituições Particulares de Solidariedade Social. Muitas prestam um serviço que poderia ser prestado pelo SNS, Escola Pública, Segurança Social, Juntas de Freguesia ou Câmaras Municipais. São dois mil milhões de euros cuja aplicação não é avaliada pelos cidadãos da República nem investigada pela comunicação social. Por sua vez, a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa tem regalias que não deveriam ser toleradas num país democrático, regalias essas que prejudicam as outras IPSS's, e não só. A Santa Casa de Lisboa, apesar do louvável serviço social que presta, é um poder dentro do poder que não é sujeito às regras da democracia e com uma influência política desmesurada.

- A mama das Fundações, que em boa verdade deveriam viver apenas com recursos próprios, embora as que prestem serviço social que não pudesse ser prestado pelo Estado Social e sem recursos para se financiarem pudessem manter algum financiamento púlico.

- A mama do poder local, mais de 300 concelhos, um mapa do poder local do tempo em que se andava em carroça puxada por animais. Acrescento ainda a mama das empresas municipais...

Anónimo disse...

E ainda...

- A mama da PT e da ZON, num país com uma TDT com apenas 5 canais, quando a Grécia ou Espanha têm mais de 40...

Perto de 80% dos portugueses já têm TV pagam, no resto da Europa perto de 80% da população não tem este tipo de serviço.

Anónimo disse...

Mais...

- A mama dos contratos de fidelização de dois anos, sem outro tipo de alternativa no mercado, que são impostos por empresas de telecomunicações, e sem que o Estado ponha um limite de 6 meses para este tipo de contratos.


- A mama dos contratos eternos em cadeias de ginásios, que mesmo após um período de fidelização são impossíveis de cancelar.

Anónimo disse...

Prof. Balbino Caldeira,

Apesar de tudo, é um farol no meio da noite tenebrosa.

Tal como se vê pelo "post", não só o Sistema está para durar, como o Povo não tem a menor capacidade e interesse para mudar a iniquidade.

2014 será mais do mesmo:

- Um reforço do aparelho jurídico-político, para defender os Cavacos e os Soares, contra todas as tempestades.
- Um aumento do poder dos "donos do Estado", e em particular os Senhores Juízes, os Caudillos autárquicos e regionais, os Generais, os Catedráticos Jubilados e em serviço.
- Um aumento do poder dos angolanos numa Tugolandia sem rumo e dependente de dinheiro alheio como nunca esteve.
- Um aumento dos poderes económico-financeiros privados, desde os Amorins, aos Azevedos, passando pelos Santos do Pingo Doce, dos Mellos e dos amigalhaços das Parcerias Publico-Privadas.
- A emigração vai continuar a ser a única forma de sair da mediocridade tuga e da chico-espertice.

Aguardemos pelos resultados das avaliações independentistas da Catalunha, para ver onde vai pagar a "jangada Portugal".

2014 poderá ser um dos últimos anos de um país em protectorado, mas quase a desaparecer para sempre.

Anónimo disse...

O povo é iletrado, embora diplomado.

Não tem noção dos seus direitos e acomodou-se.

Faltam associações cívicas com poder e sem «interesses». Independentes. Como há no Reino Unido e nos EUA.

Até a Deco me tem desiludido muito.

Anónimo disse...

Nem a Igreja reage como deveria. É de brandos costumes... e também come do pote...

Anónimo disse...

E onde está a Instituição Militar?

Tudo caladinho, não vá o diabo tece-las e faltar a massa do pré.

Onde estão os valentões da madrugada de 25/4/74?

Para o Senhor Professor Balbino Caldeira desejo um Ano de 2014 cheio de Felicidades e que não precise de escrever muito no seu Blogue.

Que no fim deste Ano que hoje começa, o seu balanço não contenha 36 pontos, mas sim apenas um:

TUDO MELHOROU RAZOAVELMENTE E PORTUGAL ESTÁ NO BOM CAMINHO PARA FELICIDADE DE TODOS OS PORTUGUESES!

É o meu voto sincero.



Anónimo disse...

Para quem ainda não percebeu o xeque mate à tugolandia.

www.macauhub.com.mo/en/2013/12/30/business-deals-in-2013-narrow-ties-between-lisbon-luanda-sao-paulo-and-macau/

In Portugal, telecommunications also witnessed a deal with international impact that promises to shake up the market in Portuguese language countries: the merger between Zon and Optimus, which will have Angolan entrepreneur Isabel dos Santos as shareholder.

Zon already operates in satellite TV in Angola and Mozambique (ZAP) in partnership with dos Santos, who has been rapidly expanding the mobile communications operator Unitel (in which she holds 25 percent of the capital) in the Portuguese language countries, particularly in São Tomé and Príncipe and Cape Verde.

Dos Santos has stated that beyond strengthening the new operator’s position vis-à-vis its main competitor, Portugal Telecom, the merger between Zon and Optimus will enable expansion outside Portugal.

The new company has revenues of 1.6 billion euros, 28 percent of the Portuguese market, and aims to expand in Africa to rival South Africa’s MTN and Portugal Telecom, which holds a further 25 percent of Unitel, besides a presence in São Tomé and Cape Verde.

The newspaper Jornal de Negócios considers Isabel dos Santos the sixth most powerful person in the Portuguese economy. She is also finalising a partnership in the distribution area with the Portugal’s Sonae group, owner of the Continente hypermarket chain.

That daily has called the merger between Zon and Optimus the “icing on the cake” of its business growth in Portugal, which includes a stake in the Portuguese bank BPI worth an estimated 465 million euros and 25 percent of BIC Portugal.

Another Angolan “dealing cards” in Portuguese business in 2013 was António Mosquito, who entered the news media business of the Controlinveste group (Diário de Notícias and Jornal de Notícias newspapers and TSF radio, among others) with a 27.5 percent stake.

From China through Portugal came new projects involving China Three Gorges and EDP in Brazil and Africa, as well as renewable energies in Europe and more than 300 million euros of private investment, mainly in property.

The private property investment occurs under the Portuguese government’s golden visa programme, which offers a residence permit to individuals who invest 500,000 euros to purchase property.

Anónimo disse...

um Bom 2014 professor ABC

lidiasantos almeida sousa disse...

Senhor Professor, espero que tenha passado umas festas com saúde. De acordo com todos os item que escreveu, venho só pedir-lhe para ler o artigo que José Ribeiro e Castro escreveu no Jornal Publico, sobre a PURGA que o PSD e especialmente o CDS estão a fazer aos militantes, para dessa maneira os expurgados não poderem incomodá-los nos Congressos.
O artigo chama-se: O NAPAlM como arte dirigente. Se não lesse não acreditava como um Partido Social Democrata e um Partido Democrata Cristão utilizam as técnicas do LENINISMO para correrem com os melhores e eles sobreviverem sem oposição. Até o Deputado do CDS João Almeida, uma das poucas vozes discordantes no Parlamento e na TV, foi abafado dando-lhe um cargo de secretário de Estado no Ministério da Administração Interna. de que ele deve perceber tanto como eu. Pode ser que as barbas lhe caiam de vergonha. A vergonha das vergonhas é o comportamento do Agostinho Branquinho e do Aguiar Branco, eles que como o TIDE lavam mais branco nas trafulhices que fazem. Por favor estude estes assuntos, porque ninguém como o Senhor consegue descrever a maldade e a ganância do ser humano. Faz-me lembrar Emile Zola na BESTA HUMANA.
bom, ANO DE 2014, pelo menos com saúde.porque os cortes vão continuar.

Anónimo disse...

Isto faz lembrar os tempos da Vigarice Socrática. Não vai haver aumento de impostos, apesar de se aumentarem os impostos.

Puta que os pariu, aos socráticos, psd's, cavaquistas, portistas, bloquistas e comunas. Morte a todos eles.

http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?id_news=677487

Depois de referir que o Governo irá "trabalhar numa solução de natureza duradoura" para reduzir as pensões em pagamento, o ministro da Presidência afirmou: "Vemo-nos forçados a adotar medidas transitórias até à aprovação da alteração duradoura já referida. O Governo entende que essas medidas não devem passar pelo aumento de impostos, de modo a não fazer perigar a recuperação económica já em marcha".
"Teremos de colmatar o problema orçamental agora aberto através de medidas que visam recalibrar a Contribuição Extraordinária de Solidariedade e alargar nomeadamente a sua base de incidência para o ano de 2014 e acelerar o processo de autofinanciamento da ADSE, implicando a progressiva diminuição da comparticipação pública e o correspondente agravamento da contribuição dos beneficiários. Os documentos legislativos que vão enformar estas medidas substitutivas estão em fase de conclusão para rápida aprovação no Conselho de Ministros e eventual remessa à Assembleia da República", acrescentou.

Anónimo disse...

http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?id_news=677482

Associação romena: «Em Portugal não se ganha bem, mas vive-se bem»

Portugal garante aos imigrantes “integração” e “tranquilidade” e, por isso, nem a crise levará os romenos a optarem por outras paragens europeias, agora que têm acesso livre ao mercado de trabalho, acredita Elisabeta Necker, presidente da Doina, associação de imigrantes romenos e moldavos do Algarve.

Anónimo disse...

A minha família ainda tem agricultura e indústria no Algarve, e se não fossem os romenos, os búlgaros ou os ucranianos não haveria gente para trabalhar. E não, não ganham menos que um empregado português. Os portugueses perderam a humildade, não têm hábitos de trabalho, não respeitam a autoridade do patrão. Na Andaluzia sucede o mesmo, se não fossem os imigrantes a agricultura parava.

Anónimo disse...

Que Deus te abençoe António Balbino . Que nunca as mãos te doam !

Caboclo