quarta-feira, 16 de outubro de 2013

O julgamento dos delinquentes políticos




Mário Soares deu uma gravíssima entrevista à TSF, de 13-10-2013, na qual disse:
«uma parte do Governo, não são todos, claro, uma parte do Governo é um Governo de delinquentes. Delinquentes, é a palavra. (...)
«Estes senhores têm que ser, depois de saírem do poder, têm que ser julgados».
(Transcrição minha)
Do anterior conluio com Machete na sua FLAD, onde este foi seu serviçal, agora atira-o às feras. Longe vão os tempos da aliança tácita com Pedro Passos Coelho, para proteger a herança socratina e evitar julgamentos judiciais de governantes socialistas, discutidas em jantares privados e abençoada pelo convite para discursar na «Universidade de Verão» do PSD, em 2-9-2011, em Castelo de Vide, que terminou com um apoteótico coro desta JSD de «Soares  é fixe!». Embaraçado o PSD passoscoelhista, ignora o relevo jurídico da ofensa e a própria ofensa - se disfarçar, talvez não se note muito o consentimento...

Essa entrevista na TSF, de 13-10-2013 - a que se soma a intervenção em almoço da Associação 25 de Abril, em 16-10-2013, na qual questionou, segundo o Jornal de Notícias, a propósito do caso BPN, por que é que «o Presidente da República [Cavaco Silva] não é julgado» -, suscita o consequente comentário patriótico. Não são apenas os «delinquentes» (sic) deste Governo, ou o Presidente Cavaco Silva, que devem ser julgados, mas também Mário Soares, o padrasto da democracia portuguesaMário Soares deve ser julgado por:
  • a sua responsabilidade no genocídio da descolonização (em Timor, em Angola, em Moçambique e na Guiné), que ceifou centenas de milhar de vidas e arruinou milhões de famílias;
  • as suas negociatas particulares e dos seus governos e suas presidências - ver Mateus, Rui (1996). Contos proibidos - Memórias de um PS desconhecido. Lisboa: Dom Quixote. 457 páginas;
  • o seu enriquecimento pessoal em contraste com a penúria anterior à revolução do 25 de abril de 1974.
  • e a paternidade da doença infantil do socialismo português.

Como tem sido evidente, não haverá julgamento judicial da sua conduta nociva para com o povo português. O julgamento possível, e inevitável, é o escrutínio legítimo a que procedem os cidadãos e que a História, na sua versão livre politicamente incorreta, registará.


Atualização: este poste foi atualizado às 18:33 de 16-10-2013.

Limitação de responsabilidade (disclaimer): As entidades referidas neste poste, como membros do Governo português, Mário Alberto Nobre Lopes Soares ou Aníbal António Cavaco Silva, objeto das notícias que comento, não são aqui imputadas de qualquer irregularidade ou ilegalidade.

17 comentários:

Anónimo disse...

...e, por falar em gente que devia ser julgada: onde para o Wally de VN de Gaia? há por aí rumores que prepara o "assalto" ás Águas do Douro e Paiva. Ao que consta, a infantaria já foi colocada no terreno!

Rui Moringa disse...

Touché!!!

Antonio Cristovao disse...

politica senil ou criminosa. falar deste modo é proprio da Siria ou do Egipto; não vale a pena estragar dois paises já que as viagens para lá são baratas, e já não têm trabalho a estragar nada; basta levarem as cestas de paralelipipedos que os nossos são melhores que os de lá

Anónimo disse...

Se morrer, que a Serra da estrela lhe seja pesada.

Se continuar vivo, talvez acabe na miséria moral que acabou o seu compagnon de route, o corrupto Bettino Craxi.

Soares ficará na história da mesma forma que ficou o chefe de governo maçon da I República que mandou para a morte 17.000 portugueses que ficaram no chão, caídos, das Ardenas.

Soares não é senil. Soares é um manipulador, presunçoso e sobretudo anti-português. Soares é e sempre foi um traidor à pátria portuguesa.

Anónimo disse...

Soares é muito esperto.

A criatura quer é fazer barulho, muito barulho, para desviar a atenção da Lei da roubalheira -- Lei 19/2003, de 20 de junho.

Assim, se ninguém falar nessa desgraçada Lei, a gatunagem irá continuar, mesmo na IV República.

Napoleão

Anónimo disse...

Tb. não há pachorra para as estorinhas de retornados

Anónimo disse...

Depois das estorinhas de retornados, temos o regresso à casa da partida, sem um tostão furado e sem a mítica solidariedade europeia! Quem dá o pão? D. João I iniciou o caminho. Soares e Cavaco encerraram o caminho. E agora? A única resposta é a emigração em massa. Pois!

Anónimo disse...

Cavaco nada tem a ver com a descolonização,a destruição do tecido empresarial português,com as nacionalizações nem com as 3 bancarrotas.
Quando muito pode ser-lhe assacada responsabilidade pela tribo de Loureiros que trouxe ao poder.mas até isso é argumento de quem não conhece o PSD nem os seus "padrinhos".
Mesmo com a vigarice na atribuição de subsídios (que aliás nunca mudou com outros governos),Portugal cresceu bastante.
Não há outro PM que possa ombrear com Cavaco nos resultados da governação,nestes quase 40 anos.
Todas as grandes decisões no que toca à descolonização foram obra de Soares e Cunhal,bem como dos seus mandatários.
Todos mandaretes do poder do Kremlin.
Soares foi comunista antes de ser socialista e só depois de 75 meteu "o marxismo na gaveta".

Quanto à questão dos retornados,a ignorância de que padece este povo e a má consciência de muitos,leva-os a dizer que estão fartos.Fartos de nunca terem visto este tema debatido.É um dos tabus abrilescos.Um dos esqueletos no armário da máfia partidária,obreira da traição à pátria.
Foi um êxodo de muitos milhares de famílias portuguesas que se viram perseguidas por bandos de assassinos a soldo de Moscovo,numa guerra estratégica entre superpotências.
Eram portugueses que viviam em territórios sob domínio português há 500 anos e não desde Salazar,como a propaganda "vende" aos pobres de espírito.

Anónimo disse...

Não é preciso a história para julgar Soares. Hoje, já se percebe que Soares não é socialista ou marxista. Soares é a favor do regabofe, desde que lhe dê jeito a si e à sua nomenklatura. Só isso. Para o Soares, a ideologia só é importante se lhe der jeito. Aliás, Soares só fala nos valores da Esquerda, quando percebe que está no deserto. Depois, quando o conforto é necessário, Soares volta a falar na liberdade e nos valores. Como se ele tivesse valores.

Curiosamente, o MPLA topou-o, ainda no tempo de Agostinho Neto. Quando Soares quis a sua parte do negócio angolano, o velho PCUS, disse que o Soares tinha que ser internado. Desde aí, dos idos da década de 70, Soares nunca mais foi bem visto no seio da nomenklatura do MPLA. Esta é a grande pedra no sapato do velhaco de Nafarros e da Praia do Váu. Quando os amigos da Europa já se foram, Miterrand, Craxi e Brandt, Soares está sem apoio externo. Daí, o velhaco do Campo Grande, veio outra vez com o espantalho da luta ideológica. Escroque. Escroque. Escroque. Ele não é de esquerda ou de direita. Ele quer sentar-se à mesa do banquete, com Stanley Ho, ou com Robert Maxwel. Com Bernard Tapie ou com Jardim Gonçalves. Qualquer coisa serve, desde que ele mantenha o conforto do seu grupelho.

Anónimo disse...

Curioso este senhor pedir e julgar na praça pública este governo e esquecer-se de o fazer para todos os outros que levaram Portugal à miséria em que está.
Para ser justo, que não é, devia começar por exigir o julgamento dos que levaram à primeira banca rota e intervenção do FMI, em que foram aplicados impostos com efeitos retroativos.
E a seguir de todos os outros, que continuaram com políticas desastrosas de esbajamento e destruição do tecido económico.
Quando se diz que os Portugueses gastaram mais do que podiam, onde estava o Tribunal de Contas, o Tribunal Constitucional, Banco de Portugal... e todas os responsáveis pela gestão do País?
Lamentável que sobre isso este senhor não se pronuncie e como já foi dito sofra de amnésia e passe uma esponja pela desastrosa descolonização. Será que não lhe pesa a consciência?

Floribundus disse...

vivo em Lisboa.
preciso urgentemente dum advogado criminal
que trabalhe à percentagem, por viver de reforma oscilante..
como vítima de agressão perdi a 1ª instância por incapacidade do MP
e xenofobia da juíza.
agradeço informações

A SANTÍSSIMA TRINDADE DA CORRUPÇÃO disse...

O PAI É O MÁFIO,O FILHO SÓCRETINO,QUANTO AO ESPÍRITO SANTOS,UM É ALMEIDA E O OUTRO ESTÁ MUITO SALGADO.

Anónimo disse...

Assino em baixo.
.
Muitos dos males que sofremos é reflexo do xoxialismo que o buchechas nos vendeu como "a terra prometida".
.
Agora está ai a fatura.

Anónimo disse...

http://www.sabado.pt/Ultima-hora/Sociedade/%E2%80%98Jornal-de-Angola%E2%80%99-ataca-TVI.aspx

A crónica ‘Fuga dos Escriturários', publicada no ‘Jornal de Angola' de ontem, acusa os jornalistas portugueses de analfabetismo e tece críticas pessoais a José Alberto Carvalho e a Judite Sousa, a quem chama de "segunda dama de Seara".

A crónica escreve que a "TVI apresentou num dos seus noticiários o ‘Jornal de Angola' como ‘a voz oficial do regime angolano'". Em resposta considera que "a TVI é a voz oficial da dona Rosita [Rosa Cullell, administradora delegada da Media Capital (MC), dona da TVI] dos espanhóis". "Ou a voz do conde Pais do Amaral [presidente do conselho de administração da MC]".

Mas os insultos não ficam por aqui: "A TVI é a voz oficial de José Alberto Carvalho, que a jornalista Manuela Moura Guedes tratou por Zé Beto e apodou de burro". Sobre Judite Sousa, lê-se: "o canal de televisão é a voz oficial da segunda dama de Seara, inesperadamente apeada de primeira dama de Sintra".

O BURROLINO disse...

O BURROLINO vai convergir.Dantes era cavalgadura no Banco ex-de Portugal.Agora BURRO montado da Luís Passado!

Anónimo disse...

O Expresso de amanhã vai esgotar cedo. Os adversários, os cépticos, os ignorantes, disfarçados com chapeus enterrados e gabardines enfiadas, vão fazer fila cedo.

rita disse...

Pena que não tenha feito a mesma adjectivação nem o mesmo pedido para a CORJA anterior!