sábado, 19 de outubro de 2013

A entrevista de Sócrates ao Expresso, de 19-10-2013

O conteúdo da entrevista de José Sócrates a Clara Ferreira Alves, na revista do Expresso, de hoje, 19-10-2013, pp. 24-34, obriga-me ao comentário, distribuídos por vinte cansativos pontos:
  1. Uma entrevista de um José Sócrates blasé, nas fotografias de modelo - tiradas por Tiago Miranda, com roupas e botas da moda, halo mítico, com céu e Tejo por fundo - e no discurso ambivalente filosófico-escatológico, désabusé do «favor do povo» ingrato, com uma atitude de superior arrogância sobre adversários e amarga displicência sobre a política do género são-verdes-não-prestam...
  2. Uma entrevista narcisística - que outra poderia ser?... - com pretexto de episódios da sua vida e da ruína popular, como a sua inscrição no PPD, a sua ascensão no PS, o Governo Guterres, a tomada do poder, a campanha de 2005, o Freeport, a nacionalização do BPN, o despesismo do seu primeiro Governo, os voos da CIA pelo território português, a freudiana justificação filosófica da sua atitude perante a verdade, o luxo e o dinheiro, as escutas à Presidência da República, o PEC IV e o pedido de resgate financeiro à União Europeia e ao FMI.
  3. Uma entrevista de favor, à mesa de restaurante italiano (de que outro lugar gostaria mais?), combinada pelo mano Ricardo (Eu-Sou-Controlado - o linque foi apagado, mas a gente não esquece...) do Costa, de compensação pela pré-candidatura preterida a Presidente da República, com a simone-de-oliveira Ferreira Alves, no forro, tão eixo do bem (apesar de se vangloriar de «advogada do diabo»), de uma casaca sebenta, ela tão aborrecida por ter de «remexer em mexericos a par das questões patrióticas» (sic), tão dada que até vê «alguma candura» (!...) no entrevistado, cujo mémoire de mestrado tornado livro, que diz ter escrito «em francês» (técnico?) e traduzido «para português», a crítica literária avalia como «bem escrito e bem argumentado», a quem pergunta pelo «exame de Inglês Técnico ao fim de semana» (sic!?... com medo de lhe perguntar pela licenciatura domingueira), que questiona, com o eufemismo da perseguição da liberdade de informação e de opinião, o «desejo de litigância» (sic!?...) e que lhe pergunta pelo «mail do primo» Hugo, mas jamais pelo primo José Paulo Bernardo Pinto de Sousa, alegadamente aka «Bernardo» ou «O Gordo».
  4. Um Sócrates esquivo, falacioso nas respostas, e com versões seletivos de factos indiscutíveis, todavia, amargurado pelo seu recorrente problema com a verdade, «Essa questão da verdade...», que freudianamente procura justificar, enquanto vítima que se crê desse deontologismo. Intentando sublimar a verdade, põe a política numa categoria diversa - «o reino da opinião» -, dizendo que «só pretensos políticos pretendem fazer da política uma luta entre a verdade e a mentira». 
  5. O tardofilósofo, no qual se percebe algum fascínio por Carl Schmitt, argumenta com a «ética da responsabilidade» e pretende que sempre se filiou nas correntes do consequencialismo e do utilitarismo, o utilitarismo de Bentham e Stuart Mill». Contesta o deontologismo de Kant de «nunca mentir», mas gloria-se de que já leu a sua (Fundamentação da) Metafísica dos Costumes» (196 páginas) «umas dez vezes».
  6. Passa como raposa pela vinha vindimada do caso da licenciatura, sem responder à questão domingueira sequer, nem ao Inglês Técnico - «se quiser falar disso... falo» (mas não falou...). Tal como com o caso da «Face Oculta» (e o alegado plano governamental para o controlo dos meios de comunicação social antes das eleições de 2009).
  7. Sócrates justifica a sua inscrição no PSD por «convicção doutrinária». E afirma: «Não tinha nenhuma simpatia por Sá Carneiro, pelo contrário, e a única coisa boa foi a liderança do Guerreiro». Porém, José Sócrates apresentou o seu pedido de inscrição no PPD em 5 de novembro de 1974 (cf. o meu livro «O Dossiê Sócrates», pp. 218-219) e Emídio Guerreiro só foi secretário-geral do PPD em 1975, durante os meses em que Francisco Sá Carneiro se deslocou a Inglaterra para se tratar de doença inesperada. 
  8. A sua oratória alterna entre a pretensa elevação filosófica e a ostensiva rasteira escatologia. A expressão bem pensante - e até o gosto peculiar pelo adjetivo «horrível» -, contrasta com o discurso de merda-para-aqui-merda-para-acolá (com desculpa dos leitores): «a merda de um moderado»; «a merda da política». A questão da sujidade das mãos («calcular o mal menor... é isso sujar as mãos», «alguém que tem as mãos sujas, que passou toda a sua vida a sujar as mãos na política para escolher o mal menor») parece também perseguir o seu espírito no exercício da política.
  9. O «animal feroz» descreve-se agora como «um tipo que sempre foi a merda de um moderado»...
  10. Dando aparentemente razão à minha hipótese de que planeia o doutoramento conjunto possivelmente com Universidade da Columbia, do seu amigo Manuel Pinho (e daí o teste do IELTS que teve de realizar, em 29-8-2013) e a Sciences Po, agora que o projeto presidencial (e o de ser comissário europeu) se esfumou na noite das eleições autárquicas de 29-9-2009, apesar do anúncio no Expresso, de 21-9-2013, de que, com a publicação do livro com o «mémoire» sobre a tortura, «fechar o ciclo iniciado com a ida para Paris em 2001 e concluído com a defesa da tese em junho», vai ter de voltar à desculpa académica para a continuação do prudente exílio. Pois, na entrevista responde: «eu fui e ainda sou estudante da Sciences Po»... Ora, se terminou o mestrado, a única razão para dizer que ainda é estudante da Sciences Po, é que vai continuar para doutoramento ao contrário do que consta da notícia de Ricardo Costa, no Expresso, de 21-9-2013.
  11. Diz que tem agora uma vida boa: «nem sabia que existiam vidas assim, vidas tão boas. Nunca tinha tido uma vida dessas». Sabia, sabia; tinha, tinha. E procura justificar essa vida com a «fortuna» da mãe, de «muitos prédios (sic), «andares». Manda, todavia, a sabedoria popular que se desconfie da fortuna, tal como da santidade: «riqueza e santidade é sempre menos de metade da metade»... 
  12. Sobre o fausto paririsiense, alega que telefonou à sua «gestora de conta» (na CGD?) e pediu «um empréstimo ao banco de 120 mil euros», para «um ano sem nenhuma responsabilidade e levando um filho comigo», confessando «gastei o dinheiro todo». Realmente, vidas assim, e ainda para mais na esquerda-tão-esquerda de que se reclama nesta entrevista, há muito pouco... A esse luxo dos 120 mil euros na Paris das luzes e sombras, chama, todavia, a «vida contemplativa que tive nestes dois anos» - o que deve, na realidade, ser a nossa a contemplar tal fausto. Embora, depois, já fale nas «misérias da minha conta bancária» (sic) - não se percebe se o gasto dos 120 mil euros, se dos outros rendimentos e despesas.
  13. Justifica que agora trabalha para uma «empresa suíça, porque fui convidado a trabalhar na América Latina».
  14. E, se não tem guarda-costas ou seguranças desde que saí de primeiro-ministro, tem «o motorista de sua mãe»!... Portanto, nada de confusões, o motorista que usa não é seu. 
  15. Alega que não soube («só soube a posteriori»...), quando estava no poder, dos voos da CIA por território nacional (e aeroportos de bases militares portuguesas como a das Lajes, nos Açores), com prisioneiros da Al-Qaeda para lugares secretos onde eram torturados. Pelo sim, pelo não, defende-se: «Se fizeram isso... é preciso haver provas»...
  16. Nem sabia do buraco do BPN (para além dos «600 milhões de euros») - «não sabia o que aquilo era» e que o nacionalizou para evitar o contágio financeiro. Portanto, não se confirma a tese de que foi para ficar dono de Cavaco Silva, através da informação que o banco possuía sobre compra e venda de ações da SLN pelo Presidente e família.
  17. Justifica a festa do despesismo das PPPs no seu primeiro governo com a «boa doutrina económica»...
  18. Desculpa-se que só pediu o resgate financeiro, que nos traz agrilhoados, porque o PSD se opôs ao PEC IV, ainda que no final da entrevista confesse: «a alternativa era o default», «assinei».
  19. Alega que «a campanha das escutas» («o primeiro-ministro está a escutar o Presidente») que as suas operações suaves puseram nos média na véspera das eleições de 2009, dezassete meses depois de os factos terem ocorrido, foi pensado por um assessor do Presidente (que não nomeia, mas se percebe querer dizer Fernando Lima»), dizendo que se tratou de «uma conspiração da direita política com ligações á Casa Civil do PR para me impedirem de ganhar em 2009». Esqueceu-se, porém, da queixa do seu sucessor socialista, António José Seguro, sobre escutas em «telefones, computadores e outros meios» na sede do Largo do Rato...
  20. Finalmente, aproveita, esta ocasião do pergaminho académico, a que por cuidado, embora incida freudianamente sobre a tortura, dá o título de «A confiança no mundo», para atacar os adversários políticos e os média, que não reconheceram, o que se percebe crer, numa interpretação alienada da sua persona, o seu valor superlativo enquanto «chefe». Sem pejo, diz: «eu sou o chefe democrático que a direita sempre quis ter» (sic!!). O chefe que já não é de uma esquerda que o dispensou... E ataca, com insulto e rancor, os inimigos: «raios vos partam, vou vencer-vos a todos» (os rivais e aristocratas do PS); «pulhas»; «o bandalho» do Santana Lopes; Teixeira dos Santos que «se foi abaixo»; «o estupor» e «filho da mãe» do Schäuble; o «traste de um político» (Passos Coelho?) que «invoca a razão de Estado para pôr em causa a Constituição e a lei» (em contraste com essas duas «linhas vermelhas que nunca ultrapassarei, como político»); «os filhos da mãe da direita»; os «pistoleiros» do Correio da Manhã («fui alvo de uma perseguição política e pessoal de uma direita hipócrita»); além de Miguel Relvas que tuteava (e «achava-o um gajo decente»), mas, depois do episódio da campanha de 2005, «nunca mais falei com o Relvas» (nem agora, presume-se no regresso aos écrans); e até ao episódio, que mais lhe custou, do rumor posto a circular sobre uma alegada relação homossexual sua com Diogo Infante, «pessoa que nunca conheci e com quem nunca falei na minha vida» (note-se, aliás, que o ator Diogo Infante casou-se civilmente com o seu agente Rui Calapez, segundo o CM, de 19-10-2013, com quem vivia «há vários anos»). Em suma: um ajuste socratino de contas com os inimigos e com o povo mas, como sempre, seletivo na memória.




Nota: o José da Porta da Loja publica e comenta a entrevista de José Sócrates no poste «José Sócrates: Filosofia de almanaque e outros contos para papalvos». Leia-se também o poste de Paulo Guinote, «A Clara lava mais branco», ainda de 19-10-2013.


Pós-Texto (11:37 de 13-11-2013): O costume da metafísica socratina
Em resposta à crónica do comendador Marques de Correia (Henrique Monteiro) de 2-11-2013, no Expresso (falta-me o linque), José Sócrates, no Expresso, de 9-11-2013, no meio de uma redação hermenêutica sobre a justificação moral da mentira - que o atormenta... -, indica que o livro de Kant que menciona nesta entrevista ao Expresso, de 19-10-2013, não era a «Fundamentação da Metafísica dos Costumes» mas efetivamente, como disse, «A Metafísica dos Costumes».

Importa, então, corrigir, porque fiz o mesmo erro. Fica aqui dito: Sócrates não leu «umas dez vezes» o livro de Kant «Fundamentação da Metafísica dos Costumes» (196 páginas); desse mesmo autor, José Sócrates leu «umas dez vezes» o livro «A Metafísica dos Costumes» (de 507 páginas).


Atualização: este poste foi atualizado às 2:47 de 20-10-2013 e às 11:37 de 13-11-2013.



Limitação de responsabilidade (disclaimer): José Sócrates Carvalho Pinto de Sousa, objeto da entrevista ao Expresso, de 19-10-2013, e de notícias que comento, não é aqui imputado de qualquer ilegalidade ou irregularidade.

64 comentários:

Anónimo disse...

Entrevista de favor? Julgará Balbino que Clara Ferreira Alves é uma daquelas galdérias do PSD e do CDS que vivem desses biscates? Uma delícia o pormenor pidesco e ressabiado da fotografia do restaurante que ele julga muito chic.. A inferioridade e má fé de Balbino, não fazem pena: metem nojo.

Anónimo disse...

Até nos cortes protegem os “amigos” quadros superiores, professores universitários etc.

Anónimo disse...

Li com agrado o post sobre a entrevista do charlatão

Quanto à entrevista, não conseguirei lê-la com receio que me dê volta aos intestinos...

altaia disse...

Só vos queria dizer uma coisa;

A vocês FDP sempre que vos vir por perto assim como aos emplastros cavaco portas e passos vou gritar SÒCRATES aposto que gostarão mais disto que da grandola dos vossos aliados comunas.

DOR DE CORNO disse...

O Calaporra papou-lhe o amante,o inSeguro o lugar de Secretário-geral,o Passado o cargo de PM,o Gasparetto vai para Kumissário,o Costa de 1ª vai ser candidato a Presidente,a licenciatura é falsa,o "mestrado" não existe,a mamã fugiu com o motorista,o Mezzaluna é um retaurante para quem não percebe nada de boa cuzinha italiana,a Clara precisa de se vender para comer,o gajo só percebe de brioches e é um corno profissional,torturado pelos ditos...MUUUUU!...vai levar no cu!!!

OUT OF THE CLOSET disse...

O Diogo já saltou cá para fora...falta agora o José Pinto...com o Silva das Pereiras ou o Vesgo da Silva?

Anónimo disse...

Mentiu como sempre.Ehehe!
Não conhece o Infante e no entanto foram ambos vistos a sair do hotel e despediram-se junto do carro,na época em que acasalavam.
Teve uma namorada que desde que nasceu foi vizinha de um amigo meu.Nunca gostou de homens.
Tudo neste psicopata é falso como Judas.
Basta ver os termos com que se refere aos adversários políticos para perceber que é um doente.
E a nossa sociedade também padece da mesma mazela.Só gente estúpida,para além dos gartunos a quem dá jeito,pode suportar políticamente um intrujão destes,sem um pingo de vergonha e que só não é desmascarado porque em vez de jornalistas,temos Claras destrambelhadas e tontas,alinhadas com quem lhes dá manjedoura.

Anónimo disse...

Não vale a pena bater mais no ceguinho. O povo adora-o. Se se candidatar, vencerá. Isto ficará assim até o Regime cair. Se calhar, não estávamos ainda preparados para a democracia, como diziam Salazar e Marcelo Caetano.

Anónimo disse...

Qual Povo? O Mário Soares é o povo...ou o polvo?
Ehehe!
O povo é bronco,mas não tanto.
Gostam de votar em quem se diz amigo dos pobrezinho,como estes milionários usam fazer.
Mas este vigarista já não engana ninguém.
Apesar dos aldrabões que a seita do socialismo tem a manipular nas tv's e jornais,este já foi!
A própria máquina mafiosa do socialismo corrupto percebe que tem que apostar noutras caras.
Por isso,o vigarista se afirma o candidato que a direita gostava de ter.Está queimado.Tem demasiados rabos de palha.
Se a seita quer continuar a roubar e enganar os portugueses,não é com este sociopata que o vai conseguir.
A segunda linha já se perfila.

Anónimo disse...

Oiço donos de PME's, do comércio à restauração, da hotelaria à pequena indústria muito desiludidos com o Governo. Votaram PSD ou CDS, têm saudades de Sócrates... a minha empregada adora-o e no café onde compro pão falo por vezes com o dono e ele diz-me que as pessoas já clamam por Sócrates. Há dias parei na Galp... os empregados diziam que para estar Portas e Passos mais valia voltar Sócrates... o povo diz que ele tentou evitar a todo o custo a vinda da troika e que por causa do chumbo do PEC4 estamos assim. Isto não é a minha opinião, é o que vou ouvindo por aí.

Anónimo disse...

E rabos de palha também têm Passos e Portas. Em Lisboa há quem saiba e falam em surdina. Não defendo Sócrates mas espanta-me que certas coisas do passado de Portas e de Passos não sejam mais escrutinadas. Como referi, em Lisboa fala-se em surdina, há material para escândalos...

Anónimo disse...

Portas tem passado e não deveria ser líder do CDS, o líder deveria ser Nuno Melo ou Ribeiro e Castro. E o PSD deveria ser liderado por Paulo Rangel, Manuela Ferreira Leite ou Rui Rio.

Anónimo disse...

Prof. Balbino Caldeira.

Ainda há portugueses vivos. Obrigado pelo seu patriotismo.

As meretrizes Alves, que copulam em Bildeberg, saltam logo, mal vêem a mancha que lhes fica de dormirem com quem lhes paga o salário para se lambuzarem no Papa Açorda!

Derrotámos o grandessíssimo filho de outra meretriz em 2011. Perderá sempre, nem que seja necessário partir tudo. As vozes que por aqui deixam a marca do pederasta, não incomodam. Que fiquem, quais cornos manos, para a posteridade dos frouxos e derrotados.

Já perceberam que a manjedoura está cada vez mais deserta e que os "mercados" já não lhes dão a massa para viverem do trambique das comissões. Enquanto os "mercados" lhes deram os milhares de milhões para se refastelarem com os Motas e os Espirito santos, nas rodovias, eram bons. A teta secou.

Ontem na televisão paga pelos portugueses, viu-se o vizinho Herman a fazer perguntas supostamente difíceis. Ao género, "estive agora no Canadá, com emigrantes portugueses, e percebi que eles têm estradas pior do que nós". O filho da meretriz respondeu com o exemplo do caminho para a vila dos pais, sem dizer que para a estrada para a vila dos pais custou e custará aos portugueses vivos os olhos da cara, por décadas.

Os comissionistas de Bildeberg e do Espirito Santo vêem acabado o pecúleo que lhes pagava os repastos no Papa Açorda e contentam-se agora com o "classe média" Mezzaluna.

"À volta cá te espero", é um tasko ali ao pé do Cemitério do alto São João!

Anónimo disse...

«Ontem na televisão paga pelos portugueses, viu-se o vizinho Herman a fazer perguntas supostamente difíceis. Ao género, "estive agora no Canadá, com emigrantes portugueses, e percebi que eles têm estradas pior do que nós". O filho da meretriz respondeu com o exemplo do caminho para a vila dos pais, sem dizer que para a estrada para a vila dos pais custou e custará aos portugueses vivos os olhos da cara, por décadas.»

No Canadá há quem viva a 500 quilómetros, ou mais, da Universidade mais próxima. Aqui há pelo menos uma escola de ensino superior por distrito.

No Canada há Ordenamento do território. Aqui em muitas zonas do país os portugueses querem viver com «desafogo». A dispersão da população tem um custo insuportável para um país pobre como o nosso.

O Ordenamento morreu no final dos anos 60 e Marcelo já não foi a tempo de controlar os estragos de 4 ou 5 anos de regabofe da construção civil no final do Estado Novo.

Não é sustentável construir e manter infra-estruturas para tantos montes, sítios, aldeias, urbanizações, condomínios...

Um arquitecto cujo nome não digo disse-me que isto precisava de pólvora na maior parte do país.

Anónimo disse...

O Canadá é um país organizado. Portugal teve quase sempre um elevado déficit de organização. A Abrilada, que tudo permitiu a toda a gente, contribuiu para o desordenamento do território. Convoque-se o grande promotor da choldra, o delinquente Soares. Em cada bantustão, há um Alberto João ou um Capachinho Gomes, que querem tudo à porta.

Anónimo disse...

Comparar o Passos com este sociopata,só por piada ou por cegueira socialistopata!
O Passos pode não valer um caracol como governante,mas não tem o "cadastro" deste vigarista que sacou milhões e deixou o nosso país na miséria e entregue às instituições de crédito.
Um criminoso que goza de total impunidade por fazer parte da Camorra de Soares.

Anónimo disse...

...e a minha empregada odeia-o.
Ahahaha!

Anónimo disse...

Se ele é assim tão popular, porque será que ele se diz tão vítima de "campanhas de carácter" por parte da direita conservadora? O problema dele, não é ser popular. O problema dele, é a maçonaria ter-lhe tirado o apoio, assim como o poder financeiro do espírito santo e companhia. Aí chegado, bem pode ele ganir contra a direita conservadora, pois o socialismo vê nele, a tinha que é característica dos tinhosos.

altaia disse...

Sabem porque eu gosto do Sócrates? porque vocês se tivessem o poder que ele teve teriam sido muito piores montes de merda

Anónimo disse...

Diz o anónimo, "o povo adora-o"!...

O lorpa do tuga tem fixação especial por criminosos e vigaristas. Ao fim de 48 anos de estado novo, salazarento, de pura miséria, o povão, como dizem os brasileiros, em vésperas do 25 abril, ainda estava convicto da boa vontade do ditador!
Agora, 50 anos depois desta democracia da treta a mentalidade retardada do tuga continua na mesma!...

Dêem-se vivas aos impolutos isaltinos, fátitas felgueiras, dias loureiros, varas, ao escroque do injinheireiro e a toda à maltosa corrupta.

Anónimo disse...

Só queria deixar umas sugestões para a capa do livro deste senhor: a net está cheia de fotos, não meramente oficiais mas no estilo compincha, dele com vários torcionários - ele e o kadafi, ele e o zé eduardo de angola, ele e o chavez, etc. Acho que davam capas a matar pró livro deste pseudo-intelectual.

Anónimo disse...

Nem pseudo consegue ser.
Decorou umas citações para meter como buchas,o que lhe daria uma auréola de culto.
Tudo é falso naquele doente mental.Excepto os milhões que roubou e meteu em offshores.Esses mesmo,os que o MP finge que não vê e que pertencem a um povo lançado à miséria pelo partido socialista.

Anónimo disse...

Isto não é um blog. É uma enfermaria de psicopatas.

Anónimo disse...

Antes psico-pato que psico-rato!

GAGO DE VERGONHA disse...

A vergonha GAGA da Universidade esteve na jantarada juntamente com os restantes tinhosoa corruptos da tralha Sócretina.Todos a lambuzarem-se com os off-shores de sangue do povo Português!

Vamos lá a divorciar disse...

Vamos ter de assinar uma petição ao Infante para se divorciar.É a única maneira de acalmar o Sócropata enfiando-lhe os supositórios da praxe reto - faríngicos.O Herr Man já está demasiado velho e frouxo para o conseguir.

Motorista da mamã disse...

Será que quem me paga faz os meus descontos para a Segurança Social e a Dona Castilhona me paga com o dinheiro da pensão,das rendas ou dos offshores ?Investiguem por favor...

Anónimo disse...

Promoção, quem comprar o livro da "filosofia da tortura gay", pode ganhar uma viagem à Ilha de Jersey, e acompanhar o Inginheiro a fazer um levantamento de 120.000 euros para pagar a sua estadia semestral em Caracas. Com o apoio do laboratório do sangue para a América Latina.

Anónimo disse...

http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?id_news=663147

só é pena a fraude que Diogo Infante andou a fazer na praça pública dizendo ás pessoas que "não comentava" se era homossexual ou não enquanto metia no bolso papéis de galã em novelas e filmes. Deu-lhe jeito, e os media alinharam. Para quando o fim da mesma hipocrisia da parte do casal Paulo Portas e Adolfo Mesquita Nunes, que se fosse um casal heterossexual já o tinham denunciado por não poderem estar os dois no Governo. Mas como é um casal gay os jornalistas tudo calam, uma vergonha...

Catarina Oliveira disse...

Excelente blog!
Eu, recentemente, criei um blog sobre "Saúde & Bem Estar" (http://bemestar-saude.blogs.sapo.pt) e gostava de ter a sua visita ;)

Cumprimentos,
Catarina Oliveira

Anónimo disse...

Segundo a dona Judite de Sousa,as expressões "bandalho","estupor","filho da mãe",usadas pelo Grande Vigarista na pseudo entrevista à tarada da Clara,são "expressões subjectivas".

Se o "estupor" da dona Judite,usando uma linguagem subjectiva,fizesse o seu trabalho como é suposto,sem se vender aos interesses venais,não seria possível um aldrabão deste jaez enganar tanta gente,mesmo depois de roubar um país,deixando milhares de compatriotas na miséria por muitos anos.

Anónimo disse...

«http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?id_news=663147

só é pena a fraude que Diogo Infante andou a fazer na praça pública dizendo ás pessoas que "não comentava" se era homossexual ou não enquanto metia no bolso papéis de galã em novelas e filmes. Deu-lhe jeito, e os media alinharam. Para quando o fim da mesma hipocrisia da parte do casal Paulo Portas e Adolfo Mesquita Nunes, que se fosse um casal heterossexual já o tinham denunciado por não poderem estar os dois no Governo. Mas como é um casal gay os jornalistas tudo calam, uma vergonha...»

A denúncia que faz é muito grave.

Em Inglaterra caiu um membro do Governo de Cameron por ter apadrinhado o amante gay.

É difícil acreditar que um partido como o CDS, de Direita e cristão, tenha uma situação dessas na cúpula. A ser verdade, por que motivo pessoas de elevada craveira moral como Ribeiro e Castro estão caladas?

Anónimo disse...

Mas se isso for verdade ficam explicadas as posições dele enquanto deputado em relação à agenda rosa.

A ser verdade é um escândalo e nos EUA ou em Inglaterra teria consequência avassaladoras.

Anónimo disse...

Casto não é o castro...também é!Foi quem iniciou o PP....

Anónimo disse...

E porque razão o Diogo foi nomeado director do Dona Maria,no governo do Pinóquio??

Anónimo disse...

«E porque razão o Diogo foi nomeado director do Dona Maria,no governo do Pinóquio??»

Mas segundo a comunicação social a relação do Diogo Infante com o homem com quem «casou» tem 20 anos.

O ADULTERO disse...

20 anos faz-me lembrar a estória da namorada...vinte escapadelas talvez...com a D.Maria de São Bento...

A Bem do Turismo disse...

Dantes havia o ALLGARVE...Hoje temos o ALLCULEVANTADO !

Anónimo disse...

«Casto não é o castro...também é!Foi quem iniciou o PP....»

Mas a pessoa em causa tem sido contra o casamento gay, a adopção gay e é um católico praticante. Para mim é muito difícil acreditar que ande ou tenha andado no passado nessas vidas.

Mas estas coisas são importantes e deveriam ser discutidas, com os anos percebi a importância da vida privada numa figura política, e por que motivo é tão escrutinada, tão avaliada, nos EUA ou em Inglaterra.

Lamentavelmente tenho um primo que seguiu os caminhos da vida gay. É amigo de um político gay não assumido com muito poder, sabe muito e tem-me relatado como funciona o lobby gay e como políticos, actores ou professores universitários têm subido na carreira graças ao lobby.

Anónimo disse...

O Santana já lhe respondeu:

http://portadaloja.blogspot.pt/2013/10/ainda-hilariante-entrevista-de-socrates.html

Antonio Cristovao disse...

A cultura na politica da UE é que a vida privada de cada um deve ser preservada. Ao ler tanto irresponsavel comentar coisas que lhe devem agradar muito mas que até podem ser falsas, pergunto-me se cada um assume que é importante ser sério e exacto mesmo que sejam em comentarios para passar o tempo?
A internet é importante que continue absolutametn livre e fora de censura, mas cada um deve perceber que a qualidade do que aqui aparece também é sua responsabilidade e o somatorio é que faz haver boa ou má informaçao

Anónimo disse...



Mas ninguém tira a licenciatura a José Sócrates?
Henrique Raposo 22 de Outubro de 2013 49 714
Quando o homem estava no retiro parisiense, a questão não era premente. Até era bonito termos um ex-pm a estudar em terras gaulesas, dava um certo ar aristocrático à nação. Era uma cena fofa, no fundo. Mas entretanto a cena perdeu a face fofa, porque o homem regressou à pátria, pior, voltou ao centro da nossa vidinha colectiva. Agora é mesmo um imperativo categórico colocar a questão: depois do que aconteceu a Miguel Relvas, por que razão ninguém tira a licenciatura a José Sócrates? O que distingue o grau académico de Relvas do grau académico de Sócrates? Nada. Ambos foram obtidos por diversas e divertidas portas do cavalo. Se existirem diferenças, as ditas são de grau e não de natureza. Tal como Relvas, Sócrates conseguiu uma tonelada de equivalências injustificadas e ainda deu uso ao fax e ao domingo para fazer testes e para receber notas e o título de "Eng.".

Recorde-se ainda que a dimensão política do escândalo Sócrates é superior à dimensão política do escândalo Relvas. Quando fez a sua manigância académica, Relvas não ocupava nenhum cargo político. Sócrates, ao invés, era secretário de Estado. No tal teste de inglês, conduzido pelo reitor, o perito em tortura enviou um cartão de visita oficial anexado ao exame. Mais: quatro das cadeiras foram leccionadas por António de Morais, que era assessor de outro secretário de Estado, Armando Vara, que, por sua vez, era amigo de Sócrates. Isto não era um curso, era um clube de chá guterrista. Se Relvas apresentou demissão, Sócrates devia ter apresentado uma demissão elevada ao cubo.

O ex-pm não apresentou demissão e, mais grave, ninguém vai ter a coragem para lhe retirar aquele indecoroso grau académico. Como se sabe, existe um duplo padrão moral entre nós. A esquerda gera os filhos, a direita providencia os enteados façanhudos. Como menino do PS, José Sócrates está numa categoria à parte, uma categoria que toma infusões de impunidade da mesma forma que eu tomo chá de camomila.


Ler mais: http://expresso.sapo.pt/mas-ninguem-tira-a-licenciatura-a-jose-socrates=f836920#ixzz2iSEWRgsv

Anónimo disse...


..."Só uma última nota: o Mestre Sócrates afirma ser o líder que a direita sempre quis. E que a direita política são os bandalhos. Ora, aplicando as regras da Lógica, um ramo da Filosofia, podemos concluir o seguinte: 1. Na direita política são uns bandalhos; 2. Eu sou o líder querido da direita política; 3. Logo, eu sou um bandalho.

Ler mais: http://expresso.sapo.pt/afinal-jose-socrates-e-mesmo-um-filho-da-mae-e-o-bandalho-da-direita=f836787#ixzz2iSHQfJLd

Anónimo disse...

"Mas segundo a comunicação social a relação do Diogo Infante com o homem com quem «casou» tem 20 anos."

Segundo a comunicação social que só esta semana admitiu que o Infante é gay e que durante esses 20 anos não sabia de nada.Ehehehe.

As relações entre gays muito raramente atingirão 20 anos,coisa que até entre casais hetero já rareia.
No caso presente terá tido 20 ânus.quando muito.
E a relação entre Infante e S´pcrates foi mesmo real e conheço testemunha.Portanto,os sócretinos que por aqui aparecem disfarçados,a tentar aldrabar os incautos,perdem tempo.
Infante é gay,Sócrates é gay!
Por mais que o Vigarista minta,é mesmo gay,um gay aldrabão e gatuno.

CÃO RAIVOSO disse...

Procura-se cão raivoso.Dá-se recompensa a quem o capturar.Desloca-se habitualmente num Mercedes com motorista,veste fatinhos Armani,abana frenéticamente a cauda mal vê um homem e espuma abundantemente pela boca.Ninguém se deve aproximar deste cão porque em vez de ficar visconde fica tinhoso!

love letters disse...

até love letters escrevia...how sweet...

Anónimo disse...

http://portadaloja.blogspot.pt/2013/10/a-vida-fabuloso-de-jose-socrates-trailer.html

Anónimo disse...

O que é notável,é a máquina propagandística do sucialismo que consegue andar com um criminoso destes em todas as TV's e jornais,sabendo-se que o mafioso devia estar atrás das grades por muitos anos.
Este é pior que o Madoff,deixou dez milhões de vítimas.

Anónimo disse...

O Portas, o Sócrates, o Ricardo Açoriano, o Frasquilho, o Nobre Guedes, o Conde da TVI, o Ribeiro e Castro, também? A filha do Adriano, dilecto do Salazar. Venha a vassoura. Esta gente tem que se soltar do armário ou são um perigo para Portugal, pois vendem-se à menor pressão mediática. Juntem-se ao infante.

Amoreiras Park disse...

A lambe folhas de Amoreira já anda por aí aos berros contra o referendo.Vade retro Povo Português!Nada mais anti-democrático do que o referendo e o voto popular.Tudo deve ser decidido no bordel da Assembleia e nas alcôvas homo do Parlamento e Governo!

Anónimo disse...

http://economico.sapo.pt/noticias/ricardo-salgado-em-luanda-pela-segunda-vez-neste-mes_180055.html

Presidente do Banco Espírito Santo viaja para Angola para "contactos com empresas".

Em pleno ambiente de tensão entre Luanda e Lisboa, o presidente-executivo do Banco Espírito Santo (BES), Ricardo Salgado, viajou para Angola pela segunda vez no espaço de um mês.

Oficialmente, a visita de Ricardo Salgado a Luanda destinou-se a manter "contactos com empresas portuguesas e angolanas, no âmbito da estratégia de crescimento e desenvolvimento do BES Angola", segundo disse fonte oficial do banco à edição online do "Jornal de Negócios". Segundo a mesma fonte, o banqueiro participou ontem num evento da Sociedade de Desenvolvimento da Baía de Luanda.

Ricardo Salgado esteve em Luanda a 2 de Outubro último, tendo sido recebido pelo presidente José Eduardo dos Santos, numa audiência que mereceu ampla cobertura pelos meios de comunicação locais e que foi vista, por diferentes observadores, como um gesto positivo por parte do chefe do Estado angolano.

Nessa ocasião - que teve lugar antes do anúncio por Eduardo dos Santos, a 15 de Outubro, do fim da parceria estratégica com Portugal - foi discutido o aumento de capital no Banco Espírito Santo Angola (BESA), bem como a construção de um hospital em Luanda.

A segunda visita de Ricardo Salgado ocorre numa altura em que, tanto em Lisboa como em Luanda, se aguarda a decisão final da Procuradoria Geral da República quanto aos processos que visam várias figuras do regime angolano.

Tal como o Diário Económico noticiou em primeira mão, a PGR aguarda a conclusão das investigações pela Polícia Judiciária, para decidir se avança com os processos ou se os arquiva.

Anónimo disse...

ESCOMMMMMMMMMMMMMMMMMMM. O Sobrinho e outros processos. Uma famiglia por um punhado de dólares.

RENOVA disse...

17 euros é muito caro para um rolo de papel higiénico.Ainda por cima borra mais do que limpa!Prefiro limpar com a Renova!!

Anónimo disse...

"a PGR aguarda a conclusão das investigações pela Polícia Judiciária, para decidir se avança com os processos ou se os arquiva"

É anedótico.Como é que o processo iria correr,se os envolvidos,da parte angolana,teriam que ser ouvidos e quererem colaborar na investigação?

É o faz de conta que o Diário Económico e os outros mérdia avençados pelo partido/quadrilha de Soares,manejam como forma de criar embaraços nas relações entre os dois países.
Mas,se estas relações podem sofrer alguns precalços no que toca à parte institucional,outro tanto não se verificará no que concerne às negociatas entre clepto-pulhíticos de ambos os lados,com os do lado de cá a fazerem a lavagem.
Destas coisas o MP nada sabe,nem os mérdia...

Anónimo disse...

Prof. Caldeira,

Vamos a correr comprar o livro do ano!

http://economico.sapo.pt/noticias/mais-de-mil-pessoas-no-lancamento-do-livro-de-socrates_180081.html

Dois antigos presidentes, Lula da Silva e Mário Soares, irão realizar a apresentação do livro.

Claudia Prata, responsável de comunicação da Babel, a editora do livro, confirmou ao Económico que este é o "maior evento da Babel, se não o maior do mercado editorial" este ano. Já foram impressos 10 mil exemplares do livro e o preço de capa ' e de 17 euros.

Anónimo disse...

Chemem a polícia e prendam-nos a todos, e de uma só vez.

http://economico.sapo.pt/noticias/exministros-em-peso-ao-lado-de-socrates_180091.html

Pedro Silva Pereira, que foi (e é) o seu braço-direito, foi o primeiro a chegar. Entretanto, chegou Mário Lino, Alberto Costa, Jorge Lacão, Vera Jardim ou Maria de Lurdes Rodrigues.

Também o ex-PGR esta no Museu da Electricidadde, bem como o ex-presidente do STJ Noronha do Nascimento.

Anónimo disse...

o delinquente Soares disse que o Sócrates "foi um académico brilhante". Nem tomando as pílulas para a demencia, o crápula se endireita.

Anónimo disse...

Não conhece nem nunca falou com o actor? Pessoa que os conhece diz que os via todas as manhãs a tomar o pequeno almoço numa pastelaria na zona do Marquez. Isso faz desconfiar.

Anónimo disse...

Do Diogo Infante já sabia, pois tive uma colega de faculdade que fora actriz e era uma bloquista muita open-minded, corria os bares gay todos de Lisboa e Porto -mas era 100% hetero- e durante a semana contava as suas aventuras no submundo das minorias sexuais. Aprendi e soube muito. O mundo do teatro e da TV portuguesa é podre. Mas além do Diogo há imensos não assumidos e nem o povo sequer imagina quem são, alguns até estão casados com um mulher mas têm vida dupla.

PINTOS GATUNOS,CEGONHA E SEM VERGONHA Lda disse...

De tanto o gatuno encobrir não podiamos deixar de ir...o sem vergonha estava com a vaidade a rebentar...vamos lá o POTE assaltar!!!

Palermo,Sicília disse...


Está um inetelectual feito,o Vigarista.Ainda vai acabar com um doutoramento Honorisrupto.
Até o bode Noronha lá marcou presença com o seu característico bedum.
Por aqui se vê a falta que nos faz um Elliot Ness.Era uma limpeza!

Anónimo disse...

A Lurdes Rodrigues chegou numa vassoura,para evitar as bichas.Teve azar,aquilo estava cheio delas.

LULINHA COM TINTA disse...

Tem de voltar a politicar para poder continuar a roubar,cara oculta!!!

Anónimo disse...

Balbino estas cada vez mais obcecadoe ceguinho... sobre as políticas fascistas do PPD nada dizes!!!, o socrates fez muitas asneiras, mas os que lá estão agora são bem piores verdadeiros terroristas sociais que roubam aos pobres para dar aos muito ricos.