segunda-feira, 3 de dezembro de 2012

Perdoa-me



António Guterres deu nova entrevista à RTP
, em 30-11-2012, para afirmar, mais uma vez, que não é candidato à eleição presidencial do inverno de 2016. Já o tinha dito em 30-9-2011 na RTP-1 e em 30-9-2012 na EuroNews. É caso para dizer que já ouvimos! Guterres pretende o contrário: cada vez que nega - três vezes!... - ser candidato, espera que alguém se lembre dele antes do galo cantar. A procura capitalizar o efeito de uma sondagem do neosocialista i, que em 28-11-2012, o coloca como o Melhor Primeiro-Ministro da Democracia (sic) - uma sondagem em que não entra Francisco Sá Carneiro!... Em tempos de penúria, naquela escolha limitada, os respondentes preferem o franciscano pródigo, o esquecido líder de uma geração pestilenta de pê-ésses jóticos (Sócrates, Vara, Laurentino, etc.)...

Guterres atesta o seu desejo de retornar à política portuguesa e assume parte da culpa do défice (contrastando com a falta de arrependimento de Sócrates, um dos seus rivais para 2016):
«Todos aqueles que exerceram funções em Portugal têm uma responsabilidade no facto de nós, até hoje, ainda não termos sido capazes de ultrapassar esses défices tradicionais, essa incapacidade tradicional para competir em plano de verdadeira igualdade com os nossos parceiros, nomeadamente no quadro europeu. Ainda não fomos capazes - e eu próprio porventura também o não fui - de re-situar o país por forma a pudermos garantir aos nossos cidadãos melhores níveis de emprego e de bem-estar».
E procura justificar a sua decisão, prosseguida nos governos seguintes, de compra de novos submarinos para a Armada portuguesa.

Depois, relativamente ao tema real da entrevista do Alto Comissário das Nações Unidas para os Refugiados (crítico da mediocridade dos líderes europeus...), cujo segundo mandato -  - termina em 2015, após um primeiro obtido com campanha no Clube de Bilderberg, Guterres fala novamente sobre uma candidatura sua às presidenciais de 2016:
«Eu não sou candidato a candidato a coisa nenhuma na vida política portuguesa. Entendo que houve uma fase da minha vida em que dei tudo aquilo que podia - melhor ou pior -,  mas dei tudo aquilo que podia para fazer o que pudesse para que o País pudesse seguir por bom caminho. Depois disso... acho que as coisas chamaram-me, uma certa vocação que me chamou, para outras coisas e neste momento sinto-me profundamente realizado a fazer o que estou a fazer.
- Mas afasta por completo a hipótese de regressar à política portuguesa?
Não me está a pedir para fazer juramentos porque juramentos são absurdos... Não tenho qualquer intenção de regressar à política portuguesa. Se quiser, esta é a resposta honesta que lhe posso dar neste momento.»
(Transcrição minha)

No fundo, uma espécie de Perdoa-me, um mea culpa televisivo a rogar ao povo que lhe consinta voltar. Se os portugueses não esquecem o défice, o assistencialismo crónico, a promoção de delfins jóticos, a sua fuga ao pântano da Casa Pia, Guterres tenta que o povo lhe conceda o perdão através desta desobriga à maneira das Donas (relembrando a sua interpretação no debate parlamentar de 22-6-1995)...


* Imagem picada daqui.

7 comentários:

Anónimo disse...

Essas juras não querem significar coisa nenhuma.
Gente como Guterres vive à custa do contribuinte.nada mais sabe fazer na vida e esta confunde-se com o Estado.
Foi um PM péssimo,que deixou atrás de si o "pântano" da ruína.Valeu-lhe a impunidade que o regime corrupto concede aos seus.Caso contrário,estava na cadeia.
Mais uma vez,esta imprensa rasteira e traiçoeira passou a esponja e depois de um periodo no limbo,voltará à cena,fresquinho que nem uma alface,pronto a dar nova facada nos portugueses.
É deprimente este país.Uma nação que já foi grande,hoje é uma latrina socialista.Único país onde a traição é condecorada e o patriotismo perseguido.
Todos estes falsos licenciados são a flor do estrume.

O DESAVERGONHADO disse...

SEM PERDÃO,SEM RAZÃO,SEM VERGONHA,SEM REFÚGIO.FOI O PROMOTOR E INICIADOR DO DESGOVERNO SOCIALISTA QUE LEVOU PORTUGAL À BANCARROTA.NEM O RENDIMENTO MINÍMO GARANTIDO,LEMBRAM-SE?,MERECE.DEVIA SER OBRIGADO A VIVER EM MÉNAGE À TROIS COM O FERRUGENTO E O FILUSUFU PARISIENSE,APÓS ADOPTAREM O PAULO P.

Floribundus disse...

esse rato ainda mexe.
devia ir confessar-se ao franciscano banqueiro,
os refugiados ainda lhe ficam a dever dinheiro

Anónimo disse...

Com certeza rivaliza com os piores 1ºs ministros ..

Anónimo disse...

Ele também tem o retrato no livro de Daniel Estulin, numa altura em que lá participou na reunião anual do Clube.
Ele e o parisien...

A mim não me enganam, não.

Vende pátrias, traidores amigos do alheio; tudo uma comandita.



Anónimo disse...

professor, tem dificuldade em usar a mente e não compreende nada do que se passou, ou está mais uma vez a usar da sua conhecida gosma igual à dos políticos corruptos para virar as conclusões no interesse da canalha que destruiu Portugal e implantou a corrupção e o roubo, o cavaquismo? o Guterres abandonou o governo por cobardia de não ser capaz de dominar a corrupção e o clientelismo, estado em que a corja do cavaco deixou o país. foi um crime, mas nada a ver com a sua tese para convencer idiotas e amnésicos. as suas afirmações hipócritas só servem para mostrar as suas intenções e enganar quem desconhecer e atrasadinhos, que infelizmente não falatam, a observar os acontecimentos atuais.

I. B. disse...

VENHO DESEJAR FELIZ NATAL AO CARO PROFESSOR E AGRADECER-LHE SER UMA VOZ HONESTA, LÚCIDA, CORAJOSA E PATRIÓTICA.

TUDO DE BOM PARA SI, CARO ABC.

IB