quarta-feira, 30 de novembro de 2011

O livro de Rui Verde sobre a licenciatura de Sócrates na UnI e a sua consequência

Rui Verde, ex-reitor da Universidade Independente (UnI) lançou hoje o livro «Processo 95385 - como Sócrates e o poder político destruiram uma universidade». O Público, por José António Cerejo e Andreia Sanches, publicou hoje, 30-11-2011, aquilo que, alegadamente, são os originais do processo individual do aluno José Sócrates, na Universidade Independente (UnI), em 1996, que o vice-reitor Prof. Rui Verde conservou. Também a TVI, pela jornalista Paula Costa Simões, fez uma notícia sobre as revelações de Rui Verde nesse livro. O Público, através dos mesmo jornalistas, revela, também hoje, excertos do livro, em pré-publicação, num artigo intiulado «O namoro com o poder nos bastidores de uma universidade».

Começo por transcrever a notícia do Público e depois a da TVI. A seguir,  comento, comparo e concluo, face ao que escrevi no meu livro «O Dossiê Sócrates», de Setembro de 2009.

«Ex-dirigente da Independente revela dossier original da licenciatura de Sócrates
30.11.2011 - 07h18 José António Cerejo, com Andreia Sanches


A totalidade dos originais do processo individual relativo à licenciatura de José Sócrates na Universidade Independente (UnI), que o PÚBLICO viu e fotografou na segunda-feira, encontra-se na posse de Rui Verde, um antigo vice-reitor daquele estabelecimento. Rui Verde, que está a ser julgado, juntamente com 23 outros arguidos, pela alegada prática de numerosos crimes na gestão da UnI, diz que tem o dossier de Sócrates desde “muito antes” da abertura do inquérito judicial que, em Agosto de 2007, concluiu não ter havido “qualquer crime de falsificação de documento autêntico” na obtenção da licenciatura do então primeiro-ministro.
A ser verdade que este conjunto de 17 documentos já estava com o antigo vice-reitor quando o Procurador-Geral da República determinou, em Abril de 2007, a realização de um inquérito para averiguar se aquele crime tinha ou não sido praticado, a conclusão a que chegaram a procuradora-geral adjunta Cândida Almeida e a procuradora-adjunta Carla Dias, responsáveis pela investigação, terá tido como fundamento, entre outros, a análise de fotocópias e não de documentos originais.
A afirmação de que as peças originais do dossier do aluno não são aquelas que em Março de 2007 foram divulgados pela imprensa surge pela primeira vez num livro escrito por Rui Verde que hoje começa a chegar às livrarias. Intitulada O Processo 95385 - Como Sócrates e o poder político destruíram uma universidade, a obra é editada pelas editoras D. Quixote e Exclusivo Edições e reproduz todos os documentos do dossier, identificando-os como originais, mas sem nada dizer sobre o local onde se encontram, nem sobre o facto de serem, ou não, os mesmos que o DCIAP investigou.
O PÚBLICO tentou saber, na terça-feira de manhã, junto da directora do Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP), a procuradora Cândida Almeida, se os documentos analisados no decurso do inquérito foram os originais ou as cópias. Em resposta, o DCIAP informou, ao fim da tarde, que “os documentos que serviram de base à investigação e ao despacho de arquivamento” se encontram junto ao processo no Tribunal de Instrução Criminal, que o PÚBLICO tentará consultar nesta quarta-feira.
A natureza dos documentos que o DCIAP apreciou surge aqui como fulcral, na medida em que, de acordo com o despacho que determinou a abertura do inquérito, o que se pretendia era investigar uma denúncia de falsificação de documentos.
O ex-primeiro-ministro José Sócrates foi contactado pelo PÚBLICO mas afirmou desde logo que não iria falar sobre o livro.


“Fiel depositário”
Em declarações ao PÚBLICO Rui Verde revelou que o dossier está na sua posse desde que, “muito antes” de Março de 2007, o levou para casa, tal como fez com outros documentos que julgou importantes e guardou, “como fiel depositário”, uma vez que era presidente da direcção da SIDES, sociedade proprietária da UnI. Rui Verde salienta que nunca ninguém lhos pediu, nem perguntou por eles, e que os entregará a qualquer autoridade que tenha legitimidade para os pedir.
O autor de Processo 95385 (o número é aquele que José Sócrates tinha como aluno da UnI) explica o facto de não dizer no livro que tem o dossier com ele – nem equacionar a questão de o inquérito do DCIAP poder ter sido feito a partir de fotocópias – com o lugar secundário que atribuiu ao caso. Mesmo assim, escreve que é “muito estranho” a documentação divulgada não ser a original e afirma que isso “comprova uma tentativa posterior de sustentação do processo”.
No interior de uma capa de cartolina da UnI com o nome de José Sócrates e o número 95385 Rui Verde tem os originais dos diferentes documentos que constituem o dossier do aluno – incluindo o certificado de habilitações emitido em seu nome pelo Instituto Superior de Engenharia de Lisboa (ISEL) em Julho de 1996 e que servira de base, um ano antes, à atribuição das equivalências às disciplinas da UnI.
Este é um dos elementos do dossier em que mais sobressaem as características de um original. Os sulcos vincados pelo selo branco do ISEL vêem-se claramente e o selo fiscal verde, com a cruz de cristo vermelha por cima, está lá colado com a assinatura atravessada do funcionário responsável pela emissão do certificado. O mesmo sucede com um cartão-de-visita do então ainda secretário de Estado José Sócrates (que acompanhava um texto que serviu de prova de avaliação para a cadeira de Inglês Técnico e que foi entregue em mão própria ao reitor Luís Arouca) em que o relevo da esfera armilar é sensível ao tacto e visível a olho nu.
Nas restantes peças do dossier, a cor das canetas e esferográficas com que os impressos são preenchidos, bem como os logotipos coloridos da UnI, sublinham a diferença com as fotocópias que os jornalistas do PÚBLICO e do Expresso referiram terem-lhes sido mostradas em 2007.
Ao jornalista do PÚBLICO, o então reitor Luís Arouca, que é também um dos arguidos do processo que está a ser julgado em Lisboa, explicou mesmo, nessa altura, que ele só podia aceder às cópias, visto que, “por questões logísticas”, os originais não estavam disponíveis.


Pauta não assinada
A análise detalhada dos originais detidos por Rui Verde não mostra, todavia, grandes diferenças de conteúdo entre estes e as cópias tornadas públicos há quatro anos. Mas as que mostra são óbvias.
Uma delas prende-se com a pauta relativa à prova de Inglês Técnico de José Sócrates. Nem cópia nem original são datadas, mas a cópia exibida aos jornalistas apresenta uma assinatura ilegível do “responsável pela classificação”. Já no exemplar de Rui Verde, a mesma pauta, idêntica em tudo o resto, mas preenchida a azul e em impressos originais, não tem qualquer assinatura.
O outro documento que não coincide com as cópias mostradas aos jornalistas é a própria prova feita por Sócrates na mesma disciplina. De acordo com o que escreveram na altura as jornalistas do Expresso que viram as cópias, as correcções efectuadas por Luís Arouca nas três páginas do texto entregue por aquele aluno estão assinaladas a vermelho. Ora no exemplar que está na posse do antigo vice-reitor elas estão inscritas a lápis.
Apesar de não se alongar no livro em relação às diferenças que encontrou entre os originais e as cópias divulgadas, o autor sustenta que a sua prisão em 21 de Março de 2007, véspera da divulgação das falhas existentes no dossier de Sócrates nas páginas do PÚBLICO, está ligada à licenciatura do antigo primeiro-ministro – embora tenha ocorrido no quadro de uma investigação relativa à gestão da universidade.
Rui Verde lembrou ontem que nessa altura o seu telefone estava sob escuta, no âmbito daquela investigação, e que na tarde do dia 21 tinha um encontro marcado com uma jornalista do Expresso a quem iria falar da existência de irregularidades no processo de Sócrates.
O ex-presidente da direcção da SIDES conta que durante as buscas à casa em que vivia foi apreendida, no dia em que foi preso, uma cópia do dossier de Sócrates e que, meses depois, foi levado ao DCIAP, sob prisão, para ser ouvido no inquérito ali em curso sobre a alegada falsificação, não tendo prestado declarações. Ao PÚBLICO disse ontem que não foi confrontado com qualquer documento, pelo que não sabe se o que o DCIAP tinha eram cópias ou originais. “Mas originais não eram seguramente porque os originais, verifiquei depois, tinha-os eu.” Rui Verde explica o seu silêncio até agora com a circunstância de não estar preocupado com esse assunto na altura e só depois da sua libertação, em Janeiro de 2008, se ter apercebido de que a polícia não tinha levado o dossier. “Eles levaram as cópias e foram essas cópias que o juiz de instrução referiu no despacho em que ordenou a minha prisão preventiva.”


O julgamento em curso
Coincidindo com a polémica da licenciatura do ex-primeiro ministro verificou-se uma intensificação da luta pelo poder que se arrastava na UnI. Meses depois, em Outubro de 2007, o ministro do Ensino Superior, Mariano Gago, ordenava o seu encerramento compulsivo por “manifesta degradação pedagógica”.
As acusações cruzadas de práticas ilegais por parte das diferentes facções da universidade dariam entretanto origem ao chamado processo da Universidade Independente. O inquérito judicial referente a estes factos foi concluído em Maio de 2010 com a decisão do juiz de instrução criminal Carlos Alexandre de levar a julgamento 24 arguidos, entre os quais Luís Arouca e Rui Verde. A acusação imputa-lhes a prática de dezenas de crimes, desde associação criminosa, a burla, falsificação de documentos e fraude fiscal.

O julgamento teve início em Maio deste ano, no Tribunal de Monsanto, e vai agora a meio. O colectivo de juízes é presidido por Ana Peres, a magistrada que dirigiu o julgamento do processo Casa Pia.»

O Público fotografou os 17 documentos do que Verde afirma ser o processo individual de José Sócrates na Universidade Independente. Publico o fac-simile de dois que se encontram na edição em linha, de 30-11-2011:



Pauta da cadeira de Inglês Técnico da UnI, com a nota de 15 valores, do aluno 95389, José Sócrates -
com menção do ano lectivo «95/96», mas sem data, nem assinatura, nem nome do responsável pela classificação.
(Fonte:
Público, 30-11-2011)



Pauta da cadeira de Projecto da UnI, com a nota de 17 valores, do aluno José Sócrates -
assinada pelo professor António José Morais e datada de 8/8/1996
(Fonte:
Público, 30-11-2011)


A notícia da TVI, também de hoje, 30-11-2011, é a seguinte:

«Curso de Sócrates ainda dá que falar
Rui Verde, o ex-vice-reitor da Universidade Independente, conta em livro o processo de licenciatura do ex-Primeiro-ministro
Por: Redacção / CF/ Paula Costa Simões
30- 11- 2011   14: 29

Chama-se o «Processo 95385 - como Sócrates e o poder político destruiram uma universidade» e é através dele que o ex-vice-reitor da Universidade Independente quebra o silêncio.
Rui Verde vem mostrar que nem todos os papeís que estavam no escritório da sua casa coincidem com as fotocópias tornadas públicas em 2007, quando foram noticiadas alegadas falhas e irregularidades na licenciatura de José Sócrates em engenharia civil. É o caso da pauta com a nota de inglês técnico: a que chegou a ser divulgada pela própria universidade está supostamente assinada por Luís Arouca, a que Rui Verde tem não.
No que toca à cadeira do inglês técnico há ainda outra discrepância. A única prova conhecida é um trabalho de três páginas dactilografado, assinado por José Sócrates. A prova que qie os jornalistas do Expresso viram em Março de 2007 estava corrigida a vermelho, ora, no documento que está com Rui Verde as correcções aparecem a lápis.»

É grave se o caso é como o Prof. Rui Verde conta, se os documentos que o Público fotografou são de facto os originais, e se foram fotocópias alegadamente apócrifas, os alegados documentos que terão servido para o Inquérito judicial, a cargo da procuradora-geral adjunta, Dra. Maria Cândida Almeida, e procuradora-adjunta Dra. Carla Dias, no DCIAP, para averiguação de eventual crime de falsificação de documento autêntico, no diploma de licenciatura em Engenharia Civil de José Sócrates Carvalho Pinto de Sousa (Processo n.º 25/07.5.TE.LSB do DCIAP), por queixa do advogado Dr. José Maria Martins, em 90 de Março de 2007 - ver pp. 76, 265-271 e 305-347 do meu livro «O Dossiê Sócrates - A investigação do percurso académico de José Sócrates» (edição gratuita e edição impressa), de Setembro de 2009. É que o despacho de arquivamento do inquérito elaborado pelas referidas senhoras procuradoras, e datado de 31 de Julho de 2007, conclui que, apesar de tudo, José Sócrates se licenciou pela Universidade Independente em 1995/96. Recordo o que escrevi no meu livro «O Dossiê Sócrates», p. 312:

«(...) o despacho de arquivamento, estatuíu:


“Certo é que dos documentos apresentados aos autos, certificado de habilitações e notas finais obtidas nas disciplinas que teve de frequentar e em que obteve aproveitamento, resulta que José Sócrates se licenciou no ano lectivo de 1995/1996.”
A justificação desse atestado parece ser o facto de a universidade o dizer e, no certificado de habilitações e notas de José Sócrates, isso constar. Isto é, a validade acaba por ser aferida pela própria universidade, apesar do processo rocambolesco de admissão, das equivalências incompletas, da leccionação, dos docentes, do modo dos trabalhos e exames e do contraste indisfarçável com as disposições legais e regulamentares. Apesar de tudo isto: segundo as senhoras procuradoras do Ministério Público, a licenciatura de José Sócrates é válida.
Por fim, a procuradora-geral adjunta Dra. Maria Cândida Almeida e a procuradora adjunta Dra. Carla Dias terão concluído:




“não ter havido qualquer tratamento de favor do aluno José Sócrates, em detrimento dos restantes candidatos à licenciatura, em igualdade de circunstâncias académicas, que tivesse determinado a prática de um crime de falsificação de documento autêntico, na modalidade de falsificação de documento, e, muito menos, que José Sócrates tivesse cometido o crime de uso de documento autêntico falso”.


A conclusão do Ministério Público de que não houve “qualquer tratamento de favor” toma-se não porque não tenha sido beneficiado face à lei e aos regulamentos, não porque não tenha sido beneficiado face aos demais alunos doutras instituições do ensino superior português público e privado, mas porque, no entendimento das senhoras procuradoras, baseado na sua interpretação de documentos e testemunhos, não foi beneficiado face aos demais alunos da turma especial da UnI.
Ao contrário, disse-se, o despacho de arquivamento atesta que José Sócrates e os colegas foram “vítimas de uma publicidade agressiva e bem programada, por parte da UnI – Universidade Independente”. Portanto, Sócrates não foi favorecido: Sócrates foi vítima…»

Ora, , com suporte de documentos que alega serem os originais - não sabemos que perícia fez o Ministério Público sobre as alegadas fotocópias do inquérito para saber se eram documentos autênticos - Rui Verde vem agora dizer que:

1. A pauta de Inglês Técnico, que Verde mostrou ao Público e à TVI, nem estava assinada. Então, o que seria a outra assinada pelo reitor Luís Arouca?!...

2. O exemplar da prova de Inglês Técnico foi corrigida a lápis  - em vez de a vermelho como atestaram as jornalistas Mónica Contreras e Rosa Pedroso Lima, no Expresso de 31-3-2007, ter-lhes sido mostrada, sem que lhes fosse autorizado tirar cópia. Sócrates mostrou a prova na entrevista à RTP em 11-4-2011, e o Sol, de 17-4-2011, publicou-a. Se a versão a lápis é aquela mostrada na entrevista da TVI, como se indica ali, ela parece coincidir com aquele exemplar publicado no Sol, de 17-4-2011 (ver p. 131 do meu livro). Seria o fac-simile do Sol a da correcção a vermelho ou a sua fotocópia a preto e branco em que o vermelho aparece a cinza ou a versão a vermelho outra diferente e não mostrada? Sobre este ponto, veja-se o fac-simile das folhas da prova do Sol/RTP e a minha análise no meu livro «O Dossiê Sócrates», pp. 129-134. No meu livro (pp. 131-132) escrevi:
«Segundo o Sol de 17-4-2007, citado pelo Público desse dia, “a aprovação de José Sócrates na cadeira de Inglês Técnico na Independente foi obtida com um trabalho feito em casa numa folha A4, enviado ao reitor e acompanhado de um cartão com o timbre do seu gabinete de secretário de Estado. Ainda de acordo com o jornal, o texto em inglês é o único documento de avaliação que consta do dossier de aluno de Sócrates. (…) Elaborado pelo então secretário de Estado do Ambiente no dia 22 de Agosto de 1996, o teste de Inglês Técnico foi classificado pelo reitor Luís Arouca quatro dias depois, a 26 de Agosto.” Porém, a data de conclusão da licenciatura do certificado datado de 26-8-2006 de (com “21” no indicativo telefónico do timbre, um facto possível só depois de 1999…), entregue na Câmara Municipal da Covilhã para reclassificação profisional, é de 8-8-1996… dezoito dias antes da classificação da prova de Inglês Técnico pelo reitor Luís Arouca da UnI. O gabinete do primeiro-ministro explicou, depois, que o certificado válido era aquele emitido em 17-6-2003, em que a licenciatura tinha sido concluída ao domingo (8 de Setembro de 1996), o documento que antes tinha negado por inverosímil (o domingo é um dia estranhíssimo para efectuar um exame de licenciatura)… Isto é, aproveitava a data de conclusão do curso de um certificado e a data de emissão do outro…»
No Público, de hoje, 30-11-2011, os jornalistas José António Cerejo e Andreia Sanches mencionam que viram, e palparam, o cartão de visita de Sócrates, que também foi mostrado na reportagem da TVI, de 30-11-2011, que terá sido entregue «em mão própria ao reitor», além da prova. Terá sido a prova enviada por fax, como o Sol, de 17-4-2007 indicou, e o cartão entregue depois, com o original da prova, em mão, ao reitor Arouca, com o envelope que a TVI, de hoje, 30-11-2011 mostrou? Em qualquer caso, além do curso não poder ter sido concluído em 8 de Agosto de 1996 (uma quinta-feira), pois a prova de Inglês Técnico (um texto ambiental que fede a documento técnico para a União Europeia...) foi datada pelo alegado faxador em 22 de Agosto de 1996 - e a correcção do reitor Arouca (na versão do Sol, de 17-4-2007, que será a mesma «a vermelho» que viram as jornalistas do Expresso na semana anterior à edição do seu jornal de 31-3-1996?) tem a data de 26-8-1996.

3. Na TVI, de 30-11-2011, em entrevista a Paula Simões, Rui Verde relaciona a sua prisão, em 21-3-2011, com um alegado encontro que teria combinado pelo seu telefone, alegadamente sob escuta, com jornalistas do Expresso onde lhes iria alegadamente entregar documentos do caso, e com a divulgação pelo Público, no dia seguinte, do Dossiê Sócrates na Universidade Independente (aproveitando o meu trabalho de Fevereiro e Março de 2005 e de Fevereiro e Março de 2007) - uma edição do jornal que explica ter visto, no dia seguinte, quando foi inquirido, «a procuradora» (quem: a Dra. Fernanda Pego, que liderou a acusação do processo sobre a gestão da Universidade Independente?), «muito nervosa» a manusear atrapalhada na sua secretária, e que, por isso, terá pensado «estou tramado»...

4. Rui Verde sugere que «é tudo muito estranho» neste caso, pois na busca a sua casa, alegadamente, os agentes da Polícia Judiciária deixaram, no seu escritório, onde alegadamente se encontravam, os originais do processo individual do aluno Sócrates na Universidade Independente,  mas «ficaram com as cópias» desses documentos.

5. O ex-vice-reitor da Universidade Independente afirma que os procedimentos que a UnI seguiu com Sócrates eram a excepção e não a regra. Esta fundamentação opõe-se à das procuradoras Dra. Maria Cândida Almeida e Carla Dias, que arquivaram o caso do diploma do primeiro-ministro, justificando que as irregularidades, que documentaram, que eram procedimentos comuns aos outros alunos e que, por isso, Sócrates não foi favorecido... face aos outros alunos e que Sócrates foi... vítima da própria UnI.

6. Rui Verde dirá no seu livro, segundo a TVI (na reportagem televisiva de 30-11-2011, ligeiramente mais longa do que o excerto em linha), que «talvez Sócrates tenha frequentado uma ou outra aula», mas «é muito improvável que tenha completado o curso»...

7. É sistemático que a Dom Quixote (chancela Livros d'Hoje) tão interessada na publicação do meu livro, tão ansiosa em receber as conclusões explosivas - que levaram a 22 mil exemplares gratuitos descarregados  da Lulu (fora o envio do livro por mail em cascata), onde pude editar um livro que, como me explicou alguém jamais algum editor publicaria, algum distribuidor entregaria e alguma cadeia de livrarias venderia - e tão muda logo que as recebeu (o que fez com a versão preliminar do livro que não devolveu?!...), tenha editado agora, rei-morto-rei-posto, este livro de Rui Verde sobre o percurso académico de Sócrates na Universidade Independente...

Nota: leia-se ainda o José, que sugere aquela que é, em sua opinião, a consequência jurídica desta nova chusma de revelações com o atrasado livro (quatro anos e meio depois dos factos) de Rui Verde: a reabertura do processo da licenciatura de José Sócrates na Universidade Independente.

Estes novos sete pecados do caso impõem a descoberta da verdade. Falta a consequência judicial e administrativa de um caso contaminado pela pressão política.

Limitação de responsabilidade (disclaimer): José Sócrates Carvalho Pinto de Sousa não é, nem chegou a ser, arguido no inquérito  para averiguação de eventual falsificação de documento autêntico, no seu diploma de licenciatura em Engenharia Civil da Universidade Independente (Processo n.º 25/07.5.TE.LSB do DCIAP) e o inquérito foi arquivado, em  31 de Julho de 2007, pela procuradora-geral adjunta Dra. Maria Cândida Almeida e procuradora adjunta Dra. Carla Dias.
Rui Verde  está a ser julgado por «perto de 50 crimes», incluindo alegadamente os de associação criminosa, burla agravada, fraude fiscal e branqueamento de capitais, no processo sobre a gestão da Universidade Independente, que integra outros 23 arguidos. Luís Arouca também está em julgamento nesse processo, acusado de «cerca de 20 crimes» relacionados com a gestão da Universidade Independente.
As demais entidades referidas neste blogue não são suspeitas ou arguidas da prática de qualquer ilegalidade ou irregularidades, nas notícias dos media que aqui comento.

47 comentários:

Anónimo disse...

Muito bom.
Pena que o poder judicial esteja capturado pelos partidos.
Acabará no esquecimento,tal como os factos sobre Soares,revelados pelo dr Rui Mateus,de quem a imprensa deste país foge a sete pés.

Anónimo disse...

e assim o país se afundou por tanto bandido que governou desde 1974. Este "Jose Socrates" foi apenas mais um..........

Anónimo disse...

O Exilado de Paris, Sócrates, já se vê reformado a comer uma baguette no Quartier Latin.

Dificilmente volta a Portugal, a não ser com uma cabeleira postiça e com uma bengalinha.

De outra forma, e mesmo num país de frouxos, mas que em períodos de vacas muito magras (como foi por exemplo, a I República), pode vir a ser um saco de gatos e de tiros sucessivos, o Exilado Sócrates pode vir a ter um fim desconfortável. Quem sabe, fazer companhia a Domingos Duarte Lima ou a Isaltino. Ou aina pior.

Anónimo disse...

Tivemos um ministro da direita que tirou cerca de 60.000 fotocópias de documentos do ministério. Nada aconteceu ao homem, ou melhor, mais tarde foi novamente ministro.
Agora este Verde diz ter os originais da licenciatura do Sócrates. Durante o processo, segundo parece, não disse a ninguém possuir tão importantes documentos. Tudo normal, nesre país à beira mar plantado...
Agora o Verde, qual herói, escreve um suposto livro acerca do curso do Sócrates aonde apresenta cópias dos documentos originais. Aqui del-rei está descoberta a verdade. O país a partir de agora pode respirar de alívio porque, enfim, os nossos problemas serão fácilmente resolvidos.
Obrigado Verde pelo bom serviço que prestou à UNI e ao país.
Quantoa ao Cerejo, já tinha saudades deste grande jornalista não apresentar nenhuma notícia relacionada com o Sócrates. E amanhã, o Cerejo, ainda vai surgir com as casinhas da Guarda.
É pena que este grande jornalista não pegue forte no caso Lima, nem no maná da laranjada, o BPN.

Quanto ao Dr ABC já se sabe, tudo o que seja notícia referente ao Sócrates toca de as ampliar e lhes dar colossal destaque. Está na sua génese. Quanto aos outros assuntos, muito mais relevantes, pequenas notícias e sem comentários corrosivos.
Claro!...

Anónimo disse...

E o assalto ao BCP pela Irmandade Varística? Quanto custará? Muitos biliões. Anda o Dr. Passos a implorar aos angolanos para salvar a Irmandade maçon. Coisas do Exilado, ou Delinquente.

Anónimo disse...

Os 2 vigaristas deviam ser extraditados no mesmo dia de Janeiro.O Vale e Azevedo e o Pinto de Sousa "Sócrates".

Anónimo disse...

UE=UNIÃO para o ENRIQUECIMENTO da ALEMANHA. UE=UNIÃO para o EMPOBRECIMENTO de TODOS OS OUTROS.

Anónimo disse...

Os portugueses já se esqueceram o que era Portugal em 1974, ou até em 1985, antes da entrada na CEE.

Quantos biliões de euro injectaram os países da CEE em Portugal? Quantos jeep's compraram os portugueses? Quantas viagens ao Brasil foram feitas à custa dos subsídios da CEE?

O alemão fartou-se. Agora, só resta ao Tuga, trabalhar muito e ganhar pouco.

É a vida, diz o Refugiado Guterres, padrinho do Exilado Sócrates.

Anónimo disse...

O anão Sarko-Pétain vai ser abusado de novo na 2ªfeira pela Prussiana.Yawohl der Führer!

WIZ KWACHA KWACHA VENCEREMOS? disse...

cheguei ao fim...pensava que só chegava às 4 e meia mas cheguei com um hora de avanço

o socratismo já se foi e não vai ter grana para voltar

se nem o soarismo triunfante se chateia com o socratismo puqué que mecê mexe nissu?

Anónimo disse...

Tirem este gajo daqui

Anónimo disse...

Quem fez o assalto ao BPN e ao BCP foi o PS - quanto a esses dois bancos o que se devia ter feito era deixado ir á falência.

Anónimo disse...

Deixar ir à falência?
E deixar que se tornassem públicos documentos que revelavam a lavagem de dinheiro e financiamentos ilegais de partidos?
Deixar ir à falência bancos com tanto dinheiro em offshócrates e em operações clandestinas e fora da contabilidade?
Deixar ir à falência quando era tão fácil dar o golpe de sacar milhões e tapar com o dinheiro dos contribuintes,tendo Monteiros e Cândidas para afastar que algum curioso meta o nariz onde não é chamado?
Deixar ir à falência quando nem é preciso capuz para executar estes golpes?

Nom,monsieur.

Paris,je t'aime!

Anónimo disse...

E a licenciatura do Vara ?

Anónimo disse...

A licenciatura do Vara deve ser de levar às lágrimas.
Mas naquela AR deve haver para todos os gostos.
Aquilo é um cóio.

Anónimo disse...

A maior concentração de criminosos por metro quadrado do planeta.

Isabel disse...

Espero que haja consequências legais deste mais do que óbvio logro que é a suposta licenciatura do traste. Era bom que a do Vara também fosse apurada. O homem pode ter ar de tudo menos de alguém com formação académica.

Anónimo disse...

E já agora, e a licenciatura do Passos?
E do Alberto do Jardim?

Anónimo disse...

A ti não precisam inquirir nada.Nunca conseguiste fazer o exame da 1ª classe.

Anónimo disse...

Casais fatais :Sarko e Adolfa;Zézito e Róbalo;Bonnie and Clyde.

Aduana disse...

«O GOVERNO É IGUAL À CAMISA DE VÉNUS»

A explicação:

A camisa de Vénus permite inflação, impede produção, destrói a próxima geração, protege um bando de caralhos e ainda transmite um sentimento de segurança... enquanto na verdade, alguém está fodendo alguém!!!

Anónimo disse...

http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?section_id=12&id_news=545815

Berardo pede resignação de Cavaco Silva

O empresário Joe Berardo diz que o Presidente da República não tem conseguido manter o compromisso de «defender os portugueses», nem explicar o seu envolvimento em algumas situações polémicas, pelo que deve «pedir a resignação» do cargo.

«O Presidente da Republica é um pouco responsável por muita coisa que aconteceu até agora», disse o comendador à agência Lusa, acrescentando: «Acho que o Presidente da República devia pedir a resignação».

«O nosso Presidente da República, não sei por quanto tempo, vai ficar muito zangado, mas não estou preocupado com o PR, estou preocupado é com o que está a acontecer a Portugal, que não há maneira de dar a volta por cima», acrescentou Joe Berardo.

Diário Digital / Lusa

Anónimo disse...

Querem estar de bem com a Merkel e o Sócrates.Já estão de mal com os Portugueses.Estes, para mostrarem o seu descontentamento,por agora só dão pontapés nas relvas.

Anónimo disse...

O que dirá o Prof. Cavaco destas afirmações do seu Querido Delors:

http://www.telegraph.co.uk/finance/financialcrisis/8932647/Euro-doomed-from-start-says-Jacques-Delors.html

In an interview with The Daily Telegraph, Jacques Delors, the former president of the European Commission, claims that errors made when the euro was created had effectively doomed the single currency to the current debt crisis. He also accuses today’s leaders of doing “too little, too late,” to support the single currency.

Anónimo disse...

O Relvas já anda a levar na cabeça!

No lugar de cortar as gorduras do Estado, quer acabar com as freguesias, as únicas estruturas administrativas que não têm dívidas!

Pôr esse Relvas num avião e enviá-lo para Angola ou Congo!

Anónimo disse...

O Berardo que explique aos portugueses como e porquê é que a CGD lhe meteu 500 milhões nas mãos e com que vai pagar agora.
Esse negócio é que é pouco claro,quero dizer escuro!

Anónimo disse...

Quanto às freguesias,acho bem.Esses sorvedouros inúteis devem ser reduzidos ao indispensável.
Além do mais,era o que o governo socretino estava a fazer.Depois de levar o país à bancarrota,não lhe restava mais.

Anónimo disse...

O Relvas devia era explicar bem aos portugueses os emprestimos que tambem ele fez ao BPN

Anónimo disse...

De trafulhice na capoeira, Relvas é homem para dar duas voltas de avanço ao Vara. Vamos ver no final do mandato quantos empresas ele vai ter nas ilhas virgens. Os negocios ja começaram

Anónimo disse...

O PSD e o CDS nao se entendam quanto á extrategia para combater a maçonaria e a grande corrupçao.

Anónimo disse...

Lá entender,até entendem.Estão enredados nela.
Acácio Barreiros um dia disse que a AR é um ninho de lacraus.Estava coberto de razão.
Foi antes de se juntar a eles.

Anónimo disse...

O Relvas mostrou que tem testículos "rojos". Não teve medo de enfrentar os Senhorezinhos Feudais. As Juntas de Frequesia podem não consumir muito, mas são mais uma fonte de poder feudal e com pouco valor para o cidadão que não trafica.

As Juntas de Freguesia servem para ajudar ás festinhas locais e para tratar dos cemitérios.

Trabalhem mais, e falem menos.

Anónimo disse...

http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?id_news=545916

AntiSecPT ataca site do PS e aponta o dedo a José Sócrates

O site oficial do Partido Socialista foi atacado, este domingo, por piratas informáticos, que substituíram a primeira página do site por uma outra, assinado pelo grupo de hackers português AntiSecPT.

Na página adulterada, o grupo de hackers publica ainda um foto do ex-primeiro-ministro José Sócrates, seguida de um extracto de uma conta do BNC sedeada nas Ilhas Caimão, em nome de «Medes Holdings LCC», que o grupo diz ser a empresa offshore da família Sócrates.

«Esta empresa - garante ainda o AntiSecPT - movimenta mais de 300 milhões de euros em offshore e já foi denunciada ao Ministério Público», denuncia o grupo.

Anónimo disse...

O BNC é o actual Banco Popular. O Banco Popular é o banco do Amorim e da Opus. Parece que é também o banco dos Off-Shócrates.

Anónimo disse...

O Tugaleaks hoje presta homenagem a outro grande expoente da informação livre. O leak vem do Scribd do Bar do Alcides, e mostra as fortunas movimentadas pela empresa da família de José Sócrates numa Off-Shore “escondida” até há bem pouco tempo.

Esta empresa movimenta mais de 300 milhões de euros em offshore e já foi denunciada ao Ministério Público.
Os media, como sempre, tiveram meia verdade dita cá para fora. Faltou realmente o nome da empresa… e, aqui é que o Scribd do Bar do Alcides entra.

Este link contém mais de 30 documentos desta empresa. No documento ilustrado abaixo, vemos a quantia avultada de compra e venda de ações.

http://www.tugaleaks.com/medesholdings.html

Anónimo disse...

Esta pessoa que passou tantos anos como primeiro-ministro da nossa nação, e pediu tantos sacrifícios e tantos PEC’s para aprovar, hoje tem a familia envolvida em esquemas pouco dignos como primeiro-ministro.

Será que os Portugueses teriam escolhido diferente se tivessem acesso a este simples fato? Será que teríamos feito os sacrifícios como nação que fizemos, para suportar quem por fora faz pior e ganha mais, bem mais, do que a maoria dos Portugueses?

E foi assim que se governou Portugal.

PS: o Tugaleaks sabe que isto já é de domínio público há algum tempo, no entanto tanto o nome da empresa como os documentos nunca foram mencionados em mainstream media e existem pessoas que pura e simplesmente desconhecem este assunto.

http://www.tugaleaks.com/medesholdings.html

Anónimo disse...

Nos termos e para os efeitos do estabelecido no art. 17º do Código dos Valores Mobiliários,
vem esta Sociedade informar ter recebido da accionista Medes Holdings LLC uma informação,
em aditamento à veiculada ao mercado através do sistema de difusão de informação da CMVM
em 4 de Maio passado, segundo a qual a referida sociedade norte-americana é controlada pelo
Senhor Celestino Júlio Coelho Monteiro ao qual é imputável a participação de 8,9% dos direitos
de voto da Imobiliária Construtora Grão-Pará, SA.

http://web3.cmvm.pt/sdi2004/emitentes/docs/PQ2744.pdf

Anónimo disse...

Se a crise portuguesa não é da responsabilidade do Sarkozy e da Merkel então diz lá de quem é.Queremos saber.Sabes mas não queres dizer.O Safado tem a tua protecção?

Anónimo disse...

Mas esse Verde não devia estar na cadeia?

Anónimo disse...

Parece que o exilado de Paris é que deveria estar na cadeia.

Anónimo disse...

Diretor de Agrupamento
é professor há mais de 25 anos sem licenciatura e sem bacharelato, no entanto tem feito carreira como LICENCIADO para o ENSINO da Matemática e Ciências Naturais.
Isto passa-se na cidade da Régua.

Afinal não é só o Sócrates que tem o direito de usufruir de regalias de licenciado, embora haja dúvidas.
Sobre o tal diretor não há dúvidas nenhumas. A universidade já o declarou ao tribunal, no entanto aquele senhor continua a exercer o cargo de Diretor.

Anónimo disse...

Dúvidas sobre o diploma falso do Sócrates?
Quem tem dúvidas? Os esbirros dele?
É só ler o livro escrito pelo autor deste blogue.Está lá tudo.
Vejam mas é como o Sócrates adquiriu aquelas centenas de milhões.Só declarava o ordenado.
As Cândidas e os Pintos são um tampão que trava a justiça.
Acabem com estes testas-de-ferro do sucialismo e vão ver as escandaleiras que por aí rebentam que nem cogumelos.

Anónimo disse...

Parece que o Prof. Marcelo disse que o fim do Exilado Sócrates começou na Internet num blog Portugal Profundo.

Anónimo disse...

Um dos mais caninos Sócretinos, vai-se.

http://economico.sapo.pt/noticias/presidente-do-iefp-afastado-do-cargo_132985.html

Presidente do IEFP afastado do cargo

O actual presidente do Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP), Francisco Madelino será exonerado do cargo, apurou o Económico.

O nome apontado para o substituir é Octávio Oliveira, que já integra os quadros do Instituto.

A informação já seguiu para o Conselho Económico e Social, e os parceiros têm agora dez dias para se pronunciarem sobre os nomes escolhidos pelo Governo para integrar o novo conselho directivo do IEFP.

A substituição da direcção do IEFP prende-se com a "procura de dinamizar a instituição", disse ao Económico fonte oficial ligada ao processo.

Anónimo disse...

O Prof. Marcelo é um pobre de Cristo.

Diz hoje uma coisa e amanhã diz o seu contrário.

O Prof. Karamba não faria melhor...

Anónimo disse...

Quem é que pode dar crédito a um trafulha, como esse Verde da Silva?

Ferreira, Luís Manuel Silva disse...

O Sócrates já lá vai, deixem-no estar la para Paris a fazer o que nunca fez, estudar e que compreenda e aprecie melhor os professores.
Agora temos de nos preocupar com este governo que todos os dias está a anunciar cortes, menos direitos de quem ainda trabalha e agora até a emigração dos professores, numa verdadeira concretização do neoliberalismo e das medidas que eles ouviram lá no Bilberberg essa grande besta apocalítica que nos quer
condenar à escravatura total.
Continuem a ouvir e apoiar Passos coelho e Paulo Portas e um dia destes estaremos todos à porta das cáritas, não sei é se irá haver sopa para todos.
Eles que emigrem.
Já agora pergunto neste site:
Houve algum país em que um governo fizesse terrorismos destes e depois houvesse crescimento económico? Até agora ninguém me respondeu, por isso não há e esta política só irá causar fome, destruição, violência, desemprego e quem sabe talvez uma guerra.

Sugiro que vão aos sites que se seguem e que leiam com atenção:

http://www.derradeirasgracas.com/3.%20Os%20Sinais%20do%20Apocalipse/1.%20Menu%20dos%20Sinais%2009%20A%20MARCA%20DA%20BESTA%20.htm

e
http://acordem.com/blog/22123//