quinta-feira, 23 de dezembro de 2010

O rigor da verdade e a liberdade poética do «doutor» Manuel Alegre

A afirmação do Prof. Cavaco Silva, em debate eleitoral com o candidato comunista Francisco Lopes, em 21-12-2010, de que se o FMI vier, o Governo «de alguma forma falhou» é uma evidência que nem sequer consente contestação plausível.

Todavia, há sempre quem conteste a lógica,  e introduza premissas absurdas, como o candidato Manuel Alegre, que respondeu, em 22-10-2010, que «todos somos responsáveis, e Cavaco Silva também porque é Presidente da República». A responsabilidade de «todos» neste resultado só pode ser a de muitos, apesar do combate sem trégua, não terem conseguido fazer o suficiente para destronarem Sócrates. A responsabilidade do Prof. Cavaco Silva, à parte o argumento sobre os efeitos a quinze anos da década 1985-1995, extravasa a não exoneração do Governo liderado pelo camarada de partido do candidato Alegre, na Páscoa de 2007?... Alegre defende que Cavaco deveria ter demitido Sócrates?... Ou deveria ter vetado sucessivamente os decretos do Governo no domínio da economia?... Deve ser-lhe perguntado directamente se queria que o Governo fosse demitido. É que, segundo a Constituição, cabe ao Governo a condução da política económica. Além do poder de demissão do Governo e da dissolução da Assembleia da República, e dos discursos, a intervenção do Presidente, num Governo maioritário, ou com apoio à esquerda nas políticas despesistas de assistencialismo e de investimento faraónico, podem atrasar, mas não podem deter a vontade do Governo na área das finanças e da economia.

Por mais que verseje,e glose, Alegre não se desliga de Sócrates. Até na falsidade de tratamento: Sócrates não é engenheiro (nunca foi); e Manuel Alegre nem sequer completou o primeiro ano da licenciatura em Direito, apesar de sempre ter passado, e ser tratado, por doutor, sem que corrigisse imediatamente e sempre, como era sua obrigação. Foi Alegre como a pescada: antes de ser, já o era. Doutor.


Pós-Texto 1 (23:57 de 23-12-2010):  Novas Oportunidades
Corrijo: afinal, Manuel Alegre é Doutor. Alegre, tornou-se «doutor honoris causa», em 27-4-2008, pela Universidade de... Argel. O socialismo concede sempre uma Nova Oportunidade. Não é licenciado? Faz-se Doutor, por extenso.


Pós-Texto 2 (15:29 de 29-12-2010): Manuel Alegre tem o 2.º ano do curso de Direito, em Coimbra (faltavam-lhe três para a licenciatura), segundo a notícia da Sábado, de 22-12-2010, «O diploma que não existia», que refere uma carta de Alegre ao cunhado, em 1964, interceptada pela Pide, na qual escreve: «Seria óptimo se ‘arranjassem’ as coisas de modo a que o certificado dissesse ter eu o 3.º ano completo.”»...


Actualização: Este poste foi actualizado e emendado às 23:57 de 23-12-2010.

3 comentários:

Anónimo disse...

Mas o Camarada Manuel Alegre, da Rádio Argel, não é doutor honoris causa pela Universidade Agostinho Neto? Talvez seja.

Alegre é aquilo que nasceu putrefacto em 1974. Parece que nunca terá trabalhado na RDP, no entanto parece que tem uma Reforma. E parece que é tudo legal. Alegre esteve sempre ao lado do Camarada Mário Soares, mesmo contra Salgado Zenha, apesar de agora ser apoiado pelos ex-GIS, Sampaio e compagnon de route.

Alegre é o "aristocrata" de Esquerda, tal como Louçã é o "barão" da Esquerda caviar. Esquerda esta que gosta muito do debate e das ideias, mas que nada tem contribuído para a riqueza da nação. Que raio de aristocracia portuguesa, que gosta de caçar e de viajar pela Highway 66!

Fim de ciclo. 1973 revisited.

José Ferrão disse...

Diz a formiga ao elefante, atravessando a savana:
Olha-me só a poeira que andamos a levantar ... !!!

Joaquim disse...

Cada povo só tem aquilo que merece, provávelmente não merecemos mais nem melhor, sabemos bem chorar , lamentar, atirar as culpas à crise, não sabemos fabricar nem escolher os líderes, e enquanto não houver bons líderes não vamos a lado nenhum, vamos sim para o fundo.!!!