quarta-feira, 12 de fevereiro de 2020

Tancos (8)

O mais estranho do caso de furto do armamento dos paióis de Tancos é não ter havido, que se saiba, inquérito ordenado pelo Conselho Superior de Magistratura ao alegado facto de o juiz Ivo Rosa ter «negado vigilâncias e escutas a suspeitos que o MP tinha pedido» (DN, 26-9-2019), cerca de três meses antes do furto.

A informação das polícias e do Ministério Público (MP) era de que se preparava o roubo de armamento de paióis militares e que, por isso, deveriam ser feitas escutas aos suspeitos. Com as escutas aos suspeitos não se preveniria o furto, a comoção nacional, o embaraço internacional, e todos os problemas decorrentes do furto posterior?!... É que se os rockets, os explosivos e as granadas, furtados tivessem sido encaminhados para grupos terroristas e utilizados, poderiam provocar milhares de mortos?!...

O armamento furtado dos paióis de Tancos, em 27-6-2017, cuja lista, fornecida às forças antiterroristas espanholas por Portugal, foi filtrada pelos serviços secretos de nuestros hermanos para o jornal El Español, que a publicou em 2-7-2017, tinha uma capacidade letal tremenda:



Limitação de responsabilidade (disclaimer): As entidades mencionadas nos postes das notícias que comento, não são suspeitas ou arguidas do cometimento de qualquer ilegalidade ou irregularidade no processo de Tancos.

1 comentário:

Bmonteiro disse...

Gabo-lhe a pachorra. Tal como a minha, para andar ainda ás voltas com isto.
O coronel Gil Prata tem explicado a anomia dos intervenientes, passando pela PJ nacional e pela PGR.
Da PJM, abstenho-me agora.
Das razões de fundo, fica aqui uma: um exército cristalizado, quando os paióis de Tancos deviam ter sido encerrados em 2004 com o fim do SMO.
Um ministério da Defesa e Forças Armadas de fazer de conta.
Um MDN que serve basicamente para enriquecer os CV dos seus ocupantes.
Como diria o Medina Carreira do Portugal à Deriva...umas FA à deriva.
Destino das 'corporações' do Regime,
quando deputados, ministros & ajudantes, e mesmo PM, navegam sem qq ideia de um País e das realidades em mudança. Culpados: Passos Coelho ontem, Centeno hoje.