sexta-feira, 27 de setembro de 2019

Devoções para ocasiões emergentes

“Apresento aos senhores um novo Brasil, que ressurge depois de estar à beira do socialismo. (...) Meu país esteve muito próximo do socialismo, o que nos colocou numa situação de corrupção generalizada, grave recessão econômica, altas taxas de criminalidade e de ataques ininterruptos aos valores familiares e religiosos que formam nossas tradições.”

Recomendo a audição do discurso completo do Presidente brasileiro na abertura da sessão anual da Assembleia Geral da ONU. É muito útil ver a postura corajosa e ouvir o tom desassombrado. A diferença face à pusilanimidade da pseudo-direita portuguesa, mais ou menos envolvida com a corrupção e os valores e políticas socialistas, é brutal.

Em contraste, nesse mesmo dia e local, o Presidente português, Marcelo Rebelo de Sousa, no seu discurso, reclama o multilateralismo, mas louva o globalismo e o catastrofismo climático do marxismo totalitário e escatológico. Saúda Angola, mas omite o Brasil (!?...), cujo novo governo critica indireta mas abundantemente. Torce o desejável multilateralismo para um globalismo totalitário em que todos devem seguir a cartilha do catastrofismo climático e conformar-se perante o relativismo socialista, um pseudo-humanismo que tolera a exceção islâmica da escravatura feminina. Lança uma espécie de patriotismo globalista, no qual ser patriota é ceder alegremente aos interesses dos outros, com prejuízo dos deserdados das periferias e do campo que têm de pagar as faturas bilionárias da boa consciência dos citadinos globais que os desprezam. Cita John Donne, que nenhum homem é uma ilha, mas, nessa mesma meditação XVII, o poeta católico também aí pergunta: “Who bends not his ear to any bell which upon any occasion rings?”. E a ocasião é o socialismo relativista que aplaude cinicamente qualquer adesão patética, para juntar ao rol dos colaboracionistas eventuais.

O mundo continuou, e continuará, para além dos prazos dos profetas catastrofistas. As alterações climáticas, em que uma parte é man-made, que preocupam justamente, não têm o impacto geofísico e humano do apocalipse, nem a fraude política das promessas vãs do Acordo de Paris qualquer efeito significativo - ver Bjorn Lomborg (quando um convite para uma conferência em Portugal?) -  senão o carro da música do neomarxismo ambiental que custa biliões de euros a Estados à beira da falência e transfere recursos para as plutocracias de ideologia oficial socialista. Enquanto inflamam os gilet jaunes com aumentos brutais do gasóleo e de impostos para satisfazer o delírio do Armagedão.

A pulsão da corrupção é constante na política, mas a adesão das cliques no poder no PSD e no CDS ao totalitarismo politicamente correto do relativismo nos costumes e da via socialista na economia não é apenas comercial. É íntima.

Contudo, tal como nos outros países, em Portugal, o povo da direita não quer balbúrdia nos costumes, nem ócio, nem crimes de corrupção e nas ruas. Contudo, face a cobardia dos representantes liberais, que seguem as políticas socialistas enquanto fazem os seus negócios com o Estado, o povo não pode admirar-se com a maioria marxista de dois terços no próximo Parlamento...

6 comentários:

Anónimo disse...

A ditadura fascista em Portugal foi uma ignomínia. Um absurdo existencial porque considero ser completamente inamissível que se prenda alguém só porque ele discorda de nós. O que o fascismo de Salazar fez foi instaurar uma ditadura, com uma polícia política (a PIDE) que tinha milhares de bufos (alguns a quem pagava) que denunciavam os democratas que eram contra o regime.
Na ditadura salazarista havia o partido único, controlado por Salazar, não havia eleições democráticas (os presidentes das Câmaras eram escolhidos pelo regime), as mulheres não tinham direitos, não havia um serviço nacional de saúde, a greve era proibida, havia quase dois milhões de portugueses analfabetos…

Anónimo disse...

Para o Anónimo das 18:53, de outro Anónimo:
Deixe-se de tangas. Só ignorantes poderão acreditar nas suas frases.

Anónimo disse...

Temos ali a democracia venezuelana com bufos em todo o lado, execuções sumárias, presos políticos, fome, miséria, doença, criminalidade que é um brinquinho e um paraíso perante o "tal fascismo" da esquerdalha estalinista.

Anónimo disse...

Rui Rio poderia ganhar as eleições e, assim, mandar o Costa para o estaleiro. Porém e infelizmente não o vai conseguir por culpa única e exclusiva dum tal Passos Coelho, hoje insigne catedrático de pacotilha. Por causa deste individuo o PSD foi arredado de disputar o poder durante mais 10 anos. O povo não esqueceu nem pode esquecer a forma como tratou os portugueses e outros órgãos de soberania, v.g o Tribunal Constitucional. E isto sem prejuízo de se entender que era necessário equilibrar as contas públicas. Porém, há "modus faciendi" para se operar sem ser à cacetada traduzida no "para além da Troyka".

A Mim Me Parece disse...

Por ser como dizes, ó inteligência anónima das 23:03, é que o PSD liderado por esse odiado Passos Coelho, ganhou em 2015 as eleições para a Assembleia Nacional. Calado és um filósofo.

Anónimo disse...

https://www.jn.pt/nacional/morreu-freitas-do-amaral-11366347.html

Merecia um post seu, Prof. Caldeira.