terça-feira, 31 de maio de 2011

Vitória do PS => bancarrota do Estado => bancarrota das famílias e das empresas

O País precisa de que lhe digam - para que finalmente oiça - que é muito difícil evitar a bancarrota do Estado, que a bancarrota do Estado português implica a bancarrota de uma grande parte das famílias portuguesas e das empresas e que votar Sócrates provocará a bancarrota do Estado em menos de dois anos. O registo financeiro dos dois governos Sócrates permite concluir que a vitória do PS terá essa consequência.

Portanto, de uma forma simples (e muito complicado para os portugueses...): vitória do PS de Sócrates nas eleições de 2011 = bancarrota do Estado = bancarrota das famílias e das empresas (o Blogger não me deixa substitui o símbolo de «igual» por «implica»).

A contingência da bancarrota não tem sido explicada aos portugueses, em nome de um presumido sentido de Estado - aquilo que, supostamente, têm de mostrar os candidatos para agradar ao eleitorado e que consiste, grosso modo, em não atacar o Governo... Mas quem sabe do perigo faria melhor informar e prevenir os portugueses para o desastre nacional de uma vitória do PS nas eleições de 5 de Junho de 2011.

Explico:
  1. Por baixo que ainda seja o serviço da dívida (juros e amortizações), tende a crescer aceleradamente;
  2. Não é possível sustentar juros de 11,85% (taxa de juro das obrigações do Estado português a três anos, na tarde de 30-5-2011) com taxas de crescimento do PIB negativas, ou de 1% como na última década.
  3. A dívida é muito maior do que o Governo socialista admite e crescerá exponencialmente com a incorporação das parcerias público-privadas das novas auto-estradas e TGV, que a esperança média de vida de um governo socialista previa que fossem os outros a pagar.
  4. Tal como a Grécia em apenas 12 meses, podemos ver-nos em cerca de ano e meio na contingência de termos já dispendido o equivalente ao pacote financeiro da União Europeia/FMI para três anos.
  5. A Alemanha e a França já admitem a bancarrota do Estado grego - seja por dilatação dos prazos de pagamento dos empréstimos junto dos investidores privados, seja por redução dos montantes a pagar (o chamado haircut - «corte de cabelo») - e parecem pouco disponíveis para novo empréstimo. Da mesma forma, nessa circunstância, admitirão a bancarrota do Estado português.
  6. A bancarrota do Estado português - seja por moratória nos pagamentos, dilacção dos pagamentos ou corte de cabelo mais ou menos à escovinha - implica a supressão de crédito privado do Estado,  a um programa draconiano do FMI (ainda mais duro) e obriga o País a uma competitividade imediata dos seus produtos.
  7. Sem crédito e sem tempo, a competitividade do País só se alcançará com a desvalorização imediata da moeda, o que implica a saída do euro.
  8. A saída do euro e o retorno à moeda nacional implicará que o novo escudo se desvalorizará e depreciará em 50% do valor numa semana (como na Argentina, depois da dolarização).
  9. A flutuação, e depreciação, da moeda face ao euro provoca o aumento para o dobro das dívidas então em escudos das famílias e das empresas, para lá dos bancos.
  10. A recuperação, num País em que a agricultura vale 2% do PIB, em que 3/4 dos solos têm uma aptidão exclusivamente florestal, que é deficitário em quase todos os produtos alimentares (salvo o vinho...), que tem um rácio de cobertura das importações pelas exportações de 65% (em 2010), será extremamente penosa e muito longa.

Não será melhor ao eleitor não votar PS e, assim, ter uma oportunidade de evitar a própria ruína financeira?!...

18 comentários:

Anónimo disse...

Qual quê?!

Num país em que as figuras principais dão pelo nome de, Luís Filipe Vieira, Valentim Loureiro, Pinto da Costa, Fátima Felgueiras, Joe Berardo, Sousa Cintra ou Armando Vara, esse discurso está completamente desfasado.

Temos a maior rede de auto-estradas do mundo, em relação ao território.

76% dos portugueses têm casa própria.

A grande maioria dos portugueses faz férias fora de casa, e uma parte significativa, fora do país.

Há mais de um automóvel por cada adulto português.

Temos dos maiores e mais novos estádios de futebol do mundo.

Falar em leite? Falar em trigo? Falar em carne de vaca? Para quê? Vai-se buscar ao Continente e ao Pingo Doce. Para que é necesário produzir? Compramos, já feito.

Este é o verdadeiro retrato da nação. E não é só a população que assim pensa. As chamadas élites, da Justiça, do Ensino, do Empresariado, da Banca, todos pensam que é assim.

É o fado!

O dito "Engenheiro" é um excelente representante do Tuga, essa espécie maldita que quer acabar com tudo o que é português. O Tuga gosta muito de andar na A1 a 180 km/hora, vai para Punta Cana, toma o pequeno almoço na pastelaria lá do bairro, gosta muito de futebol e dumas minis.

Ferreira, Luís Manuel Silva disse...

Quanto a mim, com o PS ou com a direita a bancarrota irá acontecer. A direita pode até conseguir evitar a bancarrota dos bancos, das grandes empresas ou até do Estado, mas não evitará, aliás até promoverá a bancarrota das pequenas empresas e das famílias.
Com o que aí bem, teremos que nos consciencializar que muitos de nós iremos para o desemprego e mais depressa do que pensamos, iremos passar fome, morrer de doença, porque não teremos dinheiro para a pagar.
O PSD pode livrar o Estado e a banca da falência, o que não aocntecerá com o PS, mas a verdade é que em breve assinará o nosso despedimento, a nossa miséria, a nossa miséria e a nossa fome.
Por demérito destes governos socialistas, a direita irá ganhar domingo. Finalmente, irá conseguir o que sempre quis, um governo, uma maioria e um presidente. Finalmente e aprovietando este momento difícil que o país atravessa, a direita irá fazer o ajuste de contas final com o 25 de Abril.
No passado, tinha ouvido de alguns militantes do PSD e do CDS que o 25 de Abril foi um erro, porque a democracia já estava. Por isso, será a democracia que já estava irá voltar, eleições nunca mais ou só para alguns e manipuladas para ver se ganham sempre os mesmos.
Pessoas que como eu tinham quatro anos quando se deu o 25 de abril e que apesar de ser filho de pessoas pobres, simples e humildes e portador de uma deficiência, consegui tirar uma licenciatura, ser professor e entrar num mestrado, além de ter sido pequeno empresário e de ser escritor, iremos agora ser alvo da vingança de uma direita enfurecida com a democracia, a ascenção da esquerda e a ascenção social de pessoas como eu que trabalhámos, mas que se não fosse o 25 de Abril nunca teriam conseguido nada ou pelo menos seria mais difícil.
Eu por mim já sei o que me espera e como eu milhões de portugueses. É claro que o PS foi o desastre que foi, mas não espero melhor de outro partido, muito menos do PSD, um partido neoliberal que irá privatizar tudo e colocar tudo a pagar bem caro.
A partir de dia 6, só os ricos é que irão ter acesso à saúde, à educação, a uma alimentação e habitação condignas, os outros, os pobres e os mais fracos irão morrer aí pelos cantos ou ser objecto de caridade para galanteio social de alguns que se julgam bons.
www.daescritaaleitura.blogspot.com

Mani Pulite disse...

NÃO SEJAMOS OPTIMISTAS.DOIS ANOS?COM SÓCRATES A BANCARROTA É CERTA NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2012.DIZ QUE VAI CUMPRIR O ACORDO COM A TROIKA.SE O MENTIROSO O AFIRMA PODEMOS TER A CERTEZA QUE NÃO O FARÁ. ISSO SERÁ ÓBVIO EM FINAIS DE 2011.NOS PRIMEIROS MESES DE 2012 O DINHEIRO INICIAL DOS EMPRÉSTIMOS ACABA,NÃO HAVERÁ MAIS TRANCHES E A RUPTURA FINANCEIRA,A BANCARROTA,TORNA-SE INEVITÁVEL.A ÚNICA MANEIRA SEGURA DE NOS LIVRARMOS DE UMA VEZ POR TODAS DE SÓCRATES E CONSEGUIRMOS EVITAR A BANCARROTA,A SAÍDA DO EURO E A POBREZA GENERALIZADA DOS PORTUGUESES É VOTAR NO PSD.

CS disse...

A ameaça de que “não haveria dinheiro para pagar aos funcionários” constitui uma falácia com o objectivo claro de provocar receios generalizados entre os cidadãos e preparar assim terreno para a aceitação dócil das medidas impostas pela Troika. A execução orçamental decorria normalmente, gaba-se até o governo de que na execução orçamental do primeiro trimestre do ano, as receitas ultrapassam as previsões e as despesas reduziram-se mais do que o previsto, o que comprova não ter sentido o cenário de “falta de pagamento aos funcionários”. O que estava realmente em causa, ao contrário, era a ruptura do esquema de Ponzi seguido até aqui, isto é, a emissão de dívida para pagar dívida anterior. A nova emissão de dívida já não encontrava compradores mesmo a juros insuportáveis. Em Junho, Portugal teria que pagar a instituições financeiras internacionais, em pagamentos de dívida antiga, 5.000 milhões de euros. Era esta dívida que estava em risco de ser quebrada, isto é, estava em risco de não ser paga, aquilo que em linguagem corrente se chama a entrada de um país em “bancarrota” que tanta e justificada preocupação causa às instituições financeiras credoras. A “ajuda” tão apressada da Troika visa proporcionar as verbas necessárias ao calendário do pagamento das dívidas às instituições financeiras internacionais. É um dinheiro que não sairá dos cofres das instituições financeiras, sendo apenas sujeito a “operações financeiras de registo de propriedade”. É um dinheiro que não entra em circulação na sociedade (a verba de 12.000 milhões a fornecer à Banca nacional visa igualmente assegurar que esta pague a tempo e horas as dívidas contraídas à Banca internacional), e assim não gerará qualquer riqueza ou progresso económico. Contudo, serão os portugueses que do seu bolso terão que pagar esta nova dívida de 78.000 milhões de euros, com redobrados sacrifícios e uma vida cada vez mais miserável.

Caboclo disse...

É preciso ser muito estupido para apoiar a esquerda portuguesa ..êta esquerda retrógrada...
O resultado da longa noite socialista de quase 40 anos é a falência ..a perda de dignidade ..falsas ilusões como a deste professor Luis Ferreira .
Este povo embarcou na canção do bandido ..e agora só vêm um muro na frente..
Depois raivosos atiram a culpa para quem esteve longe de todas as decisões nos ultimos 40 anos ..
Ainda vêm dizer que a culpa é dos outros .Votaram na corja agora aguentem firme.

O que será que ensinam estes professores que não vêem bem ?pobres crianças ..

Há uns dias uma amiga disse-me que uma das pessoas que mais a influenciaram na sua formação foi saramago ..Disse-lhe que isso era das piores coisas que pode acontecer a um ser humano .
Os saramagos da vida andaram a fazer a cabeça do pretensos intelectuais .. e o resultado está à vista !
Escárnio por qualquer tipo de espiritualidade..falta de valores ..criação de bodes expiatórios .
Agora é a direita ..o bode expiatório ..a direita que esteve longe de todas as decisões no nosso país ..agora é que é a culpada e vai destruir os pequenos ..etc etc etc .

Quem destruiu os pequenos foi a esquerda com as autorizações de abertura de N mega shoppings que trataram de destruir todo o comércio tradicional e com ele toda uma industria a montante .
As politicas de esquerda destruiram todo o tecido produtivo ..colocando todo o tipo de entraves as atividades produtivas !!
Agora ? agora olha ..aguenta firme e de cara alegre ..semeaste ? agora colhe ! Não gostas do que colhes ? paciencia ..aguenta-te à bronca !
Colhes tempestades ? Quem te mandou semear ventos ?
Queres borrasca ? queres tempestade ? queres fome ? vota na esquerda ..
Depois é muito simples ..acusas a direita!!

Anónimo disse...

Estes acreditaram no Socialismo Biscate, e estão a penar.
-------------------------------
http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?section_id=13&id_news=513438

Milhares de recenseadores do Censos ainda não receberam

As tarefas dos 23 mil recenseadores envolvidos na operação Censos 2011 acabaram há mais de um mês, mas cerca de 25 por cento ainda não recebeu o ordenado porque o seu trabalho está a ser avaliado.
Em declarações à agência Lusa, fonte do serviço de comunicação e imagem do Instituto Nacional de Estatística (INE) garantiu que todas as pessoas que trabalharam para o Censos 2011 vão ser pagas “até ao final da primeira quinzena de Junho”.

Até ao momento foi pago cerca de 75 por cento do trabalho realizado no terreno, que terminou a 25 de Abril: “Os recenseadores, como, aliás, aos restantes entrevistadores do INE, são pagos, nos termos dos respectivos contratos, de acordo com o trabalho feito, em termos de quantidade e qualidade. Portanto, só após verificação do trabalho entregue se procede ao seu pagamento. Assim, neste momento já estão pagos cerca de 75 por cento dos trabalhos de campo”.

Carlos Maduro disse...

Sinceramente não quero ser tão pessimista e quero acreditar que um governo sério torne sérios os portugueses.
Não me preocupa nem de longe esse monstro da saúde, pelo simples facto de que não acredito que se deixem morrer seres humanos sem apoio na saúde, se tal acontecesse, isto seria a selva e teria de investir em caçadeiras.
Sinceramente gostaria era de falar de bicicletas, ver o meu espelho e o da Alemanha, por exemplo. Imaginar uma Av. dos Aliados plena de bicicletas reles, assim como Frankfurt, por exemplo. Estão a imaginar uma avenida da lusitânia como uma rua de Frankfurt, sim, aqueles que nos emprestam o cacau? Conseguem?
Então vamos ser pessimistas com o bicho papão da saúde quando na Foz circulam dezenas e dezenas de biclas que andam na ordem dos cinco mil euros e mais? Notem, falo só de duas rodas, ainda há os outros veículos, de duas e não só.É só preciso ter calma, desejar que venha alguém com muita coisa no sítio e não ser pessimista, basta começar pelas bicicletas.

Anónimo disse...

Ajuda externa: Académico admite 2º resgate como na Grécia

O economista e professor do ISEG Jorge Landeiro de Vaz prevê que o Estado português vai ter de pedir um novo empréstimo internacional e que, «daqui a um ano», Portugal «vai estar na situação da Grécia».


O professor do Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG) considera, em declarações à agência Lusa, que Portugal é um país «doente», que padece de «três cancros», que identifica com bolhas no imobiliário, dívida soberana e parcerias público-privadas.


«O doente precisa de tratar desses cancros e depois precisa de ganhar saúde», defende Landeiro de Vaz, alertando que o programa da 'troika' (Fundo Monetário Internacional, Banco Central Europeu e Comissão Europeia) para Portugal «trata o doente, pretende pôr o doente bom, mas não ataca verdadeiramente os problemas, que são de uma gravidade muito grande».

Diário Digital / Lusa

http://diariodigital.sapo.pt/dinheiro_digital/news.asp?id_news=159685

Anónimo disse...

Ahahahahahaha!
Ahahahahaha!

Já não me ria assim há muito tempo.
Obrigado,camarada Luis.

Mani Pulite disse...

A ÚNICA CERTEZA QUE TEMOS É QUE COM SÓCRATES A BANCARROTA É CERTA.SÓ NÃO ACONTECEU PORQUE FOI FORÇADO PELA OPOSIÇÃO A PEDIR A AJUDA EXTERNA COM O CHUMBO DO PEC IV.DE RESTO A MARGEM É MUITO ESTREITA PARA UM GOVERNO NÃO SOCIALISTA QUE HERDA ESTE DESCALABRO.NOGUEIRA LEITE JÁ ADMITIU QUE PORTUGAL VENHA A TER DE RENEGOCIAR A DIVIDA MESMO SE TAL NÃO É DESEJÁVEL.MAS NEM TUDO O QUE NÃO É DESEJÁVEL É POSSÍVEL.

Anónimo disse...

Esquerda e direita são o quê, hoje em dia?
A direita apoia as medidas da troika. A esquerda quer a renegociação da dívida desde já. O ponto, porém, é este: como se chegou aqui? Onde estão os principais responsáveis? A maioria está nos dois grandes partidos. O PSD promete renovação interna sem o dizer abertamente e isso é bom. Vistas as coisas, a derrota do PS é um bom pretexto para a renovação deste. Até lá, porém, é, obviamente, o «vamos ganhar».

Toupeira disse...

O Hospital de Vila Franca de Xira já foi entregue ao Grupo Mello.
Sócrates grita nos comícios que não, mas fala baixo ou silencia o que diz que os outros vão fazer.

Toupeira disse...

http://www.construir.pt/2011/04/15/tribunal-de-contas-da-luz-verde-para-novo-hospital-de-vila-franca-de-xira/

Anónimo disse...

Se a direita ganhar, vai haver muita fome e precariedade.

Quem não for rico, não terá acesso à saúde, educação superior, justiça,...

Será espremer o Zé Povinho até ao tutano. Lembrem-se que há uns tempos atrás já se falava na direita em alterar a constituição para retirar o "tendencialmente gratuito" da saúde.

O objectivo da direita é preparar o terreno para a tirania dos grandes grupos económicos.

Aguardem...

Anónimo disse...

Fui dar uma volta a pé no Passeio Marítimo de Oeiras e Carcavelos pelas 21:00H, pois com toda a crise aqui mencionada os estacionamentos das praias de Carcavelos e Oeiras estavam completamente a abarrotar, os restaurantes aí existentes cheios de gente, carros e mais carros...e estamos numa quarta feira de Junho, dia de trabalho....será que existe um estado de loucura colectivo? Andamos todos malucos a gastar o quê? Eu janto em casa....naqueles restaurantes é impossivel jantar por menos de 12 a 15 euros por cabeça....eexistem muitos ricos? ou loucos? Não sei ...eu também fico de boca aberta...

Anónimo disse...

Cuidado com a direita!
Esse papão.
O PS e o PSD ocupam o mesmo espaço ideológico,a social democracia,mas um é de esquerda e o outro é fássista.
A esquerda boa é a dos partidos comunistas que matam e torturam,que prendem sem culpa formada,dos Gulags,das Revoluções Culturais.
Cuidado com a direita!
A direita do PSD,cujos partidos irmãos levaram os países nórdicos à miséria.Felizmente para eles que Portugal governado pelos socialistas,a esquerda,lhe vai emprestando dinheiro.

Esta gente ainda acredita nestas patranhas ou são os avençados a "picar"?

Regina Figueiredo disse...

A ideia que a direita põe todos a passar fome é tão ridícula, quanto o é um cidadão português nunca ter lido a Constituição da República Portuguesa. Se por acaso tivessem oportunidade de ler as propostas de revisão constituicional (k infelizmente não ocorreram devido ao momento dificil k conhecemos)dos vários partidos, puderiam constatar que a visão de esquerda, posta em prática seria a forma mais eficáz de passarmos todos rapidamente pro limiar da pobreza. Então num momento em que o Estado está na bancarrota, não é que o PCP propunha um subsidio único para TODAS as famílias!!?? Educação SEMPRE gratuita! Saúde PARA TODOS gratuita!! E de onde viria o dinheiro? Talvez do ourinho que o salazar tão criticado, amealhou, e que agora já não existe!

Anónimo disse...

saturado!!!! Esquerda, Direita, bla, bla.... A verdade é qualquer que seja o quadrante politico que ganhe as eleições o futuro será sempre negro! Não existe, politico em Portugal seja capaz de tirar o país da situação que se encontra, e o povo também não ajuda...porque lembrem-se não é só o estado que esta endividado!!! As familias também estão!!! Criticamos os politicos e bem pela situação, mas não olhamos para nos, que deixamos isto acontecer, sem pedir responsabilidade. Como se costume dizer, politica, religião e futebol não vale a pena discutir porque as pessoas não conseguem ser isentas.