domingo, 20 de fevereiro de 2011

Os truques de Sócrates e o custo do dinheiro da União Europeia

O presidente do Banco Central Europeu (BCE) insinuou falta de rigor e de ética do Governo português, numa conferência de imprensa, ontem, em Paris. Analiso, juntando ainda as declarações de Olli Rehn e Durão Barroso.

 
A Reuters noticiou que, perguntado, na conferência de imprensa de ontem, 19-2-2011, na cimeira de ministros das finanças do G20 (grupo dos vinte países mais ricos do mundo), sobre se Portugal seria o próximo país da Zona Euro a recorrer ao socorro financeiro do Fundo Europeu de Estabilização Financeira/FMI, o presidente do BCE, o francês Jean-Claude Trichet, disse:
«Apelamos a todos os governos, sem qualquer excepção, em primeiro lugar para aplicarem o plano que têm... tão rigorosamente, convincentemente e eticamente, quanto possível, e têm, eles próprios de estar na parte da frente da curva [dos indicadores] em todas as matérias. (...) Esta é outra vez uma mensagem para Portugal, uma muito forte mensagem para Portugal e para outros. São os próprios países que têm de ser convincentes na apresentação da sua situação ao mercado.» (Tradução e realce meus)
Na mesma conferência de imprensa, o comissário europeu dos Assuntos Monetários, o finlandês Olli Rehn, disse que
«É essencial que Portugal mantenha os seus objectivos orçamentais... Mais ainda, é essencial que Portugal dê substância às reformas estruturais que foram inicialmente anunciadas.» (Tradução minha)
A notícia da Reuters lembra que na sexta-feira, 18-2-2011, o presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, disse numa entrevista à BBC que a União Europeia estava pronta a ajudar Portugal, se o Governo português pedisse e depois do País fazer as reformas necessárias.

 
Volto à declaração de Trichet. É invulgar que a linguagem pública diplomática e económica desça dos eufemismos e das vacuidades, para a dureza das palavras, que ficam normalmente reservadas para os gabinetes. A menção das palavras «rigorosamente» e «eticamente» sugere a sua necessidade e critica a sua falta. Trichet disse num tom genérico o que Alexandre Soares dos Santos disse de forma franca: Sócrates deve deixar-se de «truques» - de que é exemplo a notícia ontem, 19-2-2011, no Expresso, de queda abismal do défice em 58,6% (!!...) em Janeiro de 2011, difundida para conter a subida da taxa de juro nesta semana. Os truques não convencem o mercado financeiro.

 
Por outro lado, as mensagens de Rehn e Barroso são também claras: o Governo português precisa de executar reformas, se quiser receber apoio financeiro da União Europeia. O inevitável socorro financeiro da União Europeia, que será monitorizado pelo FMI (só em 2013 é que a União disporá de um serviço de supervisão financeiro da aplicação dos empréstimos), qualquer que seja a sua modalidade, implicará sempre um novo plano de austeridade, mais violento ainda do que os anteriores, e a execução de reformas económicas muito duras. Portanto, engana-se quem entende que aquilo que Sócrates quer evitar é a vinda do FMI porque, supostamente lhe faria perder a face: Sócrates não tem vergonha e pouco se importa com a sua face. Sócrates sabe que se pedir o socorro financeiro da União não só incorre no falhanço que o Prof. Cavaco Silva indicou, em 21-12-2010, como critério de avaliação, mas também fica obrigado a apresentar imediatamente (para ter acesso ao dinheiro) um plano de austeridade e reformas que terão consequências terríveis na perda de apoio social do seu Governo e tornarão, por isso, ainda mais fácil a sua demissão, a convocação de eleições antecipadas para a Assembleia da República e o seu ostracismo político.

 
Concluo. Descansem, então, os espíritos inquietos com a possibilidade de Sócrates não precisar do socorro financeiro da União e de que, se durasse até 24 de Março de 2011 sem pedir formalmente esse apoio, e intervenção, atravessaria, qual César, a linha do Rubicão, para destruir os seus inimigos, mantendo-se no Governo até final da legislatura e garantindo, depois, nova vitória em Setembro de 2013.  Por dois motivos:
  1. É difícil que Sócrates continue, pelo menos por mais três semanas, até à cimeira informal de 11 de Março e daí até 24 de Março, a beneficiar do custoso apoio financeiro do BCE na compra de obrigações do Estado português para conter a subida da taxa de juro nacional contra a pressão céptica dos mercados.
  2. Qualquer que seja a modalidade do resgate financeiro do País, mais duro ou mais flexível, terá de haver um pedido formal do Governo, o Governo terá de apresentar um plano mais severo de austeridade e reformas económicas que acarretam maior redução do bem-estar imediato.
 
Em qualquer caso, apesar da resistência e das promessas, o Governo Sócrates fica maduro para cair da árvore dos patacos antes do Verão de 2011. E, nesse momento, do nosso lado, sem consentimento de desculpas, se verá a audácia dos combatentes ou a cobardia dos tíbios.


* Imagem picada daqui.

18 comentários:

O Raio disse...

Este artigo é chocante pois cita figuras grandes da UE a acusar o nosso país de sei lá o quê e a tomar essas acusações como boas!
Primeiro ninguém da UE tem moral para acusar os outros seja do que for.
A UE e os seus órgãos são das instituições mais corruptas da UE. Basta dizer que o Tribunal de Contas Europeu há mais de 14 anos que se recusa a certificar as contas da Comissão porque o sistema contabilístico utilizado não permite saber para onde vai o dinheiro!!!
Isto sem falar no imenso mar de gamanço que é o Parlamento Europeu!
E, por fim, ataca-se Portugal e o seu Governo como se eles fossem culpados pela crise em que estamos.
O Governo de Portugal há muito que deixou de o ser pois não tem poderes para governar, para aí 70% ou mais da legislação que todos os anos entra vem vigor já vem de Bruxelas. E de que actualmente somos uma peneira por onde se esvai o dinheiro e que o Governo de nenhuma forma controla.
Além do descalabro que foi a adesão ao Euro, além do descalabro que é termos a Comissão a parir legislação sem o ónus da sua aplicação, temos de aturar estes bandalhos a arrotarem postas de pescada? E, pior, a ver compatriotas nossos babados com elas?

Anónimo disse...

A maior reforma está por fazer e não pode ser este Governo ou outro do mesmo cariz a fazê-la, quer seja do PS ou do PSD.

1. Tirar gordura ao Estado começando muito claramente no topo.

2. Pagar os subsídios através de seguros de colheitas e de quantitativos efectivamente produzidos.

3. Indicar (é diferente de impor) preços de referência de produtos de consumo indispensável a uma qualidade de vida aceitável.

4. Enumerar as mordomias e eliminar algumas que bradam aos céus.

5. Incentivar a agricultura de subsistência na cidade, na vila e na aldeia dando contrapartidas (em quê? Não sei).

Podemos vir a sentir fome verdadeira em muitas famílias e até institucionalmente, a par da existência de outros que vivem com folga e têm o seu direito também.

Isabel disse...

É óbvio que o Governo de Portugal é culpado da "crise em que estamos". Só mesmo os mais fiéis e acríticos seguidores de Sócrates(para o abismo), ainda se reportam à crise internacional para justificar a nossa desgraça.Chega da tibieza que tão bem é apontada no post. E, infelizmente, o termo "tíbio"lembra-me, imediatamente, o líder do PSD. Que saudades da frontalidade da Dr.ª Manuela Ferreira Leite. O espertalhão livrou-se airosamente das duas Manuelas que lhe tolhiam o passo: esta e a da TVI.Sinistro!

Mani Pulite disse...

A DERROTA DE MERKEL EM HAMBURGO TORNA DE TODO IMPOSSÍVEL QUALQUER RÉSTEA DE FLEXIBILIDADE ALEMÃ NAS QUESTÕES QUE DIZEM RESPEITO AOS PERDULÁRIOS IBÉRICOS.OS DESTINOS DE SÓCRATES E SAPATEIRO ESTÃO SELADOS.A ALEMANHA NÃO FINANCIARÁ MAIS O MENTIROSO,TRUQUISTA E ESBANJADOR SÓCRATES QUE VAI TER DE AJOELHAR E MENDIGAR A CURTO PRAZO.

Caboclo disse...

Juro que quase (piii) quando vi o programa da bbc http://aeiou.expresso.pt/durao-barroso-ue-preparada-para-ajudar-portugal=f633114 na altura em que o louça diz que a solução de Portugal passa pelas exportações ...
ahahahahahaha kakakakakakakakakaka

então agora o louça quer exportar ? o quê ? só se fôr cuentros ! forca para o louça ..forca com ele ...
Durante 40 anos da longa noite socialista perseguiram os criadores de riqueza ..os únicos que criam empregos sustentáveis ..os empresários ...os sonhadores ..os que arriscam tudo ..
Perseguiram-nos criando leis demoníacas ..criando regras laborais do tempo do jurássico ..criando todo o tipo de obstáculo ao nascimento e florescimento de empresários ..

Pois fiquem sabendo abestalhados louças e companhia ..para ter nata ( as empresas que exportam ) é preciso ter MUITO leite ( as empresas que não exportam ).
Mas como a luminaria do louça é a antítese deste pensamento ..aí está o resultado da longa noite socialista ..a falencia do estado com o consequente arrastamento do povo para a miséria ..
Sim Toniber ..porque antes do estado falir ..ele arranca todo o couro do desgraçado do cidadão..entendeste toniber ? ou és burro como o Tavares Murteira que só sabe copiar numeros ?

Caboclo disse...

ó raio amarelo ..a minha resposta para ti é o com anterior ..

tu és como o mau aluno que chumba e vai dizer que o professor é doido !!!
kakakakakakakakakakakaka
ahahahahahahahahahahahahahahahahaha

mas achas que alguém se acredita no que escreves ? tu és pago para escrever estas baboseiras ..tu és um esbirro ..não tens vergonha ?

Anónimo disse...

Portugal só tem uma saída: virar as costas à Europa.

portugal só foi grande quando virou o cú para a Europa!

e esta Europa é uma velha prostituta.

Sócrates que mande a boche Merkel encenar operas de Wagner e que mande o franciu do Sarzoky desfilar nas passerele de Paris.

Sair desta merda da Europa é a única saída digna para Portugal!

Caboclo disse...

engraçado este anónimo faz lembrar aquela célebre frase ..

Orgulhosamente sós ...

quem diria ???? ahahahahahahahahah
como estes socialistas toscos são toscos ..afinal são salazaristas ..ahahahahaha kakakakakakakakakaka

Anónimo disse...

Acho este post magnífico.
Passar através de um manto de aldrabices sem perder a noção da verdade.
A Isabel tem toda a razão.
Se o governo não manda nada,porque motivo os socialistas depuseram Santana para lá meterem este serial thief?

O Raio disse...

Isabel escreveu:

"É óbvio que o Governo de Portugal é culpado da "crise em que estamos". Só mesmo os mais fiéis e acríticos seguidores de Sócrates(para o abismo), ainda se reportam à crise internacional para justificar a nossa desgraça."

O Governo de Portugal não é culpado da crise em que estamos porque o dito "Governo" de Portugal já nem sequer tem poder para fazer disparates.
Actualmente o poder para fazer disparates reside principalmente na Comissão Europeia que manda cá para fora muito mais de metade da legislação que entra em vigor, em Portugal e nos restantes Estados Membros.

Eu não sou nem fiel nem acrítico seguidor de Sócrates. Por mim, este Sócrates podia sofrer o mesmo destino do seu homónimo (Σωκράτης) há uns 25 séculos em Atenas, beber um copinho de cicuta...
Principalmente depois da cena triste da aprovação do Tratado de Lisboa, perdi todo o respeito pelo bandalho.
Sobre o Euro, ver, por exemplo:

http://cabalas.blogspot.com/2011/02/desmistificando-o-euro.html

Caboclo escreveu:

"ó raio amarelo ..a minha resposta para ti é o com anterior ..

??? Amarelo? Why?

"tu és como o mau aluno que chumba e vai dizer que o professor é doido !!!"

A incapacidade do Caboclo perceber o trinta e um em que estamos metidos é chocante.

"mas achas que alguém se acredita no que escreves ?"

O problema não é acreditar, eu explico, sempre que me pedem, a razão do que digo.
O problema é perceber se tenho ou não razão.

"tu és pago para escrever estas baboseiras"
???? Pago? Por criticar a UE, o Sócrates, o Mário Soares, o Cavaco e toda a cáfila que nos meteu na UE e no Euro? E criticar também os Passos Coelho que os apoiam...
Se alguém está a exprimir opiniões que agradam ao sistema és tu! Quanto te pagam?


"..tu és um esbirro ..não tens vergonha ?"

Tu é que devias ter vergonha por estares a apoiar aqueles que enterraram o nosso país!

"Orgulhosamente sós ..."

Este Caboclo mostra um total alheamento a tudo e mais alguma coisa.
Primeiro, no tempo de Salazar, Portugal não estava "orgulhosamente só", estava era mal acompanhado...

Depois, agora é que estamos sós, horrivelmente sós, com um Governo desprovido de poderes e nas mãos de Bruxelas, Berlim ou Paris (ou Frankfurt ou Estrasburgo), que podem, fazer de nós o que quiserem sem nem nos podermos defender e sem ninguém a quem, pedir ajuda.
O Caboclo, por acaso sabe que todos os dias, sete dias por semana, cinquenta e duas semanas por ano, mandamos mais de 4 (sim, quatro) milhões de Euros para Bruxelas?

"quem diria ???? ahahahahahahahahah
como estes socialistas toscos são toscos ..afinal são salazaristas"

Ridículo! Eu não sou nem salazarista nem socialista!

Afonso disse...

Na minha opinião o governo de portugal é o complicador.

Afonso Alcântara
http://www.sedivirta.net

+ou- disse...

Caro Raio, não se consuma… há quem ande por aqui por andar, vestindo os seus comentários com a camisola do seu clube (partido) como se de futebol se tratasse e, este, é o nosso grande mal. Olharmos para a política, tão importante para as nossas vidas e dos nossos descendentes, como um mero campeonato "da bola"... é um enorme absurdo e sinal de analfabetismo político, mas, também, a demonstração do nosso ainda grande atraso educacional.
Eu quero lá saber do PS, PSD, BE, etc., etc..., todos eles. Eu quero é que o futuro dos meus filhos seja sólido e rigoroso, logo, isso residirá na solidez do próprio país aonde nasceram e, não por culpa sua.
É nossa responsabilidade o saber o suficiente para, em seu devido tempo e sempre que a tal formos chamados, "indicar" a melhor política a seguir e não este partido ou aquele líder...
Estivéramos numa verdadeira e plena democracia e assim seria. Infelizmente… e cada vez mais, e por nossa culpa e só nossa, o sistema se alicerça como uma “partidocracia”.
Há que mudar de atitude, de uma vez por todas. Andámos nisto há décadas… e o resultado está aí, por demais, patente aos olhos (e bolsos) de todos.
Quem estará ainda interessado “neste campeonato”?!..........

Anónimo disse...

http://sol.sapo.pt/inicio/Politica/Interior.aspx?content_id=12331#Comment

Só mesmo ele.

Anónimo disse...

ri muito ...quase fiz xixi ... com a leitura dos coms do com anterior ..ahahahahaha kakakakakakakakakakakakaka
http://sol.sapo.pt/inicio/Politica/Interior.aspx?content_id=12331#Comment

tive um ataque de riso daqueles que já não tinha há muito tempo ..agora sim as comadres mostram ao que veem ...ahahahahahaha kakakakakakakakakakakaka

Caboclo

O Raio disse...

+ou- escreveu:

"Eu quero lá saber do PS, PSD, BE, etc., etc..., todos eles. Eu quero é que o futuro dos meus filhos seja sólido e rigoroso, logo, isso residirá na solidez do próprio país aonde nasceram e, não por culpa sua."

Exacto!
E temos de começar por identificar a raiz dos problemas: Portugal tem de voltar a ganhar a sua independência! A situação actual é pior do que durante a dinastia Filipina. Mais do que de um novo 25 de Abril, precisamos é de um novo 1º de Dezembro de 1640!
Este tipo de problemas nunca é discutido. A Comunicação Social, perfeitamente amestrada cala-o.
E os políticos também pois sabem que falar nisto é um perfeito suicídio.
Basta lembrarmo-nos do Manuel Monteiro, ex prometedor líder do CDS/PP que por se atrever a levantar dúvidas sobre o Tratado de Maastricht viu toda a sua carreira política aniquilada.
Passarmos o tempo a bater desalmadamente no Sócrates ou no Passos Coelho ou em qualquer outro por ninharias é fazer o jogo dos que aniquilaram o país.
E, para quem coloque em dúvida que a UE e o Euro nos é extremamente prejudicial, é recordarmos o que os euro-entusiastas disseram em 1999 quando aderimos ao Euro e compara-lo com a situação actual. Todas as previsões falharam. Só isto devia ser suficiente para se discutir abertamente o assunto.
Todas as previsões? Não, as do Prof. Ferreira do Amaral que escreveu que o país estava a seguir uma política suicida até não falharam...

Anónimo disse...

"Não, as do Prof. Ferreira do Amaral que escreveu que o país estava a seguir uma política suicida até não falharam..."

Estamos a falar do Prof. João Ferreira do Amaral? É que este Senhor é um dos pais da actual política económica. Nós temos memória, mesmo que tentem apagá-la.

Críticas do Prof. João Ferreira do Amaral ao Euro?

Aliás, o Euro é a salvação de Portugal no curto-prazo. Se não fosse esse guarda-chuva, já não haveria gasolina nas bombas, nem medicamentos nas farmácias.

O problema de portugueses e gregos, foi pensarem que se consegue viver como os alemães e os nórdicos, trabalhando pouco e sendo desorganizado.

O céu vai-lhes cair em cima. Ainda só agora começou.

Anónimo disse...

And in Portugal ? Is this possible?

http://www.tourdeforce360.com/madison_protest/

Caboclo

O Raio disse...

Ao Anónimo:

"Estamos a falar do Prof. João Ferreira do Amaral?"

Estamos.

" É que este Senhor é um dos pais da actual política económica."

??????????? Não entendo. O Prof. João Ferreira do Amaral nunca teve nenhum cargo governativo e as suas opiniões nunca foram seguidas por qualquer governo.

"Aliás, o Euro é a salvação de Portugal no curto-prazo."

?????? Certamente que não! Desde que aderimos ao Euro que a economia parou. Explicar que o Euro trouxe vantagens para Portugal é uma tarefa quase que impossível. A não ser que não se respeitem os factos!

"Se não fosse esse guarda-chuva, já não haveria gasolina nas bombas, nem medicamentos nas farmácias."

????? Boa piada! Onde é que o Anónimo foi desencantar esta? Bom, à falta de factos que ajudem a justificar o Euro só resta inventar...

"O problema de portugueses e gregos, foi pensarem que se consegue viver como os alemães e os nórdicos, trabalhando pouco e sendo desorganizado."

Dos gregos não sei. Mas quanto aos alemães nós até trabalhamos mais que os alemães. Pelo menos é o que dizem as estatísticas. Quanto a ser desorganizado... bom, em muita coisa até somos bastante organizados.

Um dos problemas da UE (não o único) é tratar com igualdade o que é desigual.
Uma empresa em Düsseldorf, por exemplo, num raio de 100Km tem uns 20 milhões de potenciais clientes enquanto que uma empresa em Lisboa tem, também num raio de 100Km, no máximo uns três milhões de clientes e, em Faro, uns 300 a 350 mil clientes...