domingo, 25 de fevereiro de 2018

Criar as condições de mudança cultural e política

Estátua de Diógenes.
Em Sínope, cidade que atualmente pertence à Turquia.


Tal como Diógenes de Sínope, na história com que meu pai me prevenia, andei demasiado tempo com uma lanterna à procura de um homem. Todavia, o cínico grego sabia que não o encontraria, e servia-se da lanterna para mostrar que não havia; eu, crédulo como sempre fui, confiava descobrir um homem, um líder. A minha convição era a de que esse homem (ou mulher) existia. Só podia existir!... E, quando me desenganava, era em mim que via a culpa: tinha de procurar mais e melhor. Perguntava a pessoas de valor que entretanto fui conhecendo, onde havia tal pessoa, mas ninguém sabia. Pior: nos meados dos anos 2000, confesso, que até ficava aliviado quando das personalidades de renome, me diziam de algum: «esse é só viciado na droga, não é pedófilo, nem corrupto»!...

Também quando menino, ia à noite, de lanterna de petróleo, na quinta, de casa da avó até ao barracão ajudar o Ti' Chico a «tirar a corrêa» do castanho com que este Amigo, alentejano da raia, fazia canastras... Em miúdo, levava a lanterna para não me perder; já graúdo, usava a lanterna para achar... Da noite, passei para o dia, nunca largando a lanterna. Perdi-me, muito, nas minhas fraquezas, e não encontrei nenhum humano que merecesse seguir.

No beco dessa desilusão - onde sempre Deus me consolava -, abriu-se-me o sentido de que não era aos outros que devia pedir que fizessem, mas eu, e quem comigo fosse, que devia lutar. Em combate leal, nestes anos de esperança e fel, que se estenderam desde 2003, com desprezo do conforto, dos bens e da própria vida, e a ajuda de companheiros encontrados nas jornadas e a graça de Deus, venci sucessivos adversários no terreno. Porém, após batalhas e incursões, fui embatendo contra a muralha do sistema, sem meios de valia além da força de caráter. Cheguei, na reflexão das madrugadas em que se limpam as armas, à conclusão de que precisava de criar as condições para que o Bem pudesse tomar o castelo dominado pelo Mal. Pois, se não tinha representantes das ideias, e se até os bispos evitavam o púlpito e frequentavam as maçonarias, onde buscaria a palavra, a vontade e a ação?...

O contexto atual é muito desfavorável para a intervenção patriótica tomar imediatamente o poder:
  • uma cultura envolvente de dissolução social;
  • uma Igreja muda e batida internamente pelo ventos do tempo incerto;
  • um ataque sistemático à criação popular de riqueza no turismo;
  • uma pressão fiscal insuportável sobre as empresas, modernizadas, adaptadas ao palco da moeda forte e internacionalmente competitivas pelo efeito acumulado do avanço educativo do País, passadas três décadas de crise económica estrutural;
  • os meios de comunicação sujeitos ao poder político corrupto; 
  • um governo socialista-comunista que vai consolidando suavemente a sua agenda cultural;
  • um presidente que parece reconvertido da tentação mefistofélica que o desorientava, mas que não governa.
  • os partidos da pós-direita conluiados com o poder político da esquerda, na bancocracia, nos negócios, nos contratos de Estado e nos incentivos;
  • uma ocupação do aparelho de Estado pelos militantes dos partidos de esquerda,  tal como em 1975;
  • a domesticação gramsciana das organizações da sociedade civil;
  • o previsto derrube da independência judicial;
  • e, em resultado de todas estas contradições morais e políticas, uma maioria eleitoral socialisto-comunista.

Muito gostaria que outros aceitassem a chamada do bom senso íntimo, que lhes pula na consciência, de que não há rios nem santanas, nem mesquitas (!) nem cristas, que queiram derrotar o pós-modernismo herdeiro do comunismo, repor os valores cristãos, reduzir o compadrio da maçonaria aos ágapes rituais, promover o trabalho e a criação de riqueza sobre a distribuição da massa falida, governar com escrúpulo e rigor, em suma, servir a Pátria.

Não é crível que a situação atual se inverta no curto e no médio-prazo e permita a recuperação do poder. Então, importa ao setor patriótico criar as condições de mudança cultural e política. Somos nós que temos de trabalhar para criar essas condições de mudança! Nesta cruzada estou.


Pós-texto: este poste foi emendado às 22:36 de 25-2-2018.


* Imagem picada daqui.

13 comentários:

Anónimo disse...

Isto é o discurso da derrota. Já persentiamos isso há algum tempo. O Prof. Balbino Caldeira optou pelo saláriozinho, pois tem que pagar as custas judiciais e os empréstimos ao banco. É o que se chama, ficou-se pelas arrecuas. Registamos esta cedência em toda a linha. Parece até um colaboracionista de Vichy.

Anónimo disse...

Só em Portugal é a pasmaceira do costume, os carneiros dos tugas aceitando que os levem para o matadouro, silêncio dos inocentes.

Anónimo disse...

Portugal até como povo faliu. O que aconteceu este ano no Verão, obrigava qualquer povo com duas vértebras intactas a ir para a rua. E a exigir governo. Está quieto, estava calor e a praia tão boa.

Anónimo disse...

Caro professor.
Embora nem sempre tenha concordado consigo, não há dúvida que pôs em prática aquilo que apregoa “...abriu-se-me o sentido de que não era aos outros que devia pedir que fizessem, mas eu, e quem comigo fosse, que devia lutar.”, e por isso conta com a minha admiração.
São muito poucos os que estão dispostos a se sacrificar, nem que seja para se manterem verticais e/ou preservarem algum amor próprio, quanto mais para o bem geral.
São já muitas décadas a investir no desregramento, na desregulamentação, no culto do grotesco, etc, etc, e, muitos triliões gastos para que chegássemos onde chegamos. Foi, é e será, uma luta muito desigual e muito penosa, para aqueles que querem tentar deixar aos seus descendentes, porque os amam, uma humanidade mais digna desse nome. Houve, há e haverá sempre mais primatas, que só o seu umbigo é que conta, em posições importantes.
Apenas uma amostra
https://www.youtube.com/watch?v=YUYCBfmIcHM
Carlos
PS
Yuri Besmenov
https://www.youtube.com/watch?v=RS8LA-5fmrs

Vladimir Bukovsky (eu já vivi o teu futuro e não funcionou)
https://www.youtube.com/watch?v=m41Tdl5mvdg

Anónimo disse...

No dia em que a revista Donne Chiesa Mondo, uma revista do jornal oficial do Vaticano, o Osservatore Romano, sobre as mulheres na Igreja, publicou um artigo em que denuncia a “servidão” e o trabalho gratuito de freiras ao serviço de bispos e cardeais, a responsável portuguesa confirma já ter assistido a várias situações do género, e sublinha: “Agora foi notícia, mas isto não é, de todo, uma situação nova”.

“Uma vez vi uma fotografia de um cardeal que ia para uma grande celebração e ao lado dele ia uma freirinha só para segurar o chapéu dele”, exemplifica, em declarações ao Observador.

Anónimo disse...

Centro de Informação Europe Direct de Santarém, que funcionava e era uma iniciativa acolhida no Instituto Politécnico de Santarém (IPS), vai encerrar. O IPS viu ser rejeitada pela representação nacional da Comissão Europeia a candidatura que efetuou para renovar o acordo de acolhimento desta estrutura.

lusitânea disse...

O sistema não deixa o zé povinho mijar fora do penico deles.Agora os trabalhadores o que alegadamente mais querem é ter um capataz escurinho...

Anónimo disse...


Força Portugal ! Contra a colonização americana, contra a subserviência bruxelista, contra a escravatura da NATO, contra a União Europeia dos comissários irresponsáveis e dos bancos israelitas. Amizade e cooperação com os povos livres da Europa, senhora do seu destino ! Portugal não pode tornar-se em mais uma Disneytândia ! Yankees go home ! Yankees go home ! Yankees go home !

Anónimo disse...


Esquecia : sim à amizade e cooperação com a Rússia cristã de Vladimir Putin, e não ao belicismo da república maçónica dos Estados Unidos da América e da NATO, o seu braço armado, que representa, hoje em dia, a principal ameaça para a paz do mundo.

Anónimo disse...


Importante :

https://sputniknews.com/analysis/201803031062194607-russian-nuclear-weapons-upgrade-geopolitics-analysis/

Anónimo disse...

Supremo Tribunal Federal deve analisar a ação encaminhada pela defesa de Roberto Francisco Daniel, conhecido como "Padre Beto", que questiona a forma como ele foi excomungado pela Igreja Católica, em processo realizado pela Diocese de Bauru (SP) em 2013.

A decisão da igreja foi tomada após a divulgação de vídeos na internet nos quais o padre defendia temas polêmicos, como a união entre homossexuais, fidelidade e necessidade de mudanças na estrutura da instituição.

Anónimo disse...


Qual pode ser o lugar de um padre ex-católico que não respeitou a doutrina da Igreja ? Excomungou-se a si próprio. Não respeitou as regras do jogo. Pôs-se fora. Este senhor é adulto ou não é ? Mais : estamos um pouco fartos de tantas histórias de "padres" e "bispos" pró-homossexuais e pró-pedófilos. Já chega! Vão brincar entre si. Façam uma nova igreja entre si com irmãs lésbicas (que também há). Pouah!

Eston disse...

Using modular construction on the other hand, work on the house can take place at the same time as the foundation is being prepared. Since modular homes are constructed in a controlled factory environment Cross lamination they are not susceptible to delays due to weather or insufficient, sub-par, damaged, or stolen building materials. Even assuming not a single unexpected delay takes place on a site-built home, it will still take longer to construct than if it was built using modular construction.