quarta-feira, 3 de fevereiro de 2021

Inconveniente




A explicação para este hiato no blogue Do Portugal Profundo é a preparação do jornal digital Inconveniente (https://inconveniente.pt). O planeamento, organização e execução, deste projeto decorre há cerca de oito meses e ocupou parte do tempo que a este blogue costumo dedicar. Com ânimo e esforço, o Inconveniente foi lançado neste 1 de fevereiro de 2021, conforme previsto.

Várias vezes havia aqui assinalado que era necessário um jornal digital livre em Portugal. Fui fazendo contactos, mas o pavor da perseguição e punição do poder político, demovia potenciais participantes. Contudo, não desisti.

O receio de eventuais investidores de serem prejudicados os seus negócios direta e indiretamente pelo poder político afasta financiamento para um projeto de maior dimensão. A realidade de um país regressivamente pobre, onde a redistribuição desigual da riqueza é bastante maior do que a sua criação e no qual as empresas, investidores, e a sociedade civil, não podem correr o risco de desafiar o Estado e uma parte prefere até o seu encosto, um projeto nos média tem de suportar-se, pelo menos inicialmente, com o trabalho voluntário. E depois, quem quiser, pode ajudar financeiramente, com equipamento e com trabalho, no desenvolvimento do jornal para maior e melhor fluxo de informação.

Então, como escrevo no editorial deste jornal digital Inconveniente, que dirijo, após uma análise da situação e da história, um grupo de patriotas juntou-se para fazer um jornal livre. Porque é necessário e tem de ser possível.

Concluímos que a política, a sociedade, a cultura, a economia e as finanças de Portugal estão presas pela ideologia totalitária do politicamente correto, a pele de cordeiro do marxismo cultural. Luta com outras classes – mulheres contra homens, negros contra brancos, homossexuais contra heterossexuais… –, mas luta. Em vez de trabalho, de congregação, de liberdade e de paz.

Por outro lado, as elites parecem amedrontadas e resignadas aos novos costumes do poder, ao qual estão encostadas, e não têm ânimo para prescindir do conforto para mudar a situação. Tal como prevenia José Ortega y Gasset, em 1914, nas Meditaciones del Quijote, “eu sou eu e a minha circunstância e se não a salvo a ela não me salvo eu”. 

Não há salvação no egoísmo. Temos um dever, mesmo servos inúteis que somos, de servir os outros. Nesse serviço que é coletivo, pois não estamos, nem podemos estar, sós, mudamos as impiedosas circunstâncias. Porém, não é possível mudar a política corrupta, a sociedade corrompida, a cultura censurada, a economia arruinada e as finanças vazias, sem meios. Atualmente, esses meios são os de informação e comunicação. Só através desses meios se descobre e difunde a verdade. E, então, a mudança será viável. Mesmo que, para a nossa comodidade e risco, seja Inconveniente.

É este o nosso estatuto Editorial do Inconveniente.

1. O Inconveniente é um jornal digital plurimédia que serve a verdade, a vida, a dignidade da pessoa humana e a liberdade.

2. O Inconveniente separa a informação da opinião nas notícias, investigações, reportagens, entrevistas e outras peças jornalísticas.

3. O Inconveniente é um meio livre e sem coutos.

4. O Inconveniente advoga a proteção dos direitos, liberdades e garantias dos indivíduos e cumpre escrupulosamente a lei do Estado de direito democrático.

5. O Inconveniente respeita todas as crenças e filosofias.

6. O Inconveniente acredita que a verdade liberta as pessoas e defende a liberdade de expressão.

7. O Inconveniente é apartidário e independente de qualquer organização ou grupo de interesses financeiros, económicos, culturais ou sociais.

8. O Inconveniente dirige-se a um público intergeracional, sem distinção económica, cultural ou social, e pretende acolher leitores, comentadores, doadores e apoiantes, numa comunidade de informação e opinião.

9. O Inconveniente rejeita todos os totalitarismos e discriminações de pessoas com base na etnia, política, religião, filosofia e grupo social, cultural e económico.

10. O Inconveniente estimula o debate de opinião.

11. O Inconveniente procura reunir um conjunto alargado de especialistas setoriais e cronistas.

12. Quando o Inconveniente errar, corrigirá imediatamente a notícia logo que apure a verdade. E concederá aos visados nas notícias espaço para que possam apresentar a sua versão dos acontecimentos, reservando-se também o direito de contestar essa interpretação.

Assim Deus nos beneficie com a sua Graça.

Nota aos leitores: O blogue Do Portugal Profundo, enquanto projeto pessoal, não morre. Na verdade, é a semente do projeto do Inconveniente. Continuarei aqui a publicar, num registo pessoal, este blogue começado em agosto de 2003, ainda que mais esporadicamente. E sempre no serviço de Deus e da Pátria.

8 comentários:

Anónimo disse...

Foi na hora. Eu estava a ficar preocupado com o seu bem-estar.
Já dei um salto ao Inconveniente. Para amostra inicial, o site está bom.
Cumprimenta e felicita.
eo

Anónimo disse...

Já foi para a minha lista de leituras. Vamos passar a palavra

Monteiro disse...

Portugal totalitário? Isso deve ser do covid.

Anónimo disse...

Petit a petit l'oiseau fait son nid.
Algumas notas para se melhorar, creio eu:

1. Imagens a mais, ou grandes demais, pois repetem-se quando se entra no artigo. Torna tudo um niquinho mais lento.

2. O 'medRxiv' escreve ao que vem:
medRxiv (pronounced "med-archive") is a free online archive and distribution server for complete but unpublished manuscripts (preprints) in the medical, clinical, and related health sciences. Preprints are preliminary reports of work that have not been certified by peer review. They should not be relied on to guide clinical practice or health-related behavior and should not be reported in news media as established information.
Bolds meus.
A certificação por pares [peer review] sempre me faz lembrar Juvenal, em Sátiras:
Quis custodiet ipsos custodes
Quem guardará os guardas?

Abraço, eo

Anónimo disse...

Quando eu quero ser sintético, erro. No comentário anterior esqueci-me de vos dar a minha lista de 'profissões' suspeitas:
Cientista, Especialista, Investigador, Operacional, Assistente Operacional, Especialista da especialidade.
Abraço, ao

Maria disse...

António: por motivos diversos ainda não tinha vimndo aqui dar-lhe os merecidos parabéns pelo seu INCONVENIENTE. Que Deus o ajude neste seu patriótico empreendimento. Já não era sem tempo!

De vez enquando vou rever vídeos antigos. Ontem fui rever e fí-lo por duas vezes, a entrevista dada por Carlos Cruz pel ao programa Alta Definição e vi vários outros com entrevistas a esta mesma personagem ignóbil e . Uma vergonha tudo quanto este pedófilo compulsivo declarou em todas elas, só vomitou ando revela brutas mentiras e co um único objectivo tudo para que os portugueses acreditem num homem que tanto crime cometeu contra crianças indefesas e que (como ele teve a coragem… de revelar ou en passant) começou em 1982 na acusação de pedofilia que lhe foi feita por quem sabia dos crimes de pedofilia que ele já por essa altura havia cometido . Logo a seguir ele foi viver (ou melhor, fugiu de Portugal... e quem foi que o aconselhou a fazer tal coisa?, claro que foi quem o protegeu desde então até 2003, altura em que o escândalo da Casa. Pia rebentou e ele foi finalmente apanhado na rede de pedofilia de Estado sem hipótese de escapar - u imagine-se os anos que este indigno homem passou a abusar de dezenas, porventura de centenas de crianças até ser apanhado?!) para os Estados Unidos e para o Hotel onde se hospedou e onde já se encontrava hospedado - e na mesma cidade - onde já se vivia desde há muito o auto-confesso pedófilo Embaixador Ritto. Foi amor à primeira vista entre os dois e este foi pressuroso em n mostrar àquele os locais onde ele pr


praticarva od com toda «a liberdade os vícios repugnantes de ambos sem que ele fosse detectado. E foi o que aconteceu durante otempo que lá esteve. Quando regressou re-integrou a rede de pedofilia que já estava activa desde os anos oitenta. O resto já é conhecido.




Noutra belíssima e completíssima reportagem feita por Ana Leal sobre o mesmo assunto, adorei rever as comoventaes assim como brilhantes prestações de Pedro Namora e de Catalina Pestana. Estas duas personagens podem ser consideradas com toda a justiça, dentre alguns mais, dois dos maiores patriotas do séc. XXI. Foi uma honra poder ouvi-los descrever a verdade dos factos descrevendo ao pormenor a horrenda realidade do que se passou na Casa Pia durante dezenas de anos por pedófilos de tofdas as classes da sociedade, das artes e da pol+itica., e. E quando Pedro chorou em determinada altura durante d a entrevista ao relatar pormenores da mesma e do sofrimento do por que passaram tantas crinaças , eu própria tive dificuldade s em suster as lágrimas.
Maria


p.s.: desculpenm as vogais e consoantes a mais, mas a tecla respectiva para as apagar, está avariada


Maria disse...

Para quem estiver interessado deixo aqui mais umas dicas sobre o tema "Casa Pia". É para verem ou reverem os vídeos, pois garanto-vos que valem muito a pena.

Por esquecimento não mencionei no comentário anterior os títulos dos vídeos referidos: um é "Como os Poderosos se Safaram da Prisão" - brilhante documentário de Ana Leal, com a contribuição valiosa do Inspector Dias André e da inesquecível Dra. Catalina Pestana (que com a coragem que a caracterizava afirmou textualmente que "estes conhecidos são só a guarda avançada…, o grosso do pelotão não foi julgado"), que deve ser visto por todos os portugueses de bem para que nunca sejam esquecidos os autores dos crimes monstruosos de pedofilia cometidos contra crianças, a maioria órfãs, à guarda do Estado. Estado pútrido que permitiu que dentro dele e pela mão de muitos dos seus asquerosos membros fosse criada uma rede de pedofilia cujo início aconteceu escandalosa mas não surpreendentemente logo após o 25 de Abril de 1974 pela mão dos gtrandes 'libertadores do povo oprimido'+. É bom lembrar que também foi para a criação duma rede deste jaez, mas não só esta rede, que o abominável 25 de Abril aconteceu.

O outro vídeo é: (além do "Alta Definição" com Carlos Cruz, já referido,) e "Declarações de Pedro Namora" na SIC, uma das melhores e mais significativas entrevistas feitas a Pedro Namora, mais um Herói, na mesma altura sobre o assunto em epígrafe, sobretudo pela oportunidade dele revelar alguns dos nomes dos pedófilos dos crimes em causa e quem com poder para isso os tentou ocultar durante décadas - não esquecer que esta rede de pedofilia de Estado foi iniciada pelos poderosos (políticos e gente conhecida da sociedade e das artes) nos inícios dos anos oitenta, mas ela já vinha desde que a suposta democracia foi introduzida em Portugal - principalmente pela forma frontal e desassombrada como Pedro nomeou quem (dentre os políticos mais importantes do País e ele falou em "muitos") tentou abafar os ditos crimes para safar os seus comparsas, sendo um dos mais poderosos, o 'insuspeito' e criminoso moral do assassinato de mais de um milhão de portugueses indefesos, Mário Soares.

Reparem como nas filmagens, em que se vê Paulo Pedroso, Ferro Rodrigues e António Costa, na altura em que o primeiro era levado sob prisão em plena Ass. da República, vemos aqueles dois, Ferro e Costa, seus amigos do peito e protectores-mor a 'acarinhá-lo' e as muitas palmadinhas ternurentas e aconchegantes que o pedófilo F.R. lhe dava nas costas, como que a prometer-lhe que não seria esquecido pelos 'colegas do mesmo ofício', reforçando a ideia com as palmadinhas nos ombros, de que em breve sairia da prisão… como vergonhosamente assim sucedeu... E como, numa das sessões filmadas na A.da R., vê-se Costa sentado muito encostadinho a Pedroso e aos segredinhos com ele, com a mão a tapar o lado esquerdo da cara para ninguém perceber a conversinha secreta travada entre os dois. Vê-se também na mesma sessão o asqueroso F.Rodrigues sentado à direita de Pedroso, pegado a ele como uma lapa ao casco dum navio.
(cont.)
Maria

Maria disse...

Estes três desavergonhados receberam em triunfo Pedroso na A.da R. após a sua vergonhosa libertação da Penitenciária - também lá estava o farsante M. Alegre e mais alguns políticos conhecidos, todos a darem-lhe beijinhos(!!!) e llongos e apertados abraços - apesar das culpas que lhe cabiam , a ele e a todos os demais, por inteiro. Aquele foi um acto indigno - a libertação de Pedroso - e uma traição que revoltou fortemente os muitos jovens que foram sistem`aticamente` por ele abusados em crianças.

Esta gente m-´´
- 'todos democratas da mais pura água' - mete nojo. E se pensarmos nos cargos políticos importantes que todos eles, os pedófilos e os corruptos-mor,  tiveram desde o início da 'democracia' e que muitos deles ainda hoje detêm, é só de bradar aos Céus. Um destes vermes, Ferro - imagine-se o seu despudor e o descaro de quem o nomeou!!!, foi Costa, claro - detém desde há tempo demais o segundo mais importante cargo do Estado Português, logo a seguir ao de Presidente da República. Este pedófilo nojento, Ferro Rodrigues, só não foi julgado e condenado por o seu processo ter prescrito - e isto deveu-se, segundo o brilhante Inspector Dias André, por o próprio Ferro ter esperado que um dos jovens que o acusava tivesse completado os dezoito anos, para assim ele se poder livrar dum julgamento e condenação, que seria mais do que certo. Segundo O Inspector Dias André, Este e muitos outros espécimes da mesma laia, incluíndo políticos importantes e gente muito conhecida pertencendo às classes mais altas da sociedade, eram pessoas que jamais se imaginaria poderem cometer actos tão ignóbeis e degradantes e todos eles foram reconhecidos e apontados a dedo pelas crianças, sem margem para dúvidas, como tendo sido repetidamente seus abusadores, designadamente na casa dos "erres" . Todos os jovens foram examinados por médicos da especialidade, psicólogos, (Dr. Álvaro de Carvalho, outro Herói) psiquiatras, etc., e todos eles afirmaram que os jovens foram verdadeiros nos seus depoimentos/acusações, e " que nunca mentiram" (palavras do Inspector Dias André).

Estes sem-vergonha livraram-se do julgamento e prisão devido às manobras sujas tecidas pelos poderosos nas ante-câmaras do poder, e pela corrupta politicagem de serviço que encobria os podres mas também os actos cruéis praticados pelos "seus irmãos" maçónicos e em primeiríssimo lugar devido à protecção total da mesmíssima maçonaria de que beneficiavam/beneficiam todos os 'irmãos' da seita, por maiores e mais graves que fossem ou sejam os crimes por eles cometidos., incluindo crimes de sangue.
Maria